Search

Você pode gostar disso:

laughingsurpriseangry
A Hard Day (Coreia do Sul, 2014)
Ação Comédia Drama Filmes Na pré

A Hard Day (Coreia do Sul, 2014)

A trama acompanha o detetive Ko Gun-Soo que, ao voltar do funeral de sua mãe, atropela um homem em uma estrada escura. Em um momento de desespero, o policial oculta o crime e tenta esconder o corpo. A partir disso, o detetive vai passar por várias situações complicadas. Escrito e dirigido por Kim Seong-hoon.

laughingtongue
Velozes e Furiosos 8 (2017)
Ação Comédia Drama Filmes Na pré

Velozes e Furiosos 8 (2017)

Depois que Brian e Mia se aposentaram, e o resto da equipe foi exonerado, Dom e Letty estão em lua de mel e levam uma vida pacata e completamente normal. Mas a adrenalina do passado acaba voltando com tudo quando uma mulher misteriosa faz com que Dom retorne ao mundo do crime e da velocidade. Dirigido por F. Gary Gray.

laughingmoustache
Maze Runner – Correr ou Morrer (2014)
Ação Comédia Drama Filmes Na pré

Maze Runner – Correr ou Morrer (2014)

Ao acordar dentro de um escuro elevador em movimento, Thomas (Dylan O'Brien) chega à “Clareira”, se vendo rodeado por garotos que o acolhem. O local é um espaço aberto cercado por muros gigantescos. Assim como Thomas, nenhum deles sabe como foi parar ali, nem por quê. Sabem apenas que todas as manhãs as portas de pedra do Labirinto que os cerca se abrem, e, à noite, se fecham. E que a cada trinta dias um novo garoto é entregue pelo elevador. Dirigido por Wes Ball e roteiro de Noah Oppenheim.

laughingangelcryingtongue

Feito na América (EUA, 2017)

American Made (EUA, 2017)

Essa é uma história real, uma incrível história real das aventuras de um piloto americano experiente que, durante os anos 80, trabalhou para a CIA e, ao mesmo tempo, acabou transportando drogas e armas para o cartel de Medellín. Barry Seal, interpretado por Tom Cruise, conta sua própria história para uma câmera e não se importa em ficar justificando suas escolhas, o que torna a situação curiosa e interessante. Ele mesmo diz de cara: “Às vezes eu tomo decisões sem pensar”.

Estamos no final da década de 1970, com a cocaína invadindo de todas as formas possíveis as cidades americanas, principalmente Miami. Após ser convidado por um agente da CIA, de uma forma bem inusitada, para voar em missões clandestinas sobre a América do Sul num pequeno avião com câmeras escondidas, Barry Seal passa a se meter de forma desenfreada com várias questões: enquanto trabalha para a CIA, transporta também cocaína e armas para Pablo Escobar.

Os interesses do Governo Americano são postos em cheque no filme, sem muito filtro, e criamos até uma simpatia pelo protagonista, que no final das contas se torna mais uma vítima do governo e das circunstancias. A nação americana é bem criticada neste filme e o título “Feito na América” é quase que um deboche, ainda mais com o subtítulo “baseado numa mentira verdadeira” que, divertidamente, nos confunde. Barry Seal, conhecido por todos como o “piloto gringo maluco que resolve tudo”, vive num mundo arriscado e o filme nos mostra ele não somente como um traficante, mas também como um cidadão submetido a um governo com interesses próprios e a um trabalho arriscado, sendo que ele aceita bem as coisas como elas são.

É empolgante ver a experiência que o piloto possui, ele consegue até driblar caças aéreos (é possível, confira e não me pergunte como). Tom Cruise está num grande momento, inclusive divertido no papel de Barry Seal. Para melhorar, possui uma semelhança positiva com seu personagem: o ator é um piloto experiente e possui licença para voar. Sendo assim, como já é costume por parte dele, dispensou dublês inclusive para as cenas de voos. Além disso, o diretor Doug Liman comprou a ideia e procurou rodar as cenas dispensando efeitos visuais.

Temos que citar também a ótima interpretação de Domhnall Gleeson (de Ex Machina, 2015) como o agente da CIA Monty Schafer, que chama bem a atenção em praticamente todas as cenas que aparece e cumpre um papel fundamental na proposta.

O filme mistura ação, comédia e drama, e parte de uma história real, agradando mais do que a média nesse tipo de temática. Lembra outras produções interessantes, como Prenda-me Se For Capaz (2002, de Steven Spielberg), Cães de Guerra (2016, de Todd Phillips), o não-tão-bom-assim Sem Dor, Sem Ganho (2013, de Michael Bay) e um que, ao contrários dos anteriores, não foi baseado em fatos reais: O Senhor das Armas (2005, de Andrew Niccol), aquele com Nicholas Cage.

Tags Relacionadas American Made, Barry Seal, crítica, Domhnall Gleeson, Feito na América, Feito na América crítica, Feito na América resenha, Pablo Escobar, resenha, Tom Cruise
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

laughingcryingmoustache
O Predestinado (Austrália, 2014)
Ação

O Predestinado (Austrália, 2014)

Um agente temporal (Ethan Hawke) trabalha para uma organização secreta que procura criminosos e os captura antes que eles cometam o delito. Após anos de trabalho, ele encara sua última missão antes de se aposentar: capturar um criminoso responsável por grandes atentados, sendo um em 1975, deixando mais de 11 mil mortos em Nova York. Dirigido por Michael e Peter Spierig.

laughingangeltongue
Jumanji: Bem-Vindo à Selva (2017)
Na pré

Jumanji: Bem-Vindo à Selva (2017)

Dirigido por Jake Kasdan, o filme vai na carona da empolgante música do Guns N' Roses, “Welcome to the jungle”, usada também no subtítulo do filme, somos inseridos na terra de Jumanji, com florestas densas e criaturas perigosas, além dos inimigos humanos. A diversidade ecológica se mistura à diversidade dos personagens, sendo assim o roteiro acerta um pouco em investir na questão da diversidade na medida em que junta um nerd, uma patricinha que adora exposição, um jogador de futebol popular que não estuda e uma menina estranha e tímida.

confusedcryingstar
Mommy (Canadá, 2014)
Favoritos

Mommy (Canadá, 2014)

Canadá, ano de 2015. Diane Després (Anne Dorval) é surpreendida com a notícia de que seu filho, Steve (Antoine-Olivier Pilon), foi expulso do reformatório onde vive por ter incendiado a cafeteria local e, com isso, provocado queimaduras de terceiro grau em um garoto. Os dois voltam a morar juntos, mas Diane enfrenta dificuldades devido à hiperatividade de Steve, que muitas vezes o torna agressivo. Os dois apenas conseguem encontrar um certo equilíbrio quando a vizinha Kyla (Suzanne Clément) entra na vida de ambos. Dirigido por Xavier Dolan.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu endereço de email não será publicado. E seus dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados como *