Search

Você pode gostar disso:

Ação Ficção Científica Filmes Na pré

Amor Profundo (The Deep Blue Sea)

Eu indico The Deep Blue Sea (EUA / Inglaterra, 2011)

laughingtongue
Atômica (2017)
Ação Ficção Científica Filmes Na pré

Atômica (2017)

A proposta é comum: espionagem, Guerra Fria, não confie em ninguém. Contudo, o enredo consegue ser atraente, a história se desenrola muito bem no roteiro de Kurt Johnstead e as cenas de ação são sensacionais e brutais, sendo postas no filme junto com músicas famosas dos anos 80 e 90. Afinal, o filme se passa em 1989, nessa transição entre duas décadas importantes na história. Os diálogos discutem de forma interessante a Guerra Fria e como os espiões foram importantes para evitar que essa guerra tomasse proporções catastróficas e estourasse como o efeito de uma bomba atômica. Mas bombástica no filme mesmo é a Charlize Theron, sua personagem é encaixada com facilidade nesse cenário onde a sobrevivência é constantemente ameaçada.

Ação Ficção Científica Filmes Na pré

A Última Casa à Esquerda

Eu indico The Last House on the Left (EUA, 2009)

laughingmoustachetongue

Ghost in the Shell: Vigilante do Amanhã (2017)

Ghost in the Shell (EUA, 2017)

Dirigido por Rupert Sanders, Vigilante do Amanhã é um grande entretenimento. Afinal, é futuristicamente bem feito, tem a Scarlett Johansson em versão cosplay (e de cabelo preto para arrasar corações) e representa nas telonas a tradução de um mangá clássico e respeitado. O “quadrinho japonês” (assim podemos definir um mangá) foi criado por Masamune Shirow e rendeu animações no Japão cultuadas por diversos fãs: Ghost in the Shell (1995) e Ghost in the Shell 2: Innocence (2004).

O universo cyberpunk ficou ótimo no filme e pode incentivar que outras adaptações nessa linha sejam feitas para o cinema, como o famoso Akira (animação japonesa de 1988) e o mangá futurista Ronin (de Frank Miller). Quem se arriscar nessas adaptações terá grande responsabilidade ao resumir num filme toda a riqueza já existente nelas. Neste ponto, o filme Ghost in the Shell pecou, pois não existe muita profundidade nas discussões que são apresentadas na trama. Ela segue a linha do anime e ao menos aborda os pontos críticos que esse universo trás, porém, comparado à história original, que é densamente filosófica, percebe-se que tudo ficou mais simplista e resumido. Talvez isso seja fruto da tentativa de agradar ao publico maior, que pode não conhecer o mangá/anime.

Outrossim, certa resistência pode se formar para alguns espectadores, pois de fato não existe muita originalidade na história. A proposta futurista onde o mundo se tornou altamente informatizado, pessoas podendo ser metade homem, metade máquina, e máquinas ganhando certo poder, já foi aproveitada em outros filmes futuristas e até em episódios da série Black Mirror. Contudo, cabe ressaltar que o argumento apresentado neste filme não é de agora, o mangá é de 1989. O próprio Matrix tomou este como influência!

A atriz Scarlett Johansson está ótima no papel da Major, é fácil perceber que seus movimentos são peculiares e caracterizam bem a personagem, por exemplo. Os demais personagens são meio negligenciados. O Batou é um exemplo que merecia mais aprofundamento. Contudo, é importante destacar a presença marcante do Takeshi Kitano, renomado ator e diretor japonês, que possui um grande legado contendo Zatoichi (2003), Hana-bi: Fogos de Artifício (1997) e Sonatine: Adrenalina Máxima (1993), os quais ele dirigiu e atuou.

Não podemos dizer que Ghost in the shell é um filme extraordinário. Adaptar uma obra japonesa deste porte foi corajoso, e na ambientação e visual o filme tem seus pontos fortes. Nua mistura psicodélica de imagens, luzes e som, diante de algumas cenas é como se tivéssemos assistindo ao anime, o que para os fãs será regozijante. A abordagem de que seres humanos podem chegar ao ponto de hackear ciber-cérebros é interessante, mas poderia ter sido utilizada de forma mais criativa no filme, já que no anime é um ponto bem cuidado. Torcemos por uma continuação, até porquê o anime Ghost in the Shell 2: Innocence é sensacional e os erros aqui podem não ser repetidos no futuro.

Tags Relacionadas Akira, crítica, Frank Miller, mangá, Matrix, resenha, Ronin, Scarlett Johansson, Takeshi Kitano
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

Lembranças de um Verão (Hearts in Atlantis, 2001)

Eu indico Hearts in Atlantis (EUA, 2001) Após a morte

Filmes

A Fraternidade é Vermelha (“Trois couleurs: Rouge”)

Eu indico A Fraternidade é Vermelha (Polônia / França /

Filmes

Uma Aventura na África (The African Queen, 1951)

Eu indico The African Queen (Reino Unido / EUA, 1951)

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu endereço de email não será publicado. E seus dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados como *