Search

Você pode gostar disso:

cryingsecret
Mãe só há uma (Brasil, 2016)
Filmes Na pré Terror

Mãe só há uma (Brasil, 2016)

Anna Muylaert dirige este filme nacional que poderia vencer um Oscar. Baseado em um caso real, mostra um garoto de 16 anos que descobre que sua mãe não é biológica, quando a mesma é presa pela polícia. Confuso e tendo que morar com seus parentes verdadeiros, que o conhecem como Felipe, o rapaz tem que se adaptar à nova realidade.

cryingtongue
The Post – A Guerra Secreta (2017)
Filmes Na pré Terror

The Post – A Guerra Secreta (2017)

Ben Bradlee (Tom Hanks) e Kat Graham (Meryl Streep), editores do The Washington Post, recebem um enorme estudo detalhado sobre o controverso papel dos Estados Unidos na Guerra do Vietnã e enfrentam de tudo para publicar os bombásticos documentos. Dirigido por Steven Spielberg.

angelcrying
Sing Street (2016)
Filmes Na pré Terror

Sing Street (2016)

Um dos filmes mais agradáveis do ano que faz uma homenagem bacana às bandas dos anos 80, do mesmo diretor de “Mesmo se nada der certo” (Begin again, 2014). A trama mostra, de forma original, garotos formando uma banda de rock e a relação desse processo com seus próprios dramas. Possui uma trilha sonora mais do que emocionante para os amantes dos anos 80, com direito a The Cure, Starship, Genesis, Tears for fears, Spandau Ballet, Daryl Hall & John Oates, entre outros.

tonguepunk

It: A Coisa (2017)

It (EUA, 2017)

Faz anos que li A Coisa, livro de Stephen King publicado em 1986. Até hoje não encontrei uma história de terror tão forte e com uma dramatização tão boa quanto essa. A história se passa nas férias escolares de 1958, em Derry, cidadezinha do Maine, onde os amigos Bill, Richie, Stan, Mike, Eddie, Ben e Beverly aprenderam o real sentido da amizade, do amor, da confiança e, para quebrar, do medo. Eles enfrentaram pela primeira vez a Coisa, um ser sobrenatural e maligno que deixou terríveis marcas de sangue em Derry. Quase trinta anos depois, os amigos voltam a se encontrar para tentar cumprir a promessa selada com sangue que fizeram quando crianças: vencer a Coisa.

Houve uma adaptação, um telefilme de 1990, que deixou muito a desejar. Só que esse novo filme é um presente merecido para os fãs, já que o resultado ficou excelente. Adaptação feita com muito cuidado, em detalhes, conseguindo ser assustador e ao mesmo tempo agradável. A mensagem principal – que não poderia ficar de fora – está lá: a personificação do medo, que é a definição da Coisa, o palhaço monstruoso que se materializa no medo de suas vítimas e se alimenta dessa sensação de medo. O diretor argentino Andrés Muschietti merece louvor por deixar 2 horas e 15 minutos de diversão e cenas assustadoramente criativas.

Os garotos formam o Clube dos Perdedores, pois sofrem muito bullying de colegas mais velhos da escola. Além disso, vivem traumas familiares que concretizam o verdadeiro sentido da maldade, com casos de pedofilia, preconceito, entre outros. Com isso, são muitos antagonistas que justificam então o sentido de existência do palhaço. É como se ele fosse criado pela maldade em si que há nas pessoas e se alimentasse do medo, e as vítimas mais fáceis são as crianças inocentes e frágeis. Contemplemos essa jornada do medo sendo combatido pela amizade.

O elenco principal é composto de crianças e elas são o ponto mais forte desse filme. Os atores devem ter sido escolhidos a dedo e fica a sensação de que eles até leram o livro, pois os personagens estão bem interpretados, suas características, trejeitos, personalidade muito próximos do que se descreve na obra. Seja o Bill “Gaginho” (Jaeden Lieberher) como o líder que não desiste, o Richie “Boca de Lixo” (Finn Wolfhard), o gordinho e apaixonado Ben (Jeremy Ray Taylor) ou a Beverly (Sophia Lillis), todos estão maravilhosos e não tem como não lembrar da série Stranger Things, até porquê Finn Wolfhard é um dos protagonistas da série. É importante frisar que o livro A Coisa, escrito há mais de 30 anos atrás, foi uma das inspirações para a série Stranger Things.

O ator que faz o palhaço também deu conta do recado. Bill Skarsgård é o Pennywise insano, sarcástico e, no momento em que ele começa a perder, percebemos uma atuação suficiente para passar a sensação de hesitação em seu comportamento. Histérico, louco, mas também com seu ponto fraco que precisa ser percebido e explorado pelos garotos. A briga acaba ficando feia numa das cenas mais empolgantes, quando o grupo enfrenta o palhaço.

Como estamos entre garotos (e uma garota), no verão em Derry, muitas situações engraçadas surgem e dão uma equilibrada no clima do filme. Além disso, os personagem são explorados cuidadosamente. Isso é bom, considerando que hoje em dia o terror só pelo terror não agrada. Precisa ter cenas tensas, aprofundar a sensação e sentimento dos personagens e ter um contexto bem explorado para justificar o monstro. E isso temos de sobra aqui. Até numa passagem rápida, vemos o anúncio do filme “A Hora do Pesadelo 5” em cartaz, uma comparação direta entre Freddy Krueger e Pennywise. O primeiro se apodera dos sonhos e usa o medo de suas vítimas para prendê-las em pesadelos que matam de verdade, enquanto o palhaço faz mais ou menos isso na vida real.

As formas que a criatura assume e a criatividade para assustar e conseguir enganar os garotos é genial e usa muitos elementos do livro. Mais um fator a se considerar na adaptação, que de fato ficou tão boa a ponto do próprio Stephen King aprovar, o que é raro. Para os desinformados, esse filme é só metade da história. É uma boa oportunidade para aqueles que se interessaram em ler o livro para depois conferir o próximo filme. E para quem já leu, deve contemplar com bons olhos a proximidade com a obra, na forma como aborda a amizade entre os perdedores, o medo de cada personagem, a bicicleta Silver de Bill e seu grito “Hi-Yo, Silver!”, a guerra de pedra no rio, a cena de George e o palhaço, entre muitas outras. Embora não tenha como acompanhar o nível de brutalidade e dramatização do livro, temos que reconhecer que foi feito o melhor possível e podemos esperar com empolgação o próximo filme, quando as coisas vão ficar mais adultas (afinal os garotos estão crescidos), podendo ser mais assustador ainda.

Após grande sucesso do filme nos cinemas, surgiram alguns fatos interessantes:

– Houve uma certa comemoração após a produção atingir a sinistra marca de US$ 666 milhões arrecadados (324 nos EUA e US$ 342 no resto do mundo) 👹🎈

– Fãs lançaram campanha para o filme ser indicado ao Oscar em várias categorias. Particularmente, torço para ao menos uma indicação na categoria de melhor roteiro adaptado 🏆🎈

– O diretor divulgou que havia retirado uma cena pesada, onde uma mãe entrega seu bebê para o palhaço se alimentar, em troca de segurança. A boa notícia é que ele está pensando em incluir essa cena na sequência (que já começou a ser produzida) 😨🎈

Tags Relacionadas a coisa, Andrés Muschietti, Bill Skarsgård, crítica, filme de terror, it, livro, Pennywise, resenha, Stephen King, terror
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

Horas de desespero (EUA, 2015)

Eu indico No escape (EUA, 2015) Jack Dwyer (Owen Wilson)

Filmes

Coraline e o Mundo Secreto (“Coraline”)

Eu indico Coraline (EUA, 2008) O filme conta a história

cryingsecret
Super Nada
Nacional

Super Nada

São Paulo. Guto (Marat Descartes) é um artista de rua e aspirante a ator que sonha em um dia ser reconhecido pelo seu trabalho. Dedicado, ele pratica, se prepara e participa de todas as audições que pode, na espera de que um dia a sorte chegue. Ele admira Zeca (Jair Rodrigues), um comediante que trabalha na TV e é idolatrado por muita gente, apesar de estar com a carreira decadente. Os dois se encontram por acaso. O que será que o destino reserva para eles?

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu endereço de email não será publicado. E seus dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados como *