Search

Você pode gostar disso:

laughingangelcryingtongue
Feito na América (EUA, 2017)
Cult Drama Filmes Romance

Feito na América (EUA, 2017)

Essa é uma história real, uma incrível história real das aventuras de um piloto americano experiente que, durante os anos 80, acabou transportando drogas e armas para o cartel de Medellín e, recrutado pela CIA, tornou-se agente duplo. Barry Seal (bem interpretado por Tom Cruise) conta sua própria história para uma câmera e não se importa em ficar justificando suas escolhas, o que torna a situação curiosa e interessante. Ele mesmo diz de cara: “Às vezes eu tomo decisões sem pensar”. Dirigido por Doug Liman.

Cult Drama Filmes Romance

Gloria (Chile, 2013)

Eu indico Gloria (Chile, 2013) Gloria (Paulina García) é uma

Visita privilegiada: sala de projeção Cinema do Museu em Salvador
Cult Drama Filmes Romance

Visita privilegiada: sala de projeção Cinema do Museu em Salvador

Em 2014 tive a oportunidade de visitar a sala de projeção do Cinema do Museu, aqui em Salvador, Bahia. Muito legal observar e tentar entender as explicações do projecionista sobre como funciona o projetor de 35mm. Veja mais detalhes.

confusedcryingmoney

Aurora (“Sunrise: A Song of Two Humans”, 1927)

Aurora (EUA, 1927)

Seduzido por uma moça da cidade, um fazendeiro tenta afogar sua mulher, mas desiste no último momento. Esta foge para a cidade, mas ele, arrependido, a segue para provar o seu amor. Dirigido por F. W. Murnau.

Despertar:

Em 1929 foi realizada a primeira cerimônia do Oscar. Existiam duas premiações para melhor filme, e Aurora levou como “Melhor Filme – Prod. Única e Artística”. Já disseram que este é o filme mais belo do mundo. F. W. Murnau, diretor conhecido no mundo do cinema expressionista alemão, dirigiu este que foi o seu primeiro filme em Hollywood. Pode-se dizer que é uma história de amor melodramática, um drama romântico, sendo considerado também o primeiro grande filme do Oscar, pois é o mais lembrado entre os filmes que participaram da primeira cerimônia.

A vida de um casal interiorano sofre uma drástica mudança quando tentada pelos prazeres da cidade. Diante de uma mulher urbana, o homem não resiste e ela torna-se a sua amante, e ela com seu egoísmo e interessada mais em dinheiro o convence a trair e matar a esposa. “Não poderia afogar-se?” é uma frase dita pela amante, que choca na tela, com direito a um efeito visual nas palavras que afundam no nada; um uso criativo deste efeito no diálogo escrito, já que o filme é mudo (todas as falas usem o velho letreiro na tela). A jovem esposa nada pode fazer além de implorar pela vida. E, surpreendentemente, o homem desiste do ato na última hora.

Este filme é de uma sensibilidade única. Como resgatar um amor depois de ter pensado e quase tentado assassinar a pessoa amada? O que parece acabado, destruído e impossível de reversão, é questionado e comprovado – o contrário – por Murnau. É um filme que inicialmente tende ao trágico, até mesmo ao sinistro, e logo depois se transforma magicamente em sensível, romântico e emocionante. A partir daí o casal vive uma noite como se fosse o seu primeiro e maravilhoso momento, tendo o espectador direito a algumas cenas de comédia e aventura, divertidas e que dão uma boa sensação de alívio em relação ao início da trama.

Sendo preto e branco, os contrastes de claro e escuro dão uma característica visual marcante ao filme, sendo isso uma herança do cinema alemão da década de 20. No campo, prevalece o uso do escuro, mas na cidade vem o claro, simbolizando essa contradição da consciência de um homem diante das tentações da cidade, que o influencia a romper com a moral e os valores religiosos. Nesse sentido, há um tom melancólico de despedida de uma época. A revolução industrial e o estabelecimento do capitalismo são postos no filme como agentes transformadores, elementos que agem no sentido de romper valores como honestidade, integridade e fidelidade.

Apesar do diálogo mudo, Aurora já contava com efeitos sonoros e Murnau fez bom proveito disso. O barulho dos sinos na Igreja é como um despertar do homem, que marca o seu profundo arrependimento; e da mulher que por amor ainda lhe dá mais uma chance. Sutil e simbólico, com uma música acompanhando o desenvolvimento da história, podemos nos apaixonar pelos personagens, que não possuem nome, justamente para universalizar todas as pessoas que podem estar na mesma situação. “Aurora” consegue um poder de concentração raro, até para quem não está costumado com filmes mudos (e em preto e branco). Existem reviravoltas surpreendentes no filme, e até um objeto que seria usado para uma finalidade acaba voltando em outra cena e se encaixando no novo contexto de forma inteligente, como um presente para os espectadores “despertos”.

__________________________________
Fontes:
http://ofilmequeviontem.blogspot.com.br/2012/05/o-filme-mais-belo-do-mundo-aurora-1927.html
http://www.cineplayers.com/critica.php?id=888

Tags Relacionadas crítica, Murnau, oscar, resenha
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

moustacheangry
Prometheus (2012)
Filmes

Prometheus (2012)

Uma equipe de exploradores descobre novos indícios sobre as origens da humanidade na Terra, levando-os a uma aventura impressionante pelas partes mais sombrias do universo. A bordo da nave estelar Prometheus, eles seguem para um planeta distante, onde existe uma civilização avançada.

Filmes

Argo

Eu indico Argo (EUA, 2012) Baseado em fatos reais, acompanha

moustachetongueangry
Vida (2017)
Filmes

Vida (2017)

Uma equipe de seis astronautas da Estação Espacial Internacional descobre sinais de vida inteligente em Marte e a investigação do fato gera consequências inimagináveis. Dirigido por Daniel Espinosa.

3 Comentários

  1. […] A primeira atriz “queridinha” da academia foi Janet Gaynor. Ela concorreu contra ela mesma duas vezes na mesma premiação, que foi o primeiro Oscar, por suas interpretações em Seventh Heaven, Street Angel e Sunrise. Existiram mais 2 atrizes concorrendo, mas ela ganhou o prêmio. Realmente, com sua carinha de anjo, apesar dos filmes serem mudos, ela mostrava grande expressão corporal, principalmente facial, nas suas atuações. Aqui também tem um post do filme Sunrise: A Song of Two Humans, um romance muito sensível que me fez admirar mais ainda os filmes mudos: http://www.eueatelona.com.br/aurora-sunrise-a-song-of-two-humans/ […]

    Reply
  2. […] Aurora (EUA, 1927), de F. W. Murnau: No primeiro Oscar da história, este aqui levou o prêmio de melhor filme. O preto e branco e a ausência de falas – afinal é um filme mudo – não fazem falta diante da delicadeza dessa história. Quando um fazendeiro ingênuo é seduzido por uma moça da cidade e tenta se livrar de sua mulher, ele desiste no último momento e, arrependido, a segue para provar e reconquistar o seu amor. […]

    Reply

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu endereço de email não será publicado. E seus dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados como *