Search

Você pode gostar disso:

Drama Favoritos Filmes Na pré Policial

Goodnight Mommy (Áustria, 2015)

No calor do verão, uma casa isolada no campo, entre bosques e campos de milho. Gêmeos de dez anos de idade esperam por sua mãe. Quando ela volta, com a cabeça envolta em ataduras após uma cirurgia plástica, nada é como era antes. Severa e distante, ela fecha a família para o mundo exterior. Começando a duvidar que esta mulher é realmente sua mãe, os meninos estão determinados a encontrar a verdade de qualquer maneira. Dirigido por Severin Fiala e Veronika Franz.

confusedcryingstarmoustache
O Homem da Terra (2007)
Drama Favoritos Filmes Na pré Policial

O Homem da Terra (2007)

Trata-se de um roteiro com muito conteúdo histórico com cerne na ciência e religião. Para isso, o diretor Richard Schenkman, a partir do roteiro de Jerome Bixby, opta por uma trama com muitos diálogos, todos inteligentes, até porquê entre os personagens temos professores, doutores, pessoas bem formadas. Um deles, John Oldman (David Lee Smith), protagonista, está de mudança e vai se afastar dos amigos, e resolve fazer uma revelação chocante sobre si mesmo, o que dá início a uma série de reações e discussões que vão nos dar uma aula de história, ciência, de tudo.

angelconfusedcryingtongue
O Formidável (França, 2017)
Drama Favoritos Filmes Na pré Policial

O Formidável (França, 2017)

O filme se passa em Paris, anos 60, onde o diretor Jean-Luc Godard (Louis Garrel) e a atriz Anne Wiazemsky (Stacy Martin) começaram a viver um romance e, futuramente, por decisão dela, a história dos dois é contada. A direção e roteiro fica por conta de Michel Hazanavicius, que venceu o Oscar com o filme O Artista (2012).

cryingstartonguesurprise

Infiltrado na Klan (EUA, 2018)

BlacKkKlansman (EUA, 2018)

A começar pela resumo da trama e sabendo que a direção é de Spike Lee, podemos esperar o melhor possível: em 1978, Ron Stallworth, um policial negro do Colorado, conseguiu se infiltrar na Ku Klux Klan local. Ele se comunicava com os outros membros do grupo por meio de telefonemas e cartas, quando precisava estar fisicamente presente enviava um outro policial branco no seu lugar. Depois de meses de investigação, Ron se tornou o líder da seita, sendo responsável por sabotar uma série de linchamentos e outros crimes de ódio orquestrados pelos racistas.

É um bom filme policial baseado em fatos reais, com momentos engraçados e boa trilha sonora ao estilo policial da década de 70, mas o forte é essa expressão da luta contra o racismo que o diretor consegue conectar com situações que estamos vivendo atualmente. Choca e critica uma nação racista, já vimos isso em outros filmes dele como Faça a Coisa Certa (1989) e Malcolm X (1992). Ele tem como referência e cita em alguns filmes o ativista Martin Luther King Jr. Assim, é um apelo aos direitos civis de negros, mas também de judeus e homossexuais… tudo que precisamos resgatar diante do atual cenário.

“Esse lance é baseado numa parada que aconteceu mesmo”

Além dessa parte crítica, temos brincadeiras com a chamada linguagem culta e linguagem malandra, o preconceito também contra policiais que, assim como o negro ganhava apelidos racistas (crioulo, macaco) o policial era chamado de “meganha”. Também temos citações honrosas a famosos personagens negros como Superfly e Shaft. E ótimas atuações da dupla policial no filme: John David Washington e Adam Driver, principalmente o primeiro. Quem está excelente é um dos antagonistas representando o verdadeiro homem racista insano, interpretado pelo ator finlandês Jasper Pääkkönen que participa da série Vikings.

Nem sempre os filmes serviram para criticar, expor, desabafar e unir a nação contra essas questões que levam a uma triste violência. D. W. Griffith foi polêmico ao entregar O Nascimento de Uma Nação (1915) que começa com a seguinte frase: “A vinda dos africanos para a América plantou a primeira semente de discórdia”. Ele é um dos diretores mais importantes da história do cinema, mas seu filme está longe de ser um bom exemplo, já que traz as questões que Spike Lee critica, contudo Griffith se mostrou contra os negros e claramente a favor da supremacia branca e o terrorismo cristão protestante da Ku Klux Klan. E por isso mesmo, com maestria, Spike Lee utiliza cenas deste filme de Griffith. Do nascimento de uma nação racista para este novo de Spike Lee que mostra como isso continua presente, e tem sido, infelizmente, resgatado em virtude de dirigentes e daqueles que são a favor. Até aparece a frase “América: ame-a ou deixe-a” no filme.

Lee não mede esforços, sua crítica é forte e ainda mostra situações ocorridas nos EUA recentemente, como a morte de uma ativista (32 anos) com 33 feridos em agosto de 2017, após um protesto em Charlottesville, Virgínia, contra a extrema-direita dos EUA que é contra negros, imigrantes, gays e judeus. Nesse episódio vemos um depoimento real de David Duke, ex líder da Ku Klux Klan. Contudo, fiquemos felizes em saber que Ron Stallworth também vive atualmente, como policial aposentado.

Repúdio ao racismo, machismo, homofobia, má conduta policial e assédio. Não a violência, sim ao amor ao próximo.

Tags Relacionadas crítica, crítica Infiltrado na Klan, filme Infiltrado na Klan, filme Spike Lee, Griffith, Nascimento de Uma Nação, resenha, resenha Infiltrado na Klan, Ron Stallworth, Spike Lee
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

laughingtongue
Rampage: Destruição Total (2018)
Filmes

Rampage: Destruição Total (2018)

Davis Okoye é um primatologista (Dwayne Johnson) que compartilha um vínculo inabalável com George, um gorila inteligente que está sob seus cuidados desde o nascimento. Quando um experimento genético desonesto é feito e um acidente atinge o primata e outros animais, eles se transformam em monstros que destroem tudo em seu caminho. Agora Okoye tenta conseguir um antídoto e impedir que seu amigo provoque uma catástrofe. Dirigido por Brad Peyton.

laughingcryingmoustache
O Predestinado (Austrália, 2014)
Ficção Científica

O Predestinado (Austrália, 2014)

Um agente temporal (Ethan Hawke) trabalha para uma organização secreta que procura criminosos e os captura antes que eles cometam o delito. Após anos de trabalho, ele encara sua última missão antes de se aposentar: capturar um criminoso responsável por grandes atentados, sendo um em 1975, deixando mais de 11 mil mortos em Nova York. Dirigido por Michael e Peter Spierig.

Filmes

O Campeão de Hitler (“Max Schmeling”)

Eu indico O Campeão de Hitler (Alemanha / Croácia, 2010)

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu endereço de email não será publicado. E seus dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados como *