Search

Você pode gostar disso:

Drama Filmes Na pré Romance

A Chave de Sarah (“Elle s’appelait Sarah”)

Eu indico A Chave de Sarah  (França, 2010) Durante a

laughingmoustachetongue
Ghost in the Shell: Vigilante do Amanhã (2017)
Drama Filmes Na pré Romance

Ghost in the Shell: Vigilante do Amanhã (2017)

Num mundo pós 2029, cérebros se fundem facilmente a computadores e a tecnologia está em todos os lugares. Motoko Kusanagi é uma ciborgue com experiência militar que comanda um esquadrão de elite especializado em combater crimes cibernéticos.

happy
Top 10 filmes coreanos para hollywood nenhuma botar defeito
Drama Filmes Na pré Romance

Top 10 filmes coreanos para hollywood nenhuma botar defeito

A Coreia do Sul possui excelentes produções há um bom tempo, embora tenha chamado a atenção mundial recentemente. Muitos filmes de qualidade, principalmente nos gêneros suspense e policial. Esse é um top 10 especial para mim, já que experimentei muitos filmes coreanos por indicação de amigos mais viciados e com base em outras listas na internet.

cryingtonguemoney

Em Busca de Fellini (2017)

In Search of Fellini (EUA, 2017)

“A vida é uma combinação de magia e espaguete.”
(Federico Fellini)

Lucy, uma garota tímida da pequena cidade de Ohio, EUA, ama filmes e acaba conhecendo o trabalho único de Federico Fellini, um dos mais importantes diretores italianos, responsável por filmes como A Doce Vida (1960), Oito e Meio (1963), Amarcord (1973), A Estrada da Vida (1954) e Noites de Cabíria (1957). Lucy está tendo problemas em encarar a realidade e acaba embarcando numa viagem estranha e bonita pela Itália para encontrar Fellini. Ao longo do caminho ela descobre muito além do que esperou. Dirigido por Taron Lexton.

Ótimo ver um filme que fala um pouco do Fellini, mesmo ele não sendo o ponto principal da trama, já que mais forte se mostra uma relação entre mãe e filha e a questão do propósito que cada um de nós temos na vida; propósito é um assunto abordado por Fellini em suas falas e filmes. Mais do que isso, muitas cenas deste filme beiram ao excêntrico que, como nos filmes do diretor, acaba sendo um excêntrico aceitável. O cineasta já deu um tapa naqueles que defendem radicalmente o realismo no cinema quando disse uma vez: “O realismo não é uma boa palavra. Eu nem percebo a fronteira entre o imaginário e o real. Vejo muita realidade no imaginário. E não me sinto encarregado de pôr uma ordem nisso tudo”. E mais: “O visionário é o único e verdadeiro realista.”

Uma das melhores coisas que posso dizer a respeito deste é que estamos diante de um filme romântico. O amor é abordado ao menos de 3 formas: na relação entre mãe e filha, no descobrimento do primeiro amor entre um casal de jovens e do amor pelo cinema representado pela paixão da personagem pelos filmes do Fellini. Mesmo com a distância, mãe e filha estão sempre ligadas: enquanto uma está na Itália passando pelos locais dos filmes, a outra está experimentando os filmes de Fellini na TV.

A proposta parte de um cenário americano para a Itália e as paisagens e costumes deste país europeu trazem prazer ao expectador. Afinal, a Itália se mostra deslumbrante neste filme e um pequeno exemplo é a Fonte de Trevi que remete a um filme especial para mim, La Dolce Vita. Verona, Veneza, Roma… a personagem tem o privilégio de passar por lugares deslumbrantes e viver coisas boas e ruins, sentindo na pele passagens dos filmes de seu amado diretor, que são exibidos em partes numa contraposição a trama vigente. Obras elogiadas e que causam estranheza em alguns personagens, que chegam fazer comparações do tipo: “não são como os filmes americanos… é meio confuso… e são muito bons”.

Apesar de um certo exagero desnecessário na tentativa de mostrar a forte relação entre mãe e filha à distância e na aparição bem conveniente de um jovem salvador e apaixonante para a personagem que está perdida em outro país, o filme não decai por conta das outras qualidades supracitadas. Lucy (Ksenia Solo, que está apaixonante), de forma súbita e intensa, parte nessa viagem e segue seus sonhos para depois perceber que a felicidade estava onde ela menos buscou. E temos um final bem romântico para completar.

Fini.

Tags Relacionadas A Doce Vida, Amarcord, Cabíria, crítica, crítica Em Busca de Fellini, Em Busca de Fellini, Federico Fellini, Fellini, Oito e meio, resenha, resenha Em Busca de Fellini
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

O Fugitivo (“I Am a Fugitive From a Chain Gang”, 1932)

Eu indico I Am a Fugitive From a Chain Gang

cryingsecret
Mãe só há uma (Brasil, 2016)
Drama

Mãe só há uma (Brasil, 2016)

Anna Muylaert dirige este filme nacional que poderia vencer um Oscar. Baseado em um caso real, mostra um garoto de 16 anos que descobre que sua mãe não é biológica, quando a mesma é presa pela polícia. Confuso e tendo que morar com seus parentes verdadeiros, que o conhecem como Felipe, o rapaz tem que se adaptar à nova realidade.

angelcrying
3 Idiotas (Índia, 2010)
Filmes

3 Idiotas (Índia, 2010)

Dois amigos, Farhan e Raju, embarcam em uma jornada em busca de seu amigo desaparecido, Rancho. Em meio a viagem eles perpassam por uma trajetória através do tempo e da história do amigo que possui um jeito único e que os inspirou a viver sem preocupações e com muita criatividade. Dirigido por Rajkumar Hirani.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu endereço de email não será publicado. E seus dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados como *