Search

Você pode gostar disso:

coolcryingmoney
Desencanto (1945)
Drama Filmes

Desencanto (1945)

Laura (Celia Johnson) e Alec (Trevor Howard) se conhecem por acaso em uma estação de trem, quando ele remove um cisco do olho dela. Ele é médico, ela é dona de casa. Ambos são de classe média, têm meia-idade e são razoavelmente felizes em seus casamentos. Em pouco tempo passam a se encontrar todas as quintas-feiras, mas apenas como bons amigos. Gradativamente surge uma paixão mútua e eles continuam a se encontrar regularmente, apesar de saberem que este amor é impossível. Dirigido por David Lean.

cryingtongue
Isle of Dogs (2018)
Drama Filmes

Isle of Dogs (2018)

Em um futuro próximo, no Japão, uma epidemia dizimou parte da população canina, promovendo uma onda de histeria anti-cachorros. Um governante autoritário se aproveita da situação para se promover e decide banir todos os cachorros para a “Ilha do Lixo”, onde eles terão de lutar para sobreviver. Contudo, existe um movimento a favor dos animais e um dos donos, Atari, de 12 anos, decide embarcar em uma corajosa jornada até a ilha em busca de seu amado cachorro Spot. Dirigido por Wes Anderson.

cryingtongue
A Cabana (2017)
Drama Filmes

A Cabana (2017)

Um homem vive atormentado após perder a sua filha mais nova, cujo corpo nunca foi encontrado, mas sinais de que ela teria sido violentada e assassinada são encontrados em uma cabana nas montanhas. Anos depois da tragédia, ele recebe um chamado misterioso para retornar a esse local, onde ele vai receber uma lição de vida. Dirigido por Stuart Hazeldine.

crying

Sonhadores (“The Dreamers”, 2003)

The Dreamers (França / Reino Unido / Itália, 2003)

Matthew (Michael Pitt) é um jovem que, em 1968, vai estudar em Paris. Lá ele conhece os irmãos gêmeos franceses, Isabelle e Theo (Eva Green e Louis Garrel). Os três logo se tornam amigos, dividindo experiências e relacionamentos enquanto Paris vive a efervescência da revolução estudantil. Dirigido por Bernardo Bertolucci.

Homenagem ao cinema, por Bertolucci:

Este filme já apareceu em listas de filmes polêmicos com conteúdo sexual explícito. A bem da verdade, o diretor Bernardo Bertolucci deixou, em seus filmes, uma marca abordando situações que giram em torno do erotismo, mas sempre com bastante conteúdo em várias dimensões, seja poesia e arte em geral, política, comportamento humano, história, etc. Baseado no romance “Os Inocentes Sagrados” de Gilbert Adair, que também elaborou o roteiro do filme, contemplemos uma mistura maravilhosa de cinema, sexo e revolução.

A homenagem realizada ao cinema vai se encaixando na trama a medida que filmes são explicitamente mostrados ou citados de forma mais sutil, com direto a exibição de cenas de grandes clássicos, como Os Incompreendidos (“The 400 Blows”, 1959, de François Truffaut), O Picolino (“Top Hat”, 1935, de Mark Sandrich), Crepúsculo dos Deuses (“Sunset Boulevard”, 1950, de Billy Wilder), Luzes da Cidade (“City Lights”, 1931, de Charles Chaplin) e Juventude Transviada (“Rebel Without A Cause”, 1955, de Nicholas Ray). Essa pitada de cada filme deixa uma imensa vontade de assistir a todos eles. A lista completa pode ser conferida no final desta postagem, assim como a cena onde cada um deles aparece.

O interessante é discutir a visão e importância dos espectadores, isso vai sendo trabalhando do ponto de vista dos três personagens principais que, apaixonados por cinema, chegam ao ponto de fazer jogos do tipo “Qual o nome do filme?”, com prendas sexuais inusitadas para quem não acertar.

A Paris de 1968, marcada por revoluções, inclusive manifestações no cinema, é o cenário onde um estudante americano conhece dois irmãos franceses e os três começam a viver experiências sexuais somente entre eles. Entre a oportunidade de viver o prazer da situação, e a luta contra a repressão que basicamente ocorre fora do apartamento dos irmãos – onde se passa quase o filme inteiro – os personagens vivenciam revoluções culturais, música, cinema e sexualidade. Eva Green está arrebatadora em sua sensualidade, numa personagem que horas parece madura e segura, horas inocente ou fingida. Este foi um de seus primeiros trabalhos no cinema, Bernardo Bertolucci descobriu essa atriz nos palcos franceses e chegou a dizer que ela possui uma beleza “indecente”.

Referências a filmes e onde aparecem – SPOILER:

– Bande à Part (“Band of Outsiders”, de Jean-Luc Godard)
Quando Isabelle, Theo e Matthew correm no Louvre, tentando quebrar o recorde (9 minutos e 43 segundos) de uma cena em Bande à Part.

– Paixões que Alucinam (“Shock Corrido”, de Samuel Fuller)
É o filme que Matthew está assistindo no cinema, quando ele diz que gosta de sentar na frente para ser o primeiro a receber as imagens.

– O Demônio das Onze Horas (“Pierrot Le Fou”, 1965, de Jean-Luc Godard)

– Os Incompreendidos (“The 400 Blows”, 1959, de François Truffaut)
Posters dos filmes no quarto do Theo.

– Quando Duas Mulheres Pecam (“Persona”, 1966, de Ingmar Bengmar)
Pôster de Liv Ullman e Bibi Andersson em Persona no apartamento de Matthew.

– A Chinesa | La Chinoise (1967), de Jean-Luc Godard
Pôster do filme no quarto dos gêmeos.

– A Vênus Loira (“Blonde Venus, 1932, de Josef Von Sternberg)
Cena em que Isabelle entra no quarto de Theo cantando com seus óculos escuros e um espanador. Isabelle pergunta ao irmão qual o nome do filme.

– Parada de Monstros (“Freaks”, 1932, de Tod Browning)
Isabelle e Theo aceitam Matthew depois da corrida no museu, dizendo: “We accept him, one of us”.

– Scarface (1983, de Brian De Palma)
Isabelle e Matthew estão jogando quando Theo finge uma cena do filme, se jogando no chão.

– Rainha Christina (1933, de Rouben Mamoulian)
Isabelle atua imitando a personagem de Greta Garbo, dizendo “memorizing this room” na primeira noite que Matthew dorme em sua casa.

– O Picolino (“Top Hat”, 1935 de Mark Sandrich)
Cena em que Isabelle e Theo começam a discutir sobre a música alta e rapidamente Isabelle pergunta ao Matthew qual o nome de um filme.

– Acossado (“À Bout de Souffle”, 1960, de Jean-Luc Godard)
Cena em que Isabelle fala para Matthew quais foram as suas primeiras palavras quando bebê. Isabelle responde: “New York Herald Tribune”, que é de uma cena deste filme.

– A Virgem Possuída (“Mouchette”, 1967, de Robert Bresson)
Depois que Isabelle tenta matar os três com gás de cozinha, fecha os olhos e passam cenas do suicídio de Mouchette.

– Luzes da Cidade (1931, de Charles Chaplin)
Cena em que Matthew e Theo começam a discutir quem era o melhor humorista, Chaplin ou Keaton. Theo explica o porquê dele gostar de Chaplin ao citar uma cena de Luzes da Cidade.

– O Homem das Novidades (“The Cameraman”, 1928, de Edward Sedgwick / Buster Keaton)
Matthew discutindo com Theo sobre o assunto citado acima. Uma cena do filme é mostrada.

– Juventude Transviada (“Rebel Without a Cause”, 1955, de Nicholas Ray)
Theo pergunta para Matthew quais os filmes que ele gostava sobre aquele diretor. Matthew responde: Juventude Transviada.

__________________________________
Fontes:
http://eaicinefilocadevoce.blogspot.com.br/2013/05/critica-os-sonhadores-2003.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Os_Sonhadores

Tags Relacionadas Bertolucci, Crepúsculo dos Deuses, crítica, Eva Green, Gilbert Adair, Incompreendidos, Inocentes Sagrados, Juventude Transviada, Louis Garrel, Luzes da cidade, Michael Pitt, Picolino, resenha, Top Hat
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

Poder Paranormal (“Red Lights”, EUA / Espanha, 2012)

Eu indico Red Lights (EUA / Espanha, 2012) Dois investigadores

Filmes

A Caça (La Caza, Espanha, 1965)

Eu indico La Caza (Espanha, 1965) Um grupo de amigos

laughingmoustache
Maze Runner – Correr ou Morrer (2014)
Filmes

Maze Runner – Correr ou Morrer (2014)

Ao acordar dentro de um escuro elevador em movimento, Thomas (Dylan O'Brien) chega à “Clareira”, se vendo rodeado por garotos que o acolhem. O local é um espaço aberto cercado por muros gigantescos. Assim como Thomas, nenhum deles sabe como foi parar ali, nem por quê. Sabem apenas que todas as manhãs as portas de pedra do Labirinto que os cerca se abrem, e, à noite, se fecham. E que a cada trinta dias um novo garoto é entregue pelo elevador. Dirigido por Wes Ball e roteiro de Noah Oppenheim.

1 Comentário

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu endereço de email não será publicado. E seus dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados como *