Search

Você pode gostar disso:

Drama Ficção Científica Filmes Suspense

Enter the void (França, 2009)

Eu indico Viagem alucinante (França, 2009) Óscar é um traficante

Drama Ficção Científica Filmes Suspense

Vidas ao Vento (“Kaze Tachinu”, Japão, 2014)

Eu indico Kaze Tachinu (Japão, 2014) Jiro Horikoshi vive em

Drama Ficção Científica Filmes Suspense

Paixão a flor da pele (2004)

Eu indico Wicker Park (EUA, 2004) Matthew (Josh Hartnett) é

cryingmoustacheangry

O Abrigo (Take Shelter, 2011)

Take Shelter (EUA, 2011)

Curtis LaForche (Michael Shannon) mora numa pequena cidade de Ohio com a esposa Samantha (Jessica Chastain) e sua filha de seis anos, que possui uma deficiência auditiva. Os dois trabalham pesado para juntar o dinheiro para suprir as necessidades especiais da filha, mas mesmo passando por algumas dificuldades, eles podem dizer que são felizes. Isso começa a mudar quando Curtis passa a ter pesadelos com uma tempestade apocalíptica e começa a ficar obsessivo. Ele constrói um abrigo no quintal e desperta a preocupação da esposa e a desconfiança dos amigos e colegas de trabalho. Dirigido por Jeff Nichols.

Vamos para o abrigo?

Uma família pequena enfrenta problemas comuns e vive razoavelmente bem a sua rotina, até que Curtis, o pai, começa a ter sonhos e visões de uma tempestade apocalíptica. Essas premonições envolvem também pessoas violentas, seus vizinhos, sua esposa e até o cachorro. Importante a forma como o filme mostra a transformação do personagem e as consequências. Mais ainda é conseguir balancear entre os temas obsessão paranoica e premonição, mantendo a nossa atenção e forte expectativa do que pode acontecer de fato.

Curtis fica obsessivo em construir um abrigo para enfrentar algo que nem ele mesmo tem certeza se vai ocorrer. Assim, a estrutura da relação familiar vai sendo prejudicada pelo seu comportamento. Aqui a dramatização funciona bem, a partir das atuações de Michael Shannon e Jessica Chastain. Ele está muito bem no papel, condicionante para o resultado do filme, pois é focado em seu personagem. Jessica Chastain, como sempre, está ótima, essa que é uma das minhas atrizes preferidas atualmente. O protagonista está cada vez mais paranoico e, na interpretação do ator, temos uma boa noção do tormento vivido por ele. Ele mesmo confessa para a esposa: “é como se fosse uma sensação, um sentimento…”. Ao menos, é uma pessoa decidida, que vai passar por todas as barreiras para cumprir seu objetivo, que é se precaver pensando inclusive na própria família. Assim, a sua anterior rotina vai sendo prejudicada: trabalho, amigos, todas as relações, inclusive com sua esposa, vão sofrendo com isso.

Mostrando a importância do apoio familiar para o restabelecimento do ser humano a sua sanidade mental e, por outro aspecto, discutindo a questão da premonição, aviso divino, ou como através de sonhos podemos ser alertados, ou se eles são de fato meramente sonhos sem significado, enfim, o filme desenrola e a conclusão é bem interessante e pertinente, embora possa não agradar a todos. O importante é que o filme lida bem com essas duas questões. Além disso, parece que as coisas acontecem no tempo certo, nem muito cedo e nem tarde demais, para facilitar nossa compreensão e satisfação. A fragilidade do homem diante da força da natureza também se destaca na trama.
As visões dele são de fato reais ou alucinações de sua mente adoecida? Ele mesmo procura ajuda com profissionais e confessa à esposa que é uma sensação, e pode não ser de fato real. Enquanto não acontecer nada real, nos resta acompanhar a trama até o seu desfecho.

__________________________________
Fontes:
http://sublimeirrealidade.blogspot.com/2012/06/o-abrigo.htmlR81591-6006,00.html

Tags Relacionadas abrigo, crítica, Jeff Nichols, Jessica Chastain, Michael Shannon, resenha
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

O Abutre (Nightcrawler, EUA, 2014)

Eu indico Nightcrawler (EUA, 2014) Enfrentando dificuldades para conseguir um

Filmes

Willow – Na Terra da Magia (“Willow”)

Eu indico Willow (EUA, 1988) Willow Ufgood é um anão

Filmes

Que mal eu fiz a Deus? (França, 2014)

Eu indico Qu’est-ce qu’on a fait au Bon Dieu? (França,

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu endereço de email não será publicado. E seus dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados como *