Search

Você pode gostar disso:

Destaques Drama Filmes Na pré

Amor Profundo (The Deep Blue Sea)

Eu indico The Deep Blue Sea (EUA / Inglaterra, 2011)

Destaques Drama Filmes Na pré

Flores do Oriente (“Jin Líng Shí San Chai”)

Eu indico Flores do Oriente (China, 2011) Em meio à

Destaques Drama Filmes Na pré

Paris, Texas (1984)

Eu indico Paris, Texas (França / Alemanha / EUA) Travis

cryingtongue

Cafarnaum (Líbano, 2018)

Cafarnaum (Líbano, 2018)

O drama libanês indicado ao Oscar 2019 é dirigido por Nadine Labaki e claramente se propõe a impactar e conscientizar pessoas. A pobreza impera nas cenas bastante realistas a ponto de causar uma atmosfera pesada, ganhando o título de “Caos” no Brasil. É justamente o que vemos na tela: um retrato triste da pobreza que começa a ser vista do alto, mostrando as moradas (com muitos pneus em cima) de um bairro precário e depois mergulhando no cenário de uma família, onde temos um garoto de 12 anos.

Esse garoto é Zain, personagem principal interpretado pelo ator de mesmo (primeiro) nome Zain Al Rafeea. Ele é o maior ganho do filme, impecável em vários aspectos, quanto mais num filme onde a expressão facial fica em foco e se faz necessário mostrar sentimentos como tristeza e angústia. Dá gosto ver sua atuação e isso é um alívio pois ele está muito presente na narrativa que dura 2 horas e pouco.

Se por um lado o filme entrega muita coisa no início que seria uma surpresa impactante, por outro ele possui um desfecho dos bons, talvez o momento final seja o único alívio após tanto sofrimento. Como predomina o ponto de vista do garoto, os pais não são explorados como mereciam e muita gente pode interpretar equivocadamente o recado que o filme tenta passar sobre controle de natalidade, a não ser que o filme tenha de fato apontado para um certo lado e aí temos um grande escorrego aqui. Mas não tira o mérito do todo.

“Somos insetos e parasitas”

Muitos personagens vão surgindo ao redor de Zain e quase todos são vítimas do meio, como o próprio pai desabafa “Já pensou que tudo isso não é minha culpa? Nasci e cresci nesse meio“. Contudo, quase todos os adultos do filme possuem uma maldade ou mesquinhagem sem fim, mas na realidade devem existir muitas pessoas boas e humildes ou simplesmente vítimas sem muitas opções naquele meio, como é o caso de Rahil e dos próprios pais de Zain.

Aqui não existe comédia, nem sorrisos (talvez com uma exceção quase forçada). É tudo tão caótico que nem vendo crianças brincando a gente consegue sentir uma leveza. Zain, usando a mesma roupa quase o filme inteiro, ainda consegue duas pitadas de conforto, uma na cena da roda gigante (a falta de barulho nas alturas contrasta com o que acontece no solo) e outra que não posso contar mas que vale ser aguardada.

Tags Relacionadas Cafarnaum, Cafarnaum 2018, Cafarnaum filme, Cafarnaum Oscar, crítica, crítica Cafarnaum, crítica Capernaum, filme caos 2018, filme Capernaum, filme estrangeiro, filme Líbano, indicado oscar, Nadine Labaki, resenha, resenha Cafarnaum, resenha Capernaum
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

laughingangelcryingtongue
Feito na América (EUA, 2017)
Filmes

Feito na América (EUA, 2017)

Essa é uma história real, uma incrível história real das aventuras de um piloto americano experiente que, durante os anos 80, acabou transportando drogas e armas para o cartel de Medellín e, recrutado pela CIA, tornou-se agente duplo. Barry Seal (bem interpretado por Tom Cruise) conta sua própria história para uma câmera e não se importa em ficar justificando suas escolhas, o que torna a situação curiosa e interessante. Ele mesmo diz de cara: “Às vezes eu tomo decisões sem pensar”. Dirigido por Doug Liman.

Filmes

L’Apollonide: Os Amores da Casa de Tolerância

Eu indico L’Apollonide: Souvenirs de la Maison Close (França, 2011)

confusedcryingmoney
Aurora (“Sunrise: A Song of Two Humans”, 1927)
Drama

Aurora (“Sunrise: A Song of Two Humans”, 1927)

Seduzido por uma moça da cidade, um fazendeiro tenta afogar sua mulher, mas desiste no último momento. Esta foge para a cidade, mas ele, arrependido, a segue para provar o seu amor. Dirigido por F. W. Murnau.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu endereço de email não será publicado. E seus dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados como *