Search

Você pode gostar disso:

tonguepunk
Annabelle 2: A Criação do Mal (2017)
Ação Filmes Terror

Annabelle 2: A Criação do Mal (2017)

Não podemos negar que o diretor David F. Sandberg conseguiu manter o nível do precursor James Wan, criador de Invocação do Mal e toda essa franquia que também incluí Annabelle e os futuros filmes A Freira e Invocação do Mal 3. A conexão que este filme faz com os anteriores é bem feita, disposta no meio da trama para agradar aos fãs e, para melhorar, esse filme é infinitamente superior ao primeiro Annabelle, que não agradou. É o mesmo diretor de Quando as Luzes se Apagam, que merece ser visto também. O roteiro é do mesmo do primeiro Annabelle, Gary Daubermann. E, é claro, James Wan está na produção, cuidando de seu legado.

laughingmoustache
Maze Runner – Correr ou Morrer (2014)
Ação Filmes Terror

Maze Runner – Correr ou Morrer (2014)

Ao acordar dentro de um escuro elevador em movimento, Thomas (Dylan O'Brien) chega à “Clareira”, se vendo rodeado por garotos que o acolhem. O local é um espaço aberto cercado por muros gigantescos. Assim como Thomas, nenhum deles sabe como foi parar ali, nem por quê. Sabem apenas que todas as manhãs as portas de pedra do Labirinto que os cerca se abrem, e, à noite, se fecham. E que a cada trinta dias um novo garoto é entregue pelo elevador. Dirigido por Wes Ball e roteiro de Noah Oppenheim.

Visita privilegiada: sala de projeção Cinema do Museu em Salvador
Ação Filmes Terror

Visita privilegiada: sala de projeção Cinema do Museu em Salvador

Em 2014 tive a oportunidade de visitar a sala de projeção do Cinema do Museu, aqui em Salvador, Bahia. Muito legal observar e tentar entender as explicações do projecionista sobre como funciona o projetor de 35mm. Veja mais detalhes.

laughingpunk

Águas rasas (2016)

The Shallows (EUA, 2016)

Nancy (Blake Lively) é uma jovem médica que está tendo de lidar com a recente perda da mãe. Seguindo uma dica sua, ela vai surfar em uma paradisíaca praia isolada, onde acaba sendo atacada por um enorme tubarão. Desesperada e ferida, ela consegue se proteger temporariamente em um recife de corais, mas precisa encontrar logo uma maneira de sair da água. Dirigido por Jaume Collet-Serra.

Blake Lively versus tubarão:

Podemo dizer que este filme foi uma grande surpresa. O trailer mostrou que se trata de uma premissa simples: quando é atacada por um tubarão branco e encurralada a poucos metros de distância da praia, Nancy precisa correr contra o tempo e usar tudo o que aprendeu para tentar sobreviver. Blake Lively está, na maior parte do tempo, sozinha no filme. Ou melhor, não está sozinha… o tubarão está lá implacável e insistente. Este animal, ao que parece, não é movido por sua fome, pois ele tem outros alimentos fáceis ali por perto. A questão parece ser psicológica, o orgulho ferido por não ter conseguido capturar sua vítima, uma simples garota sem armas, no primeiro ataque. O animal é imenso e insano a ponto de nos lembrar o do clássico Tubarão (1975), de Steven Spielberg. Alguns ataques chegam mesmo a lembrar do clássico.

A batalha entre os dois é o que garante nossa atenção o filme inteiro. O diretor Jaume Collet-Serra, responsável por outro grande filme – A Órfã (2009) – consegue criar várias situações interessantes dentro dessa simples proposta e num cenário pequeno. A personagem principal demostra raciocínio, conhecimento, inteligência e muita calma ao utilizar os objetos disponíveis, que são escassos, para se livrar de várias situações de perigo causadas pelo seu predador. Mas ela também é humana e, numa situação dessas, vai demostrar seus momentos de desespero e desamparo numa atuação memorável de Blake Lively. Não somente ela prova ser uma ótima atriz, como também se mostra uma beldade (sua beleza é alta) dentro de um paraíso natural (uma bela e pouco visitada praia no México). Só isso já seria uma desculpa para assistir ao filme. Sem contar que ela está quase o tempo todo de biquíni.

A cada momento, vamos nos surpreendendo com a criatividade da trama. A fotografia, muitas vezes alternando as cenas pela parte da superfície e por dentro d’água, junto com a qualidade do som (as ondas batendo nas pedras e na personagem) também soma ao resultado e ajuda a mostrar um realismo de dar um calafrio e, ao mesmo tempo, uma paz com aquele visual paradisíaco.

A nossa personagem, amante do surf, mostra que temos que fazer o que amamos, mesmo diante dos riscos. E que, muitas vezes, a ajuda não vai chegar e você, sozinho, terá que enfrentar o problema. Depois deste filme, quem tem medo de mar e tubarão vai ficar com mais medo ainda. Pelo menos aprendam a nadar!

Tags Relacionadas A Órfã, Águas rasas, Blake Lively, crítica, Jaume Collet-Serra, resenha, The Shallows, tubarão
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

Invasores – Nenhum Sistema Está à Salvo (Alemanha, 2014)

Eu indico Who Am I – Kein System ist sicher

clownsecret
A primeira vez do cinema brasileiro (Brasil, 2012)
Filmes

A primeira vez do cinema brasileiro (Brasil, 2012)

O documentário parte do filme “Coisas Eróticas”, primeiro longa-metragem de sexo explícito lançado no país, em 1982. Há pouco mais de trinta anos atrás a fita rodava nas principais salas de cinema do Brasil, causando alvoroço no público em plena ditadura militar. Recheado de curiosidades e polêmicas, o filme marcou a produção cinematográfica da época para o bem e para o mal, figurando até hoje entre as quinze maiores bilheterias nacionais de todos os tempos. Dirigido por Bruno Graziano, Denise Godinho e Hugo Moura.

laughing
Filmes

The Man From Nowhere (Coreia do Sul, 2010)

O filme segue a história de um misterioso homem que parte em busca de sua vizinha, uma criança que foi raptada por traficantes de órgãos. Escrito e dirigido por Lee Jeong-beom.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu endereço de email não será publicado. E seus dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados como *