Search

Você pode gostar disso:

laughingcoolsurprise
G-Men Contra o Império do Crime (“G” Men, EUA, 1935)
Filmes Na pré Suspense Terror

G-Men Contra o Império do Crime (“G” Men, EUA, 1935)

Um dos primeiros grandes filmes de gângster do cinema. James Cagney interpreta o jovem advogado criminalista, Brick Davis, que tenta resistir a tentações do mundo do crime, embora sua educação tenha sido paga por um gângster. Sua vida dá uma reviravolta quando um amigo e agente federal tenta recrutá-lo para o FBI, e é assassinado por um gângster. Dirigido por William Keighley.

Filmes Na pré Suspense Terror

Amar é Sofrer (The Country Girl, 1954)

Eu indico The Country Girl (EUA, 1954) O esquecido ator

Filmes Na pré Suspense Terror

O Alvo (Hard Target)

Eu indico Hard Target (EUA, 1993) Chance Boudreaux (Jean-Claude Van

tongueangrypunk

Fragmentado (2017)

Split (EUA, 2017)

M. Night Shyamalan é um diretor e roteirista indiano, naturalizado estadunidense, que nem sempre agrada como cineasta. Em contrapartida, alguns de seus filmes possuem uma legião de fãs a ponto de serem quase considerados filmes cult, pelo conceito, se não fosse o fato de que eles normalmente ganham fama (o termo cult é atribuído a filmes que conquistam grupos de fãs devotos, quase um culto, mas normalmente ganham pouco reconhecimento). Ganhou visibilidade com sua obra prima O Sexto Sentido (1999) e teve outros sucessos como Corpo Fechado (2000), Sinais (2002), A Vila (2004). Por conta disso, existe toda uma expectativa com esse novo filme. O que posso dizer é: se você deixou de ser fã dele, prepare-se para voltar a ser!

Shyamalan demostra uma segurança maior na direção deste Fragmentado, a começar pela cuidadosa construção de um personagem complexo. Nada mais, nada menos, do que um protagonista que possui transtorno dissociativo de identidade; resumindo grosseiramente, ele possui várias personalidades, algumas são violentas e o filme parte da premissa de garotas que são sequestradas por ele. Daí toda a habilidade do diretor em criar cenas de suspense psicológico, a ponto de que, em parte do filme, a gente se sinta confinado junto com as vítimas. Para somar, a movimentação, posicionamento e foco da câmera tem vários momentos a favor dessa atmosfera, ponto forte pela fotografia de Mike Gioulakis, o mesmo de Corrente do Mal (It Follows, 2014).

A escolha do ator James McAvoy foi um grande acerto, ele praticamente domina a atuação de todas as personalidades que emergem do seu personagem, sendo 23 ao todo. Em cada uma delas, a forma de falar, gesticular, reagir, é distinta e nada fica forçado. A garota interpretada por Anya Taylor-Joy é mesma atriz do filme A Bruxa (só que aqui ela não está loira), filme canadense de 2015, muito bom e que assustou muita gente.

O roteiro – do próprio Shyamalan – tem um bom conteúdo, discutindo essa questão do distúrbio, o tratamento que é dado e até os preconceitos contra essas pessoas que, para muitos, são quase aberrações, para outros, são seres especiais. O olhar de uma terapeuta no filme e as discussões que são apresentadas dá uma boa aula didática sobre o assunto e as teorias modernas a respeito. Também discute a questão de que a força do pensamento tem um poder além do que imaginamos, a ponto de influir diretamente no corpo físico.

“Olhamos para aqueles diferentes e destruídos como sendo inferiores.
E se eles forem melhores do que nós?”

Para aqueles que esperam a marca do diretor em ter mais de uma possibilidade de desfecho e só revelar a escolha lá pelo final do filme, isso também está presente. Na verdade temos mais do que isso e só posso deixar aqui a curiosidade dominar vocês. Particularmente, fiquei super empolgado com o desfecho. Na proposta já conhecida de ter uma continuidade, se o diretor continuar acertando, teremos uma franquia bem legal pela frente. Neste sentido, a sensação que tive quando terminou o filme foi a mesma quando termina a temporada daquela série que você curte, de uma forma que você fica contando os dias para iniciar a próxima.

Tags Relacionadas Corpo Fechado, Corrente do Mal, crítica, estreia, Fragmentado, It Follows, James McAvoy, Mike Gioulakis, night Shyamalan, pré estreia, resenha, Sexto Sentido, Shyamalan, Sinais, split, Vila
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

Footloose (EUA, 1984 e 2011)

Eu indico Footloose (EUA, 2011 e 1984) Ren McCormick é

Filmes

Alta Frequência (“Frequency”)

Eu indico Alta Frequência (EUA, 2000) John Sullivan é um

coolcrying
Esperança e Glória (Reino Unido, 1987)
Filmes

Esperança e Glória (Reino Unido, 1987)

Uma autobiografia do diretor John Boorman, nascido e criado em Londres, durante a Segunda Guerra Mundial. O filme relata a história de um garoto de nove anos que relembra os horrores de uma Inglaterra devastada por bombardeios durante a guerra.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu endereço de email não será publicado. E seus dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados como *