Search

Você pode gostar disso:

clownsecret
A primeira vez do cinema brasileiro (Brasil, 2012)
Filmes

A primeira vez do cinema brasileiro (Brasil, 2012)

O documentário parte do filme “Coisas Eróticas”, primeiro longa-metragem de sexo explícito lançado no país, em 1982. Há pouco mais de trinta anos atrás a fita rodava nas principais salas de cinema do Brasil, causando alvoroço no público em plena ditadura militar. Recheado de curiosidades e polêmicas, o filme marcou a produção cinematográfica da época para o bem e para o mal, figurando até hoje entre as quinze maiores bilheterias nacionais de todos os tempos. Dirigido por Bruno Graziano, Denise Godinho e Hugo Moura.

Filmes

Que mal eu fiz a Deus? (França, 2014)

Eu indico Qu’est-ce qu’on a fait au Bon Dieu? (França,

E o Oscar vai para…
Filmes

E o Oscar vai para…

Primórdios do Oscar com algumas curiosidades e a relação com os filmes brasileiros, que na verdade é muito mais do que a maioria imagina, mesmo o Brasil não tendo conquistado nenhuma premiação principal.

Fantasia

Eu indico
Fantasia (EUA, 1940)
Inspirado por músicas clássicas de geniais compositores como Bach, Schubert, Tchaikovski, Stravinski,  Ponchielli e Beethoven, entre outros, e regida pela Orquestra de Filadélfia, sob a batuta de Leopold Stokowski, a Walt Disney criou oito episódios em desenho animado para compor o filme Fantasia.
Orquestra em forma de animação:
Imagine o encontro da música clássica com a animação. Produzido pela Walt Disney Pictures em 1940, Fantasia é seu terceiro filme de animação e consiste de oito segmentos animados acompanhados, cada um, de músicas clássicas conduzidas pelo maestro Leopold Stokowski, sete deles apresentados pela Orquestra de Filadélfia. Forma bacana de tentar tornar a música clássica comum a todos.
Como se já não bastasse simplesmente ouvir músicas maravilhosas, também podemos assistir a curtas animados que acompanham cada música, tendo uma estreita relação com o significado de cada uma delas, além da sincronia do som com as imagens. O compositor musical e crítico americano Deems Taylor introduz cada episódio, nos trazendo informações sobre o que cada músico queria passar. Em um deles, por exemplo, temos a reconstituição da pré-história, com dinossauros dominando o planeta e sucumbindo a um único inimigo capaz de vencê-los: a própria natureza. Em outro, temos a divertida situação de um aprendiz de feiticeiro (Mickey Mouse) que desencadeia uma situação onde não consegue mais retomar o controle.
Considerando a época em que foi feito (anos 40), os episódios possuem um alto padrão de qualidade em imagem e som. O resultado é quase que uma homenagem à trilha sonora, como se esta fosse um personagem. Um marco do cinema de animação.
Fantasia também é um dos mais sombrios filmes já produzidos pela Disney, já que explora o nudismo, a violência e a morte nos “curtas” do longa. A música FantasMic, do álbum Wishmaster, da banda finlandesa Nightwish tem uma parte inspirada neste filme.
A trilha sonora de Fantasia foi gravada utilizando múltiplos canais de áudio e reproduzidos no sistema Fantasound, uma maneira pioneira de reprodução de som que fez do longa o primeiro filme comercial lançado com som estéreo. Isso obrigava que os cinemas tivessem um custo maior para exibir o longa, devido ao alto valor destes equipamentos. Esse fator, junto com o fechamento do mercado europeu devido à Segunda Guerra Mundial, fez com que o filme fosse um fracasso de bilheteria e quase levou a Walt Disney a falência.
Resumo de cada episódio – SPOILER:

– Tocata e Fuga em Ré Menor, BWV 565: de Johann Sebastian Bach; pela primeira vez, Disney e seus artistas se arriscaram no mundo da abstração e a equipe de efeitos especiais teve a chance de colocar todo o seu talento na tela;
– Suíte Quebra-Nozes: de Tchaikovsky; é o segmento onde os artistas tomaram um caminho diferente da tradicional história envolvendo brinquedos, fazendo sua própria interpretação da música e mostrando um número que simboliza as estações do ano, através de fadas aladas e outros elementos da natureza, como flores e peixes bailarinos, cogumelos chineses e cravos russos;
– O Aprendiz de Feiticeiro: de Paul Dukas; apresenta Mickey Mouse no papel do feiticeiro afobado que quer aprender seu ofício antes da hora. Para isso, ele rouba o chapéu mágico de seu mestre Yen-Sid (que é “Disney” escrito ao contrário) e dá vida a várias vassouras para encher o caldeirão de água e, como resultado de sua teimosia, cria algo que nem ele mesmo sabe controlar;
– Sagração da Primavera: de Igor Stravinsky (em relação às composições usadas no filme, este era o único músico vivo na época); é como uma explicação científica da evolução da vida na Terra, desde os primeiros seres microscópicos aos gigantescos dinossauros.
– Sinfonia Pastoral: de Beethoven; tem como cenário o Monte Olimpo e o elenco de personagens é composto de figuras fantasiosas como cavalos alados que cortam o céu, sátiros que saltam pelos campos, cupidos, centauros e suas namoradas. Este segmento do filme causou muita polêmica ao mostrar centauros e cupidos nus e também uma centaura negra;
– Dança das Horas: de Amilcare Ponchielli; apresenta uma sátira ao balé clássico e representa as horas do dia por um grupo de animais, como avestruzes, hipopótamos, elefantes e jacarés;
– Uma Noite no Monte Calvo: de Modest Mussorgsky; é ilustrado pelo demônio Chernabog que vive no alto de uma montanha, e que na noite de Halloween vem atormentar as almas de um vilarejo;
– Ave Maria: de Franz Schubert; o segmento apresenta uma procissão religiosa que segue até uma capela gótica.

__________________________________
Fontes:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Fantasia_%28Disney%29
http://www.disneymania.com.br/fantasia-uma-historia/
http://www.65anosdecinema.pro.br/1587-FANTASIA_%281940%29

Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

Lembranças de um Verão (Hearts in Atlantis, 2001)

Eu indico Hearts in Atlantis (EUA, 2001) Após a morte

Filmes

Distrito 9 (“District 9”)

Eu indico Distrito 9 (EUA / Nova Zelândia / África

angelconfusedcryingtongue
O Formidável (França, 2017)
Na pré

O Formidável (França, 2017)

O filme se passa em Paris, anos 60, onde o diretor Jean-Luc Godard (Louis Garrel) e a atriz Anne Wiazemsky (Stacy Martin) começaram a viver um romance e, futuramente, por decisão dela, a história dos dois é contada. A direção e roteiro fica por conta de Michel Hazanavicius, que venceu o Oscar com o filme O Artista (2012).

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu endereço de email não será publicado. E seus dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados como *