Search

Você pode gostar disso:

Clássico Favoritos Filmes Suspense Terror

Goodnight Mommy (Áustria, 2015)

No calor do verão, uma casa isolada no campo, entre bosques e campos de milho. Gêmeos de dez anos de idade esperam por sua mãe. Quando ela volta, com a cabeça envolta em ataduras após uma cirurgia plástica, nada é como era antes. Severa e distante, ela fecha a família para o mundo exterior. Começando a duvidar que esta mulher é realmente sua mãe, os meninos estão determinados a encontrar a verdade de qualquer maneira. Dirigido por Severin Fiala e Veronika Franz.

Clássico Favoritos Filmes Suspense Terror

Che (Espanha, 2008)

Eu indico Che (Espanha / França / EUA, 2008) 26

Clássico Favoritos Filmes Suspense Terror

O Homem dos Olhos Esbugalhados (EUA, 1940)

Eu indico Stranger on the Third Floor (EUA, 1940) O

coolstarangrypunk

Poltergeist: O Fenômeno (1982)

Poltergeist (EUA, 1982)

Uma típica família americana vive o famoso sonho americano, moram na casa dos sonhos, numa cidade pequena e com espaço para uma piscina. Mas logo a família Freeling começa a presenciar fenômenos psíquicos, que a princípio parecem ser inofensivos, mas que cada vez se tornam mais aterrorizantes até que  uma entidade “sequestra” a pequena Carol Anne (Heather O’Rourke) e tudo vira um inferno.

O Fenômeno de 1982:

O clássico Poltergeist foi escrito e produzido por Steven Spielberg, um sucesso de público e crítica que concorreu ao Oscar de melhores efeitos visuais e melhor trilha sonora. Existe uma versão remasterizada e é fortemente indicado, principalmente para fãs de suspense ou terror. Na época em que foi lançado, existiam muitos filmes que focavam nas cenas sanguinolentas, mortes, assassinos mascarados, mutilação e tudo o mais. Talvez por isso tenha impactado bastante, por possuir uma boa história, cenas tensas, expectativas e sustos bem elaborados.

Apesar de dirigido por Tobe Hopper, percebemos que o filme tem toda a influência de Spielberg, já conhecido por sua criatividade, e o resultado é um show de cenas onde tudo se transforma em algo assustador, desde uma árvore (quando troveja, vemos a sua sombra enorme), ou uma televisão, até o boneco de um palhaço. São introduzidas até cenas cômicas nos momentos oportunos, e no todo o filme surpreende bastante. Esperar o momento certo para a trilha sonora surgir, é uma marca de Spielberg. Para quem o assistir hoje em dia, acredito que fique a sensação de que não se fazem mais filmes assim. Uma certa crítica também aparece, como a TV sendo o único meio de comunicação entre o sobrenatural e o físico, ou uma corretora de imóveis que brinca com a morte. A trilha sonora ajuda a construir uma atmosfera intensa e faz o filme chegar a seu clímax rapidamente. Além disso, a própria falta de trilha sonora também ajuda a termos bons momentos de suspense.
No centro da trama está a típica família americana da Califórnia, que vive numa casa bacana. Steve Freeling (Craig T. Nelson), sua esposa Diane (JoBeth Williams), e seus filhos Dana, Robbie e Carol Anne (respectivamente Dominique Dunne, Oliver Robins e Heather O’Rourke). Os acontecimentos sobrenaturais surgem logo e a história é contada de uma forma simples, mas nos faz realmente sentir medo, usando-se de um terror mais psicológico. É interessante como existem artimanhas para causar tensão e susto, naquelas cenas em que sabemos que algo deve acontecer, mas mesmo assim tomamos um baita susto quando acontece. As cenas que foram colocadas com pouco uso – ou uso algum – de uma trilha sonora também são impactantes.

Os efeitos especiais foram feitos pela lendária Industrial Light & Magic, para a época do filme foi como fazer mágica. Quem toma conta de todos os efeitos sonoros é Jerry Goldsmith, o mesmo que produziu os sons de Jornada nas Estrelas.

Os atores escolhidos para interpretar a família ficaram tão bons que até parece uma família da vida real. A garotinha Carol Anne (Heather O’Rourke) está ótima, e ela trabalha nos 3 filmes. Destaque é quando ela usa uma fala mais conhecida em filmes do gênero: “They’re here!” (“Eles estão aqui””) e, no segundo filme, a garotinha novamente repete a idéia, dizendo: “They’re back!” (“Eles voltaram!”). Realmente não fizeram boas continuações, mesmo repetindo os personagens interpretados pelos mesmos atores. As continuações foram “Poltergeist II – o Outro Lado” (1986) e “Poltergeist III – Cresce o Pavor” (1988).

O termo poltergeist (do alemão polter, que significa ruído, e geist, que significa espírito) é usado quando algum evento sobrenatural se manifesta deslocando objetos e fazendo ruídos. Acredita-se que o foco dessa perturbação é muitas vezes uma criança na fase da puberdade, em geral do sexo feminino. O evento caracteriza-se por estar relacionado a um indivíduo e por ter curta duração, diferente de uma assombração, que pode-se estender por anos, sempre associada a uma área, geralmente uma casa. No fenômeno poltergeist um espírito perturbado usa o indivíduo para se manifestar, às vezes de forma agressiva, fazendo objetos como pedras, por exemplo, voarem pelos ares atingindo objetos e outras pessoas. Para a manifestação desse espírito, segundo a literatura espírita, é necessária a presença de um médium de efeitos físicos, ainda que seja completamente alheio à sua faculdade, para que os fenômenos ocorram. No filme, tudo isso é explicado e usado de alguma forma, temos até sequências com uma equipe de médiuns monitorando a casa e sofrendo os diabos, com destaque para a atriz Zelda Rubinstein, com apenas 1,30m de altura e uma voz peculiar, interpretando a personagem Tangina Barrons, uma vidente experiente (que também aparece nos 3 filmes). Perceba quantos mistérios e suspenses dos roteiros atuais tem uma ponta de Poltergeist no meio.

Na vida real – A Maldição de Poltergeist:

Alguns acontecimentos macabros aconteceram durante e após as filmagens do filme, tanto que se criou o termo chamado “A Maldição de Poltergeist”, onde algumas mortes no elenco aconteceram. Porém a mais marcante foi a morte da atriz mirim Heather O’Rourke (interpreta a Carol Anne) que morreu logo após as filmagens do terceiro filme, aos doze anos de idade, com uma infecção intestinal. Antes dela, morreu Dominique Duane (interpreta a irmã mais velha de Carol Anne no filme), logo após a estréia do 1° filme, quando um ex-namorado ciumento simplesmente a espancou e depois estrangulou. Em 1985 o ator Julian Beck (interpretou o reverendo que assustava a família Freeling) morreu de um cancer fulminate e, em junho de 1986, o ator Will Sampson (interpretou o índio que ajudava a família no 2° filme), aos 53 anos, morre após um transplante de coração.

Seguem outros eventos coletados, que podem até ser boatos:

– Em 1984 foi gravado o 2° filme, sendo que um fato estranho ocorreu: a casa escolhida como cenário foi realmente construída em cima de um cemitério chumash (tribo indigena que viveu ali no sec. 17), coincidindo com a história do 1° filme;

– A atriz Zelda Rubenstein fez uma sessão de fotos para Poltergeist III e em uma delas, tinha uma luz brilhante obstruindo o seu rosto. Ela depois informou que a foto foi feita no exato momento que sua mãe na vida real morreu;

– A casa do primeiro filme foi parcialmente destruída por um terremoto em 1994;

– Em uma cena onde o ator Oliver Robins estava sendo sufocado, alguma coisa deu errado e ele estava sendo sufocado de verdade;

– JoBeth Williams diz que quando voltava para casa depois das filmagens, encontrava os seus quadros todos tortos na parede. Ela os endireitava mas, ao retornar no dia seguinte após as filmagens, estavam todos tortos novamente;

– Ao estrangular Dominique Dunne, para encobrir o barulho, o namorado colocou para tocar a trilha sonora de Poltergeist em volume bem alto;

– Foram usados esqueletos de verdade no filme, a atriz JoBeth Williams confirmou em uma entrevista.

__________________________________
Fontes:
http://www.plantaopop.com/2010/12/critica-poltergeist-o-fenomeno.html
http://thesinistro.wordpress.com/2010/04/25/mortes-no-filme-poltergeist/
http://culturareino.blogspot.com.br/2011/04/maldicao-do-filme-poltergeist-oque.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Poltergeist
http://planocritico.com/critica-poltergeist-o-fenomeno/

Tags Relacionadas Carol Anne, crítica, resenha, Spielberg
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

9 Canções (Reino Unido, 2004)

Eu indico 9 Songs (Reino Unido, 2004) O filme narra

Filmes

Willow – Na Terra da Magia (“Willow”)

Eu indico Willow (EUA, 1988) Willow Ufgood é um anão

Filmes

Blue Valentine (“Namorados Para Sempre”)

Eu indico Blue Valentine (EUA, 2010) Blue Valentine, traduzido no

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu endereço de email não será publicado. E seus dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados como *