Search

Você pode gostar disso:

angelmoney
Ritmo Louco (“Swing Time”, EUA, 1936)
Clássico Drama Filmes

Ritmo Louco (“Swing Time”, EUA, 1936)

O casal de atores Fred Astaire e Ginger Rogers, que dançam e cantam em seus filmes, mantiveram uma longa parceria no cinema. Ritmo Louco foi o sexto filme com o casal, contendo cenas de dança sensacionais, ao estilo sapateado, entre outros. Um dançarino e apostador viaja a Nova York para levantar a quantia necessária para poder se casar com sua noiva. Chegando lá, ele acaba se envolvendo com uma bela dançarina novata. Dirigido por George Stevens.

confusedangry
Lady Vingança (“Chinjeolhan geumjassi”)
Clássico Drama Filmes

Lady Vingança (“Chinjeolhan geumjassi”)

Dirigido por Chan Wook Park, este é um dos filmes da Trilogia da Vingança. Geum-ja passou os últimos 13 anos na cadeia, devido ao cruel assassinato de um garoto de 7 anos. Durante esse período, ela planeja sua vingança contra o sujeito que a obrigou a assumir a culpa pelo crime.

coolangelcrying
O Circo (1928)
Clássico Drama Filmes

O Circo (1928)

O Vagabundo acaba indo parar em um circo enquanto fugia da polícia, que o confundira com um ladrão de carteiras. Ele sem querer acaba entrando no espetáculo e fazendo grande sucesso com o público, sendo logo contratado pelo dono, que irá se aproveitar dele. Ele ainda arranja tempo para se apaixonar pela acrobata, filha desse mesmo proprietário. Dirigido e estrelado por Charles Chaplin.

coolcrying

Esperança e Glória (Reino Unido, 1987)

Hope and Glory (Reino Unido, 1987)

Se eu soubesse que Esperança e Glória, filme de drama e guerra, era tão diferente dos outros filmes ambientados na Segunda Guerra Mundial, teria visto bem antes. O diretor John Boorman fez deste uma espécie de autobiografia, já que ele nasceu e foi criado em Londres, durante a Segunda Guerra, e relatou a história de um garoto de nove anos que relembra os horrores de uma Inglaterra devastada por bombardeios durante a guerra. Apensar da tensão pelo momento, a narrativa é toda focada nas pessoas que não estão no campo de batalha, ou seja, nas famílias que foram deixadas quando os homens, jovens ou adultos, tiveram que lutar pelo seu país. Existe toda a expectativa, tristeza e tudo o mais, dessas pessoas, crianças, mulheres, enfim, que ficam aguardando o fim da guerra e retorno de seus entes queridos, mas também surgem cenas agradáveis que reduzem esse peso que é a guerra em si. Essas cenas acabam tendo tanta força quanto a própria guerra em si, deixando o filme com o seu diferencial.

Enquanto Londres está na iminência de sofrer ataques de bombardeios, Bill (Sebastian Rice-Edwards) tem que conviver com a ausência do pai que deixa a família e parte para o campo de batalha, todo empolgado com seu patriotismo. Junto com outras crianças, o garoto se diverte e entra numa gangue infantil que na verdade representa essa fuga do cenário real, uma espécie de poder que a ficção tem de minimizar a realidade. As crianças definem o filme. Elas brincam nos escombros que sobraram de um ataque ou nos restos de uma casa que foi incendiada. Boorman mostra a guerra através desses olhos infantis, através das pessoas que ficam. Nisso ele também reforça o valor da família, que resiste unida, chegando a se ajudar da melhor forma que podem. A casa dos avós do garoto no meio do lago, é linda e aconchegante o suficiente para representar essa característica, com toda a receptividade que os avós possuem com seus familiares.

Existem gestos de quebra da ficção, como quando a garota entra em trabalho de parto e, não tendo para onde ir, uma pessoa fala “Água quente. Muita água quente!”. Outra pergunta a utilidade disso e a pessoa responde: “Sei lá. Sempre dizem isso nos filmes.”. Enfim, as coisas precisam se ajustar em meio a uma situação sem recursos e o filme mostra que as pessoas conseguem se superar nessas condições. Isso é reforçado nas cenas onde ocorrem situações positivas mesmo num cenário maior turbulento (a cena da bomba no lago permitindo ao garoto conseguir vários peixes é peculiar), seja na diversão que as crianças encontram quando toca a sirene avisando um ataque aéreo (afinal, quando isso ocorre, a escola interrompe as aulas) ou de forma mais explícita quando uma bomba perdida destrói a escola e as crianças entram em ritmo de comemoração contagiante.

O assunto não perde sua seriedade, afinal o filme é um drama sobre a guerra. Com esse foco nas pessoas que ficam fora da batalha, tentando tocar suas vidas já modificadas, mas também trazendo várias situações mostrando o lado positivo das coisas, percebemos que não se vive só de esperança e de glória, se vive o momento em si da melhor forma que pudermos, e ele pode ser bom mesmo com tantas forças externas ameaçando nossas vidas.

“Nada mais na minha vida se igualou à alegria daquele momento.
Minha escola estava em ruínas.
E o rio acenava com a promessa dos dias furtados.”

Tags Relacionadas crítica, Esperança e Glória, filme de guerra, Guerra, Guerra Civil, Hope and Glory, John Boorman, resenha
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

laughingtongue
Kingsman 2: O Círculo Dourado (2017)
Na pré

Kingsman 2: O Círculo Dourado (2017)

Um súbito e grandioso ataque de mísseis praticamente elimina o Kingsman, que conta apenas com Eggsy (Taron Egerton) e Merlin (Mark Strong) como remanescentes. Em busca de ajuda, eles partem para os Estados Unidos à procura da Statesman, uma organização secreta de espionagem onde trabalham os agentes Tequila (Channing Tatum), Whiskey (Pedro Pascal), Champagne (Jeff Bridges) e Ginger (Halle Berry). Juntos, eles precisam unir forças contra a grande responsável pelo ataque: Poppy (Julianne Moore), a maior traficante de drogas da atualidade, que elabora um plano para sair do anonimato. Dirigido por Matthew Vaughn.

coolcrying
Agonia e Êxtase (1965)
Drama

Agonia e Êxtase (1965)

Preocupado com o legado que deixaria para as gerações futuras, o Papa Júlio II (Rex Harrison) resolve contratar o artista Michelangelo (Charlton Heston) para pintar o teto da Capela Sistina. O artista se nega, mas logo é forçado pelo pontífice a fazê-lo. A partir daí, começam as disputas entre Michelangelo e o papa à respeito do projeto. Dirigido por Carol Reed.

confusedcrying
Frances Ha (2012)
Drama

Frances Ha (2012)

Frances (Greta Gerwig) divide um apartamento em Nova York com Sophie (Mickey Sumner), sua melhor amiga. Brincalhona e com ar de quem não deseja crescer, ela recusa o convite do namorado para que more com ele justamente para não deixar Sophie sozinha. Entretanto, a amiga não toma a mesma atitude quando surge a oportunidade de se mudar para um apartamento melhor localizado. A partir de então Frances parte em busca de um novo lugar, já que ela é apenas aluna em uma companhia de dança. Mesmo diante das dificuldades, Frances tenta manter o alto astral diante dos problemas que a vida adulta traz. Dirigido por Noah Baumbach.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu endereço de email não será publicado. E seus dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados como *