Search

Você pode gostar disso:

Clássico Drama Favoritos Filmes

O Fugitivo (“I Am a Fugitive From a Chain Gang”, 1932)

Eu indico I Am a Fugitive From a Chain Gang

happy
Top 10 filmes lançados em 2015
Clássico Drama Favoritos Filmes

Top 10 filmes lançados em 2015

Essa é a minha lista dos melhores filmes lançados em 2015! A ideia é mostrar os 10 mais, então tive que deixar algumas boas opções de fora, como O Clã, Divertidamente, Chappie, No Coração do Mar, O Novíssimo Testamento, Labirinto de Mentiras, Deadpool, entre outros.

cryingtongue
O Destino de uma Nação (2017)
Clássico Drama Favoritos Filmes

O Destino de uma Nação (2017)

Essa adaptação não se propõe a mostrar a vida de Churchill, mas sim um recorte de um momento crítico na história do Reino Unido, num momento histórico dos mais lembrados pela humanidade, a Segunda Guerra Mundial, onde ele assumiu o papel de primeiro-ministro quando os grandes dirigentes do Reino Unido já estavam jogando a toalha e se dando por vencidos pela Alemanha. É interessante e vai na linha do título original do longa “Darkest Hour” (Hora mais escura). Dirigido por Joe Wright.

coolcryingstar

Taxi Driver (EUA, 1976)

Taxi Driver (EUA, 1976)

Em Nova York, um homem de 26 anos (Robert De Niro), veterano da Guerra do Vietnã, é um solitário no meio da grande metrópole que ele vagueia noite adentro. Assim começa a trabalhar como motorista de taxi no turno da noite e nele vai crescendo um sentimento de revolta pela miséria, o vício, a violência e a prostituição que estão sempre à sua volta. Após comprar armas, ele articula um atentado contra o senador (que planeja ser presidente). Dirigido por Martin Scorsese.

Clássico de Scorsese com De Niro:

Momento único é poder assistir a este filmaço numa sala de cinema. Desde 31 de maio (2014) a Rede Cinemark exibe clássicos do cinema em sessões especiais. Melhor ainda foi ver a sala cheia, muita gente atraída pela sessão de um filme de 1976, valorizando o clássico na telona. Filmes como ‘Pulp Fiction’ e ‘Laranja Mecânica’ estão no escopo. Em se tratando deste filme, uma nostalgia forte surge ao relembrar das cenas bem trabalhadas por Martin Scorsese e do personagem interessantíssimo interpretado por De Niro, obviamente uma interpretação espetacular já no início de sua carreira, pouco depois de sua presença forte em “O Poderoso Chefão: Parte II” (1974), de Francis Ford Coppola.

A narração do personagem Travis Bickle (Robert De Niro) é forte e realista, em talvez a maior interpretação deste ator, dizem até que ele chegou a tirar uma licença de táxi e estudar o sotaque das pessoas numa base militar. Como motorista de táxi, Travis vê muita coisa ao redor, nas ruas de uma Nova York na década de 1970, suja e com pessoas sujas no pior dos sentidos. O personagem admite estar entrando em depressão com tudo aquilo e chega a manifestar comportamentos contraditórios: leva uma bela mulher (a linda atriz Cybill Sheperd) pela qual demonstra forte atração e sentimento, já no primeiro encontro, para ver um filme pornô; por outro lado, tem momentos de altruísmo ao tentar ajudar uma prostituta de 12 anos (Jodie Foster, que tinha 14 anos na época) a largar aquela vida e voltar para a casa de seus pais. Seu plano para assassinar um senador é quase que o extremo de seu comportamento, mesmo decidindo também se tornar uma espécie de anjo salvador para a garotinha perdida.

Considerado um dos maiores filmes dos Estados Unidos, tornou-se um clássico e obra-prima de Scorsese, retratando a violência, solidão e alienação, com um argumento de Paul Schrader. Bernard Herrmann, conhecido por seu trabalho com Alfred Hitchcock, foi o responsável pela trilha sonora, que acabou sendo a última antes de sua morte. O som do jazz que permeia toda a trama combina com o drama vivenciado pelo taxista e ajuda a retratar a Nova York da época, que já vivia cheia de Táxis. O filme foi considerado “culturalmente, historicamente ou esteticamente significante” pela Biblioteca do Congresso dos EUA e foi selecionado para ser preservado no National Film Registry em 1994.

Fantástica a crítica política e social, numa abordagem que mostra a ansiedade em surgir um cidadão modelo, um herói, diante do fato de que as pessoas percebem toda a corrupção e sujeira ao redor, veem de perto os problemas dos outros, até os culpados, porém ninguém quer sujar as mãos para mudar este cenário. O desfecho nem deve ser contado, somente visto, mas podem se preparar para um clímax forte nas últimas cenas, o filme consegue até vagar entre o poético e o desastroso, ainda com a ironia presente nos filmes de Scorsese. O final é tão significativo que até hoje é lembrado sob diferentes interpretações. O filme recebeu quatro indicações ao Oscar: melhor ator (Robert De Niro), melhor atriz coadjuvante (Jodie Foster), melhor trilha sonora (Bernard Herrmann) e melhor filme.

Algumas curiosidades com PEQUENOS SPOILERS:

– Travis Bickle diz ser um veterano da Guerra do Vietnã, porém alguns críticos defendem que isso pode fazer parte da persona que ele adotou diante de seus problemas pessoais e psicológicos. Até porque o seu comportamento com armas e suas vestimentas ao estilo militar são suspeitas, embora não pareçam ser ruins;

– Taxi Driver fazia parte das fantasias e delírios de John Hinckley, Jr., os quais o motivaram a tentar assassinar o presidente Ronald Reagan em 1981, não sendo considerado culpado sob a alegação de insanidade. Hinckley declarou que suas ações eram uma tentativa de impressionar a atriz Jodie Foster, por quem era obcecado, tendo até imitado o corte de cabelo moicano que Travis Bickle usava no comício do candidato a presidência Palantine. Seu advogado concluiu sua defesa mostrando o filme para o júri;

– A última cena de Bickle fitando um objeto não visto deixa implícito que ele pode entrar em um estado raivoso e negligente no futuro, e que ele é como uma bomba-relógio. O roteirista Paul Schrader confirma isso no seu comentário do DVD de 30 anos do filme, dizendo que Travis “não está curado pelo final do filme”, e que “ele não será um herói na próxima vez”.

__________________________________
Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Taxi_Driver

Tags Relacionadas Coppola, crítica, Cybill Sheperd, De Niro, Hitchcock, Laranja Mecânica, Nova York, poderoso chefão, Pulp Fiction, resenha, Scorsese
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

Um dia, um gato (Checoslováquia, 1963)

Eu indico Az prijde kocour (Checoslováquia, 1963) Um contador de

laughingtongue
Atômica (2017)
Na pré

Atômica (2017)

A proposta é comum: espionagem, Guerra Fria, não confie em ninguém. Contudo, o enredo consegue ser atraente, a história se desenrola muito bem no roteiro de Kurt Johnstead e as cenas de ação são sensacionais e brutais, sendo postas no filme junto com músicas famosas dos anos 80 e 90. Afinal, o filme se passa em 1989, nessa transição entre duas décadas importantes na história. Os diálogos discutem de forma interessante a Guerra Fria e como os espiões foram importantes para evitar que essa guerra tomasse proporções catastróficas e estourasse como o efeito de uma bomba atômica. Mas bombástica no filme mesmo é a Charlize Theron, sua personagem é encaixada com facilidade nesse cenário onde a sobrevivência é constantemente ameaçada.

laughingangelpunk
Juan dos Mortos (Cuba, 2013)
Filmes

Juan dos Mortos (Cuba, 2013)

Juan (Alexis Díaz de Villegas) é um sujeito de 40 anos especializado na arte de não fazer nada. Um dia, se depara com uma misteriosa infecção que está transformando os habitantes de Havana em mortos-vivos. Como um bom cubano, decide começar um negócio ao lado do amigo Lazaro (Jorge Molina) para tirar vantagem da situação. Eles se especializam em assassinar zumbis e trabalham com o slogan "Matamos seus entes queridos". O negócio acaba sendo afetado com o crescimento constante do número de infectados. Dirigido por Alejandro Brugués.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu endereço de email não será publicado. E seus dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados como *