Search

Você pode gostar disso:

Drama Favoritos Ficção Científica Filmes Na pré Romance

Querido John (Dear John)

Eu indico Querido John (EUA, 2010) Dirigido por Lasse Hallström

laughingangelpunk
Juan dos Mortos (Cuba, 2013)
Drama Favoritos Ficção Científica Filmes Na pré Romance

Juan dos Mortos (Cuba, 2013)

Juan (Alexis Díaz de Villegas) é um sujeito de 40 anos especializado na arte de não fazer nada. Um dia, se depara com uma misteriosa infecção que está transformando os habitantes de Havana em mortos-vivos. Como um bom cubano, decide começar um negócio ao lado do amigo Lazaro (Jorge Molina) para tirar vantagem da situação. Eles se especializam em assassinar zumbis e trabalham com o slogan "Matamos seus entes queridos". O negócio acaba sendo afetado com o crescimento constante do número de infectados. Dirigido por Alejandro Brugués.

Drama Favoritos Ficção Científica Filmes Na pré Romance

Síndrome de Caim (“Raising Cain”)

Eu indico Síndrome de Caim (EUA, 1992) Charles Nix (John

cryingstarmoustachetonguemoney

A Forma da Água (2017)

The Shape of Water (EUA, 2017)

Basta assistir ao discurso de Guilhermo del Toro no Globo de Ouro 2018, quando recebeu o prêmio de melhor diretor por este filme, para saber que sua mente criativa se desenvolveu cedo, quando brincava e imaginava seus monstros. Ainda adolescente, se interessou por cinema e hoje é um dos maiores diretores, também roteirista e produtor mexicano. Foi criado pela sua avó e estudou efeitos e maquiagem com Dick Smith, maquiador de “O Exorcista”, “O Poderoso Chefão”, “Taxi Driver” e vários curtas. Neste seu novo filme ele tem a sua obra de arte e recebeu nada menos que 13 indicações ao Oscar e ganhou o Globo de Ouro de melhor diretor.

Tudo que um espectador quer ver nos cinemas está aqui. A trilha sonora de Alexandre Desplat presente na fantástica tomada inicial do filme dá uma sensação mais do que agradável quando se passa embaixo d’água e já pode servir de inspiração para James Cameron e seu Avatar 2 com muitas cenas assim que, segundo ele, “Nunca foi feito antes desse jeito”. Em “A Forma da Água” houve um cuidado extremo com detalhes, o cineasta cuidou deste filme como um pai cuida do filho amado. É uma mistura de sensações, pois o filme é crítico, tem momentos divertidos, tristes e vibrantes, então nem vale tentar definir gênero (Romance? Filme de monstro? Fantasia ou fábula? Aventura? Drama?). O grande “rei do show” é Guillermo del Toro que usa a água como elemento presente e norteador em várias cenas. Além de algumas tomadas de arrepiar embaixo d’água, temos uma impecável representação visual da chuva, cenas onde gotas são arrastadas em vidros pelo vento, referências da água em frases de calendário e até no detalhe das lágrimas dos personagens (e do espectador).

É um filme mágico, parece uma fábula e ocorre no contexto da Guerra Fria, na cidade americana de Baltimore que tinha pouca atenção na década de 60. O contexto e clima da época aparecem nas notícias que passam na TV, que são rapidamente sobrepostas quando o canal da TV é mudado para mostrar os filmes da época, fazendo assim uma homenagem singela ao cinema, principalmente aos clássicos musicais com um pouco de sapateado. Numa das melhores cenas, a protagonista imagina que está num musical dançando com o monstro. A romântica música “You’ll Never Know”, trilha do filme “Aquilo sim era vida” (1943) e que ganhou o Oscar de melhor canção original, cantada por Alice Faye, aparece aqui e lembramos do quanto é linda.

Podemos lembrar de O Labirinto do Fauno (2006), contudo este aqui não é uma fábula onde a criatura é um refúgio da personagem para sair da realidade cruel que a cerca. Neste existe felicidade na vida da personagem, seja com os amigos próximos, seja com a paixão entre ela e a criatura. É uma ficção, porém crível e incrível. E de forma inteligente são feitos alguns repúdios contra o preconceito a homossexuais, negros, ao machismo, ao que é considerado diferente. Quando os personagens interagem percebemos esses elementos e é como se todos os temas dramáticos – em evidência nos filmes indicados ao Oscar deste ano – fossem tratados num único filme (ao exemplo da valorização da mulher e dos homoafetivos), numa história de monstro para deixar a marca registrada do cineasta. Temos até uma referência à Amazônia e um respeito para com as diversas espécies que existem em nosso planeta, muitas desconhecidas ate então.

Todo o elenco está incrível, Sally Hawkins está sensacional, surpreendente. Octavia Spencer além da atuação garante as falas mais divertidas, assim como o Richard Jenkins como coadjuvante e num papel importante para a trama. Mas temos que reconhecer também a inclusão acertada de Doug Jones por trás da criatura e a atuação memorável de Michael Shannon, o verdadeiro monstro da história; esse cara nasceu para fazer papel de vilão e é uma pena não ter sido indicado. Os personagens são aquelas pessoas rejeitadas, mas que fazem algo extraordinário aqui. Toda forma de amor é aceita, até entre uma pessoa e uma criatura que é mais humana do que muitos humanos.

A forma física do anfíbio lembra o Abraham Sapien, personagem que ajuda o Hell Boy, cujo filme foi dirigido também pelo Guillermo del Toro. A comunicação entre a personagem muda Elisa e a criatura é incrível, entre expressões, gestos e ao som de músicas clássicas e românticas. Não só isso, mas também a conexão que sons e barulhos fazem entre cenas é incrível, sabendo começar e parar na hora certa, às vezes começando numa cena e terminando no início de outra. Falando em música, aparece “Chica Chica Boom Chic”, cantada por Carmen Miranda e homenageando a Bahia e o samba. Lembrando que Carmen Miranda atuou em filmes americanos e musicais até 1953.

Tags Relacionadas A Forma da Água, crítica, crítica A Forma da Água, globo de ouro A Forma da Água, Guillermo del Toro, Michael Shannon, Octavia Spencer, oscar A Forma da Água, resenha, resenha A Forma da Água, Richard Jenkins, Sally Hawkins, Shape of Water
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

angry
O homem que incomoda (Islândia/Noruega, 2006)
Suspense

O homem que incomoda (Islândia/Noruega, 2006)

Andreas desembarca numa cidade estranha sem lembrar como chegou ali. É recebido de forma cordial e inicia uma vida regrada, com trabalho, casa e até uma mulher encantadora. Mas rapidamente percebe que tem alguma coisa errada neste mundo perfeito. As pessoas não parecem sentir emoções genuínas e só falam de trivialidades. Dirigido por Jens Lien.

confusedangrypunk
Rare Exports: a Christmas Tale (Finlândia, 2010)
Terror

Rare Exports: a Christmas Tale (Finlândia, 2010)

Durante escavações no Monte Korvatunturi (Finlândia), um ser estranho é descoberto congelado. Os responsáveis pelo achado identificam-no como o verdadeiro Papai Noel e tentam vendê-lo. Misteriosamente as crianças da cidade começam a desaparecer, junto com fogões e aquecedores. Além disso, são encontradas dezenas de renas mortas e mutiladas. Dirigido por Jalmari Helander.

coolcryingangry
Coração Satânico (1987)
Filmes

Coração Satânico (1987)

Em 1955, na cidade de Nova York, o detetive particular Harry Angel (Mickey Rourke) é contratado pelo misterioso cliente Louis Cyphre (Robert De Niro) para encontrar um cantor, conhecido como Johnny Favorite, que sumiu há doze anos. O problema é que quanto mais se aprofunda na investigação, mais confuso Harry fica. Nesta jornada, Harry começa a enfrentar um mundo místico e tomar um caminho sem volta.

2 Comentários

  1. Adorei a trilha sonora, uma parte fundamental do filme. Michael Shannon fez um ótimo trabalho no filme. Eu vi que seu próximo projeto, Fahrenheit 451 será lançado em breve. Acho que será ótimo! Adoro ler livros, cada um é diferente na narrativa e nos personagens, é bom que cada vez mais diretores e atores se aventurem a realizar filmes baseados em livros. Acho que Fahrenheit 451 sera excelente! Se tornou em uma das minhas histórias preferidas desde que li o livro, quando soube que seria adaptado a um filme, fiquei na dúvida se eu a desfrutaria tanto como na versão impressa. Acabo de ver o trailer da adaptação do livro, na verdade parece muito boa, li o livro faz um tempo, mas acho que terei que ler novamente, para não perder nenhum detalhe. Vi os horários de transmissão em: https://br.hbomax.tv/movie/TTL711416/Fahrenheit-451 deixo o link por se alguém se interessar. Acho que é uma boa idéia fazer este tipo de adaptações cinematográficas.

    Reply
    • A trilha é linda, ela já é apresentada nos segundos iniciais do filme e deixa um clima muto agradável junto com uma cena embaixo d’água. Esse filme ficou no meu TOP 10 melhores de 2017, em terceiro lugar, e achei genial o del Toro ter conseguido reunir várias abordagens. Não só visualmente mas também “sentimentalmente” o filme é muito bom. Sobre o Fahrenheit 451, já existe um filme de 1966. EU ainda não li o livro, mas este filme é excelente, a metáfora e abordagem fazem a gente pensar bastante. Recomendo!

      Reply

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu endereço de email não será publicado. E seus dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados como *