Search

Você pode gostar disso:

coolcrying
Esperança e Glória (Reino Unido, 1987)
Ação Destaques Filmes Na pré

Esperança e Glória (Reino Unido, 1987)

Uma autobiografia do diretor John Boorman, nascido e criado em Londres, durante a Segunda Guerra Mundial. O filme relata a história de um garoto de nove anos que relembra os horrores de uma Inglaterra devastada por bombardeios durante a guerra.

Ação Destaques Filmes Na pré

72 horas (“The Next Three Days”)

Eu indico 72 horas (EUA / França, 2010) John Brennan

Ação Destaques Filmes Na pré

Milagre em Milão (“Miracolo a Milano”)

Eu indico Miracolo a Milano (Itália, 1951) Uma mulher adota

laughingtongue

Missão: Impossível – Efeito Fallout (2018)

Mission: Impossible – Fallout (EUA, 2018)

A sua missão, caso aceite…

O primeiro Missão Impossível (1996) é um clássico, raro e excepcional. Por isso espera-se muito que suas sequências sejam boas ou consigam sustentar a franquia. Felizmente podemos afirmar que este novo filme mostra o quanto a franquia continua dando certo! Dirigido por Christopher McQuarrie.

De alguma forma, os filmes após o primeiro conseguiram fazer a franquia se reinventar e sobreviver com elegância. Seja no apelo à ação louca de John Woo no segundo filme, que garantiu boa diversão, seja numa ênfase sentimental humanizando o personagem de Tom Cruise que começou no segundo filme (com a presença de uma esposa vivida por Michelle Monaghan) e um roteiro mais sólido, sem contar a direção do J.J. Abrams. Agora chegamos ao sexto filme que conseguiu equilibrar cenas de ação “impossíveis” com dramatização, personagens fortes, fotografia genial (as cenas em Paris e no Vale de Nubra que o digam) e roteiro interessante e moderno. É realmente bacana de se assistir e Tom Cruise continua num grande momento como ator, sustentado também pela força de seu personagem. Aqui ele dispensou dublês para muitas cenas e ainda bem que ele sabe pilotar helicóptero na vida real!

Este novo filme conseguiu trazer, sem cansar, elementos marcantes da franquia, como a comunicação sigilosa da nova missão, uma cena de introdução com a música tema que lembra aberturas de seriados e as armas tecnológicas que foram usadas nas cenas acrescentando à trama situações de armadilhas e enganação bem elaboradas. E, claro, muitas situações quase “impossíveis”, onde os protagonistas ficam por um fio. Talvez as cenas de ação, principalmente de combate corpo a corpo, tenham ficado coreografadas demais, perdendo assim o realismo, por outro lado os personagens cometem falhas e precisam improvisar em algumas situações, melhorando esse cenário. A cena de perseguição em Paris tem uma tomada longa, muita adrenalina e uma direção de fotografia impecável (Rob Hardy). Não lembro da cidade de Paris ter sido tão bem aproveitada em algum filme como foi aqui.

O personagem principal dispensa comentários, Ethan Hunt talvez nunca tenha ficado tão bem quanto desta vez. Existe um foco importante sobre sua personalidade e índole, como alguém que pensa no bem das pessoas, inclusive tomando decisões perigosas para proteger os outros. Existe uma bondade nele bem contrastada com o personagem de Henry Cavill (este possui seus próprios métodos de resolver as missões). Já este último ator não ficou tão bem, provavelmente por seu personagem não parecer ter muita força na trama e sempre ficar ofuscado por Ethan Hunt. Por outro lado, Rebecca Ferguson está linda demais, os membros da equipe de Hunt são ótimos e bem interpretados por Simon Pegg (grande destaque) e Ving Rhames. Gostei muito também da interpretação de Sean Harris como vilão, existe uma maldade no seu tom de voz que chama a atenção.

Missão impossível mesmo é chegar a 6 filmes de uma mesma franquia sem cair no desinteresse do público e, neste caso, este novo filme foi uma missão cumprida!

Tags Relacionadas crítica, crítica Missão Impossível, Efeito Fallout, Henry Cavill, J.J. Abrams, Missão Impossível, Missão Impossível 6, Missão Impossível Fallout, resenha, resenha Missão Impossível, Simon Pegg, Tom Cruise
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

cryingmoney
Secretária (EUA, 2002)
Drama

Secretária (EUA, 2002)

Após passar algum tempo em um sanatório, Lee Holloway (Maggie Gyllenhaal) volta para a casa de seus pais pronta para recomeçar sua vida. Ela então faz um curso de secretária e tenta um emprego com E. Edward Grey (James Spader), que tem um escritório de advocacia. Inicialmente o trabalho parece bem normal e entediante, mas com o tempo, chefe e subordinada embarcam numa relação mais íntima e cruzam linhas de conduta da sexualidade humana. Dirigido por Steven Shainberg.

Filmes

A Greve (Stachka, Rússia, 1925)

Eu indico A Greve (Rússia, 1925) Em 1912, durante o

cryingsecret
Mãe só há uma (Brasil, 2016)
Drama

Mãe só há uma (Brasil, 2016)

Anna Muylaert dirige este filme nacional que poderia vencer um Oscar. Baseado em um caso real, mostra um garoto de 16 anos que descobre que sua mãe não é biológica, quando a mesma é presa pela polícia. Confuso e tendo que morar com seus parentes verdadeiros, que o conhecem como Felipe, o rapaz tem que se adaptar à nova realidade.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu endereço de email não será publicado. E seus dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados como *