Search

Você pode gostar disso:

Faça uma viagem de cinema: Califórnia
Filmes

Faça uma viagem de cinema: Califórnia

Você sabia que em São Francisco tem um restaurante italiano do Francis Ford Coppola? E que em Los Angeles existe a casa de Mcfly do filme De Volta Para o Futuro? Neste especial, percorremos parte da Califórnia e separamos várias dicas para você fazer uma viagem de cinema.

clownsecret
A primeira vez do cinema brasileiro (Brasil, 2012)
Filmes

A primeira vez do cinema brasileiro (Brasil, 2012)

O documentário parte do filme “Coisas Eróticas”, primeiro longa-metragem de sexo explícito lançado no país, em 1982. Há pouco mais de trinta anos atrás a fita rodava nas principais salas de cinema do Brasil, causando alvoroço no público em plena ditadura militar. Recheado de curiosidades e polêmicas, o filme marcou a produção cinematográfica da época para o bem e para o mal, figurando até hoje entre as quinze maiores bilheterias nacionais de todos os tempos. Dirigido por Bruno Graziano, Denise Godinho e Hugo Moura.

cryingsecret
Tolerância (Brasil, 2000)
Filmes

Tolerância (Brasil, 2000)

Júlio e Márcia são um casal que se permite viver possíveis atividades extraconjugais. Ele é seduzido pela amiga de sua filha enquanto passavam um fim de semana na sua casa de campo. Ao mesmo tempo, sua esposa, uma advogada sempre fiel, envolve-se com um cliente e confessa isso a Júlio. Dirigido por Carlos Gerbase.

O Pequeno Nicolau (“Le Petit Nicolas”)

Eu indico
Le Petit Nicolas (França, 2009)
 
Nicolau (Maxime Godard) é um garoto muito amado pelos pais, que leva uma vida tranqüila, até o dia em que ouve uma conversa entre seus pais, que o faz achar que a mãe está grávida. Nicolau entra em desespero e já pensa no pior: ao nascer um irmão, eles deixarão de lhe dar atenção. Para escapar de seu terrível destino, o menino faz campanha para mostrar o quanto é indispensável, mas acaba cometendo vários tropeços, o que faz com seus pais fiquem enfurecidos. Desesperado, ele muda de tática e, com seus amigos desastrados, bola diversos planos para achar uma solução para seu problema.
Comédia francesa infantil?
Le Petit Nicolas tem origem numa obra literária infantil franco-belga, de mesmo nome, criada em 1959 por Jean-Jacques Sempé e René Goscinny, autor de Asterix. Aproveitando o gancho, o diretor usa em uma das cenas uma passagem dos quadrinhos Asterix e Obelix, no que diz respeito ao famoso elixir que lhes garante a força mágica para enfrentar o exército romano. De forma criativa, os créditos de abertura do filme imitam um livro, usando ilustrações da obra original.
Essa comédia francesa tem algumas sacadas interessantes, como nos apresentar o mundo aos olhos de um garoto, Nicolau, que é o narrador dos acontecimentos. Como sua interpretação das coisas ainda é imatura, a contradição do que ele fala com o que vemos acontecer já garante algumas cenas engraçadas. Por outro lado, também acompanhamos o ponto de vista dos adultos, como a insatisfação do pai (Kad Merad) no trabalho, em sua luta para agradar o patrão, assim como as crises da mãe (Sandrine Kiberlain), fatos que não são percebidos pelo garoto; características de uma classe média que precisa se contentar com as sobras da riqueza. São os pontos de vista adulto e infantil sobre uma mesma situação, e de forma divertida vão ocorrendo vários acasos até o seu desfecho.
É divertido o fato de boa parte dos personagens serem crianças, amigos de escola, uma turma que vai causar a maior confusão, com base numa interpretação imatura de Nicolau, com o seu plano para manter-se não só o filho único, mas, simbolicamente, manter-se para sempre uma criança. E, depois disso, a questão do amadurecimento com a aceitação de se tornar o irmão mais velho, protetor e responsável. Cada um dos amigos de Nicolau possui uma característica marcante. Temos o melhor amigo, que só pensa em comer, o desligado Clotário (Victor Carles) que sempre sai de castigo, o garoto mais riquinho que só pensa no pai, e até o mais estudioso que fica dedurando os colegas. E numa das primeiras cenas a professora faz a já conhecida pergunta para as crianças: “O que você vai fazer quando crescer?”. Mais legal ainda é a resposta de Nicolau, já nas últimas cenas do filme, após todos os acontecimentos que ocorrem com o mesmo.
Desventuras – SPOILER:
A turma causa uma boa confusão com seu plano para contratar alguém para dar sumiço ao irmão de Nicolau, que ainda vai nascer. Mesmo tratando de coisas sérias, acaba que o filme consegue brincar com a vida e ficar engraçado, como por exemplo quando os garotos aguardam um bandido sair da prisão para contratá-lo, ou quando procuram na lista telefônica uma parte dedicada a gangster, ou quando fazem um cassino a céu aberto para arrecadar dinheiro. Temos também uma sequência com um carro descontrolado pelas ruas de Paris (advinha quem está dentro?). E quem iria imaginar que o desligado Clotário, que seria o burro da classe, salvaria a turma durante a visita de um ministro à escola? E daí vemos o papel importante da professora (Sandrine Kiberlain, do filme “Mademoiselle Chambon”, que também recomendo), que numa oportunidade anterior ajudou o aluno a aprender o nome do Rio Sena, usando uma estratégia efetiva.
Sobra também espaço para as atrapalhadas dos adultos, como quando a esposa tenta ajudar o marido agradando o chefe e a esposa num jantar, tentando se comportar com classe e parecer culta. O jantar obviamente termina em confusão. A anfitriã enrola-se nas palavras (quem entende francês pode perceber melhor) e seu marido nada pode fazer a este ponto. Interessante que a bajulação para ele ganhar a atenção do patrão vai ter outro desfecho depois.
Entre descobertas e trapalhadas, acaba sobrando para o espectador, o riso.

__________________________________
Fontes: 

http://omelete.uol.com.br/cinema/critica-o-pequeno-nicolau/
http://galeriaphotomaton.blogspot.com.br/2010/08/o-pequeno-nicolau-descobertas-infantis.html

Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

confusedtongueangrypunk
Ao cair da noite (EUA, 2017)
Suspense

Ao cair da noite (EUA, 2017)

Aplaudido no festival de cinema independente Overlook Film Festival, um terror psicológico e, ao mesmo tempo, bastante reflexivo. Paul (Joel Edgerton) mora com sua esposa e o filho numa casa isolada, com uma certa segurança diante de uma espécie de epidemia. Um dia chega uma família desesperada procurando refúgio e eles aceitam. Aos poucos, a paranoia e desconfiança vão aumentando e Paul vai fazer de tudo para proteger sua família contra algo que vem aterrorizando a todos. Escrito e dirigido por Trey Edward Shults.

laughingcoolsurprise
G-Men Contra o Império do Crime (“G” Men, EUA, 1935)
Primeiro Aqui

G-Men Contra o Império do Crime (“G” Men, EUA, 1935)

Um dos primeiros grandes filmes de gângster do cinema. James Cagney interpreta o jovem advogado criminalista, Brick Davis, que tenta resistir a tentações do mundo do crime, embora sua educação tenha sido paga por um gângster. Sua vida dá uma reviravolta quando um amigo e agente federal tenta recrutá-lo para o FBI, e é assassinado por um gângster. Dirigido por William Keighley.

Filmes

O Homem Duplicado (“Enemy”, 2013)

O Homem Duplicado (Canadá/Espanha, 2013) Ao assistir um filme, Adam

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu endereço de email não será publicado. E seus dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados como *