Search

Você pode gostar disso:

cryingtonguesecretmoney
O filme da minha vida (Brasil, 2017)
Ação Ficção Científica Filmes Na pré

O filme da minha vida (Brasil, 2017)

Até o momento, este filme representa o mais próximo que o cinema nacional pode chegar de Cinema Paradiso (Itália, 1988). A produção é baseado no livro "Um pai de cinema" de Antonio Skármeta, escritor chileno que também tem “O carteiro e o poeta”. Na história, o jovem Tony decide retornar a Remanso, Serra Gaúcha, sua cidade natal. Ao chegar, ele descobre que Nicolas, seu pai, voltou para França alegando sentir falta dos amigos e do país de origem. Tony acaba tornando-se professor e vê-se em meio aos conflitos e inexperiências juvenis.

Ação Ficção Científica Filmes Na pré

As Sete Faces de Dr. Lao (“7 Faces of Dr. Lao”)

Eu indico As Sete Faces de Dr. Lao (EUA, 1964)

Ação Ficção Científica Filmes Na pré

Síndrome de Caim (“Raising Cain”)

Eu indico Síndrome de Caim (EUA, 1992) Charles Nix (John

laughingmoustachetongue

Ghost in the Shell: Vigilante do Amanhã (2017)

Ghost in the Shell (EUA, 2017)

Dirigido por Rupert Sanders, Vigilante do Amanhã é um grande entretenimento. Afinal, é futuristicamente bem feito, tem a Scarlett Johansson em versão cosplay (e de cabelo preto para arrasar corações) e representa nas telonas a tradução de um mangá clássico e respeitado. O “quadrinho japonês” (assim podemos definir um mangá) foi criado por Masamune Shirow e rendeu animações no Japão cultuadas por diversos fãs: Ghost in the Shell (1995) e Ghost in the Shell 2: Innocence (2004).

O universo cyberpunk ficou ótimo no filme e pode incentivar que outras adaptações nessa linha sejam feitas para o cinema, como o famoso Akira (animação japonesa de 1988) e o mangá futurista Ronin (de Frank Miller). Quem se arriscar nessas adaptações terá grande responsabilidade ao resumir num filme toda a riqueza já existente nelas. Neste ponto, o filme Ghost in the Shell pecou, pois não existe muita profundidade nas discussões que são apresentadas na trama. Ela segue a linha do anime e ao menos aborda os pontos críticos que esse universo trás, porém, comparado à história original, que é densamente filosófica, percebe-se que tudo ficou mais simplista e resumido. Talvez isso seja fruto da tentativa de agradar ao publico maior, que pode não conhecer o mangá/anime.

Outrossim, certa resistência pode se formar para alguns espectadores, pois de fato não existe muita originalidade na história. A proposta futurista onde o mundo se tornou altamente informatizado, pessoas podendo ser metade homem, metade máquina, e máquinas ganhando certo poder, já foi aproveitada em outros filmes futuristas e até em episódios da série Black Mirror. Contudo, cabe ressaltar que o argumento apresentado neste filme não é de agora, o mangá é de 1989. O próprio Matrix tomou este como influência!

A atriz Scarlett Johansson está ótima no papel da Major, é fácil perceber que seus movimentos são peculiares e caracterizam bem a personagem, por exemplo. Os demais personagens são meio negligenciados. O Batou é um exemplo que merecia mais aprofundamento. Contudo, é importante destacar a presença marcante do Takeshi Kitano, renomado ator e diretor japonês, que possui um grande legado contendo Zatoichi (2003), Hana-bi: Fogos de Artifício (1997) e Sonatine: Adrenalina Máxima (1993), os quais ele dirigiu e atuou.

Não podemos dizer que Ghost in the shell é um filme extraordinário. Adaptar uma obra japonesa deste porte foi corajoso, e na ambientação e visual o filme tem seus pontos fortes. Nua mistura psicodélica de imagens, luzes e som, diante de algumas cenas é como se tivéssemos assistindo ao anime, o que para os fãs será regozijante. A abordagem de que seres humanos podem chegar ao ponto de hackear ciber-cérebros é interessante, mas poderia ter sido utilizada de forma mais criativa no filme, já que no anime é um ponto bem cuidado. Torcemos por uma continuação, até porquê o anime Ghost in the Shell 2: Innocence é sensacional e os erros aqui podem não ser repetidos no futuro.

Tags Relacionadas Akira, crítica, Frank Miller, mangá, Matrix, resenha, Ronin, Scarlett Johansson, Takeshi Kitano
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

Flores do Oriente (“Jin Líng Shí San Chai”)

Eu indico Flores do Oriente (China, 2011) Em meio à

laughingcryingmoustache
Chappie (2015)
Ação

Chappie (2015)

Em um futuro próximo, uma opressiva força policial mecanizada é encarregada de patrulhar as ruas e controlar o crime em Joanesburgo, África do Sul. Um dos androides da força policial é roubado e reprogramado com o intuito de ser utilizado como arma pelos criminosos. Ao ser reprogramado, o androide se torna Chappie, o primeiro robô com capacidade de pensar e sentir por si mesmo. Isso faz com que forças poderosas e destrutivas comecem a ver Chappie como uma ameaça para a humanidade e para a ordem pública, e elas farão de tudo para garantir que Chappie seja destruído. Dirigido por Neill Blomkamp.

tongueangrypunk
Corra! (“Get Out”, 2017)
Terror

Corra! (“Get Out”, 2017)

Uma mistura dos melhores episódios de Black Mirror, Westworld e Além da Imaginação. Com o perdão da repetição, “corra” para ver! Chris (Daniel Kaluuya) é jovem negro que está prestes a conhecer a família de sua namorada Rose (Allison Williams). A princípio, ele acredita que o comportamento excessivamente amoroso por parte da família dela é uma tentativa de lidar com o relacionamento de Rose com um rapaz negro, mas, com o tempo, Chris percebe que a família esconde algo muito mais perturbador. Escrito e dirigido por Jordan Peele.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu endereço de email não será publicado. E seus dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados como *