Search

Você pode gostar disso:

angelcrying
Docinho da américa (EUA, 2016)
Drama Filmes Nacional

Docinho da américa (EUA, 2016)

Uma adolescente de espírito livre foge de casa e parte numa viagem ao longo dos Estados Unidos. Para sobreviver, a jovem vende assinaturas de revistas, enquanto curte festas, se apaixona pela primeira vez e também acaba se envolvendo em crimes. Dirigido por Andrea Arnold.

laughingtongue
Kingsman 2: O Círculo Dourado (2017)
Drama Filmes Nacional

Kingsman 2: O Círculo Dourado (2017)

Um súbito e grandioso ataque de mísseis praticamente elimina o Kingsman, que conta apenas com Eggsy (Taron Egerton) e Merlin (Mark Strong) como remanescentes. Em busca de ajuda, eles partem para os Estados Unidos à procura da Statesman, uma organização secreta de espionagem onde trabalham os agentes Tequila (Channing Tatum), Whiskey (Pedro Pascal), Champagne (Jeff Bridges) e Ginger (Halle Berry). Juntos, eles precisam unir forças contra a grande responsável pelo ataque: Poppy (Julianne Moore), a maior traficante de drogas da atualidade, que elabora um plano para sair do anonimato. Dirigido por Matthew Vaughn.

Drama Filmes Nacional

Coraline e o Mundo Secreto (“Coraline”)

Eu indico Coraline (EUA, 2008) O filme conta a história

cryingsecret

Mãe só há uma (Brasil, 2016)

Mãe Só Há Uma (Brasil, 2016)

Ao 16 anos, Pierre descobre que sua mãe não é biológica, quando a mesma é presa pela polícia. Confuso e tendo que morar com seus parentes verdadeiros, que o conhecem como Felipe, o rapaz tem que se adaptar à nova realidade. Dirigido por Anna Muylaert.

Não me chame de filho!
Exibido no Festival de Berlim, esse filme, da mesma diretora de “Que horas ela volta?” (2015), parte de um caso verídico, “o caso Pedrinho”, que passou no noticiário nacional na década de 1990. O famoso sequestro do menino Pedrinho ocorreu em Brasília, em 1986. O filme vai além, quando acrescenta, a essa premissa, um drama bem elaborado, que fala sobre aceitar o outro, assumir e expor a própria identidade e, principalmente, sobre os laços fraternais que unem uma família.
A lei determina que o garoto passe a morar com a família biológica e temos uma assistente social no meio do processo. A atriz Dani Nefussi (de Bicho de Sete Cabeças, 2001) interpreta dois personagens, a mãe criminosa e a biológica. Eu mesmo não havia percebido se tratar da mesma atriz.
Ao descobrir ter sido sequestrado quando bebê, Pierre vai passar por momentos difíceis e, aos poucos, revela sua angústia, às vezes de forma repentinamente agressiva. Lá fora, o filme foi intitulado “Don’t Call Me Son!”, que significa “Não me chame de filho!”. Assim temos um drama familiar girando em torno dessa mudança. Com a habilidade da diretora Anna Muylaert, o resultado é incrível e consegue nos fazer entender o sentimento de todos os personagens que são afetados por esse fato. Afinal, até os pais têm dificuldade, apesar da felicidade com esse reencontro quase impossível, de encarar os gostos e comportamento do filho que retornou. Assim como o irmão mais novo e a ex-irmã. As emoções levam a conflitos, mas também a nova realidade acaba sendo uma oportunidade do garoto assumir e expor a sua própria identidade.
Protagonizado pelo estreante Naomi Nero, que está ótimo no papel de um adolescente que não obedece às convenções tradicionais da sociedade, mas que, diante de uma situação como essa, vai reagir como uma pessoa normal. Ele pensa em investir na sua banda, pinta as unhas, transa com meninas e beija garotos, ainda usa lingerie e gosta de se maquiar. É uma figura bem exótica, que ainda precisa esconder certos comportamentos.
O clímax é sensacional e reforça algo importante do filme, que é a questão da fraternidade, deixando uma mensagem muito boa. Mas pode ser interpretado como deficiente em relação à falta de um fechamento da trama, já que termina de maneira um pouco repentina. É uma estratégia já vista em outros filmes, para passar um recado junto com a ideia de que a vida continua, com seus momentos bons e ruins. Na minha opinião, o desfecho não poderia ser melhor.

__________________________________
Fontes:
http://www.adorocinema.com/filmes/filme-243939/criticas-adorocinema/
http://g1.globo.com/pop-arte/cinema/noticia/2016/07/mae-so-ha-uma-busca-inspiracao-em-caso-real-de-sequestro-de-jovem.html

Tags Relacionadas Anna Muylaert, brasil, brazil, caso Pedrinho, crítica, Don't Call Me Son, filme, nacional, resenha, “Que horas ela volta
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

Tudo o que Desejamos (França, 2011)

Eu indico Toutes nos Envies (França, 2011) Casada e mãe

Filmes

Ender’s Game – O Jogo do Exterminador (EUA, 2013)

Eu indico Enders Game (EUA, 2013) Em um futuro próximo,

cryingtongue
The Post – A Guerra Secreta (2017)
Filmes

The Post – A Guerra Secreta (2017)

Ben Bradlee (Tom Hanks) e Kat Graham (Meryl Streep), editores do The Washington Post, recebem um enorme estudo detalhado sobre o controverso papel dos Estados Unidos na Guerra do Vietnã e enfrentam de tudo para publicar os bombásticos documentos. Dirigido por Steven Spielberg.

1 Comentário

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu endereço de email não será publicado. E seus dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados como *