Search

Você pode gostar disso:

angrypunk
February (2015)
Filmes Na pré Suspense Terror

February (2015)

Joan caminha em direção a uma prestigiada escola preparatória para meninas, onde Rose e Kat se encontram presas depois de seus pais misteriosamente as esquecerem. Enquanto Joan se aproxima, visões aterrorizantes começam a assombrar Kat, ao mesmo tempo em que Rose acredita horrorizada que sua está sendo influenciada por uma força maligna. Dirigido por Ossgood Perkins.

Dica de livro: Tudo Sobre Cinema
Filmes Na pré Suspense Terror

Dica de livro: Tudo Sobre Cinema

Recomendo esse livro que tem me ajudado muito a imergir com profundidade no mundo cinematográfico: “Tudo Sobre Cinema”, editado por Philip Kemp e com o prefácio de Christopher Frayling.

crying
Ressurreição (EUA, 2016)
Filmes Na pré Suspense Terror

Ressurreição (EUA, 2016)

Às vésperas de um levante em Jerusalém, surgem rumores de que o Messias judeu ressuscitou. Um centurião romano agnóstico e cético (Joseph Fiennes) é enviado por Pôncio Pilatos para investigar a ressurreição e localizar o corpo desaparecido do já falecido e crucificado Jesus de Nazaré, a fim de subjulgar a revolta eminente. Conforme ele apura os fatos e ouve depoimentos, suas dúvidas sobre o evento milagroso começam a sumir. Dirigido por John Huston.

tongueangrypunk

Corra! (“Get Out”, 2017)

Get Out (EUA, 2017)

Chris (Daniel Kaluuya) é jovem negro que está prestes a conhecer a família de sua namorada Rose (Allison Williams). A princípio, ele acredita que o comportamento excessivamente amoroso por parte da família dela é uma tentativa de lidar com o relacionamento de Rose com um rapaz negro, mas, com o tempo, Chris percebe que a família esconde algo muito mais perturbador.

Corra para assistir!

Sem dúvida a fama deste filme está boa, muitas impressões positivas foram divulgadas antes até da pré-estreia. O que podemos dizer, com o perdão da repetição, é: “corra” para ver! Podemos comparar o filme a uma mistura dos melhores episódios de Black Mirror, Westworld e Além da Imaginação, três grandes séries. Aliás, quem estrela este filme é o protagonista de um dos primeiros episódios de Black Mirror, o ator Daniel Kaluuya. Ainda assim, o filme prioriza o gênero suspense, daqueles que beiram à agonia, então fãs do gênero serão agraciados.

Carregado de mistério e suspense, merece que o espectador assista sem saber detalhes do roteiro. Então essa resenha aqui promete – e cumpre – não escrever spoiler!

Só o fato de um jovem negro ter que conhecer e passar o final de semana com a família da namorada, todos brancos, já daria uma sessão de horror. Logo vemos que a temática do racismo aparece como proposta no filme, mas o que vem depois daí vai além disso, pois se torna um interessante show de horrores, na linha do terror psicológico a medida que as coisas vão se revelando. Como se já não bastasse a condição a qual Chris (Daniel Kaluuya) é submetido, ao conhecer os pais e irmão da garota, a situação vai ficar pior do que imaginamos.

Foi escrito e dirigido por um ator de comédia, Jordan Peele, que acabou responsável por esse bom resultado, conseguindo até sair da linha óbvia que parece construir até a metade do filme. Ou seja, em alguns momentos consegue surpreender com reviravoltas positivas. E, como esperado, introduz cenas cômicas, mas não banaliza o conjunto da obra. O personagem interpretado por Lil Rel Howery, melhor amigo de Chris, está ótimo e é responsável pelas cenas mais engraçadas. Mas a atmosfera do filme é muito mais horror do que comédia.

Daniel Kaluuya ganhou destaque e cumpriu muito bem o papal principal. Ele está perfeito como o visitante na casa alheia que acaba se vendo numa situação bizarra, horrorizado com os acontecimentos. Suas reações, caras e bocas diante das descobertas são bem expressivas. Alguns personagens são sinistros, outros são de uma frieza que dá raiva. Na verdade, praticamente todos os atores mandam bem na atuação e isso reforça uma boa direção de elenco. Apresentando temas como racismo e hipnose, só que de uma forma inesperada e com cenas inteligentes, esse é um dos melhores thrillers dos últimos tempos.

Tags Relacionadas Além da Imaginação, Black Mirror, crítica, Daniel Kaluuya, daqueles que beiram à agonia, Jordan Peele, Rel Howery, resenha, terror, thriller, Westworld
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

As Vinhas da Ira (“The Grapes of Wrath”, EUA, 1940)

Eu indico The Grapes of Wrath (EUA, 1940) A história

Filmes

9 Canções (Reino Unido, 2004)

Eu indico 9 Songs (Reino Unido, 2004) O filme narra

Filmes

Os Vivos e os Mortos

Eu indico The Dead (EUA / Reino Unido / Irlanda,

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu endereço de email não será publicado. E seus dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados como *