Search

Você pode gostar disso:

confusedcrying
Cabaré Bibliotheque Pascal (2010)
Ação Filmes Na pré

Cabaré Bibliotheque Pascal (2010)

Depois de um trailer empolgante, com uma trilha sonora bacana, qualquer um vai querer assistir! Mona vive nas ruas da Hungria ganhando a vida como artista e é vendida como escrava pelo próprio pai a um estranho bordel, onde as prostitutas são forçadas a agir como personagens literários. Roteiro e direção de Szabolcs Hadju.

Ação Filmes Na pré

72 horas (“The Next Three Days”)

Eu indico 72 horas (EUA / França, 2010) John Brennan

happy
Top 10 melhores filmes que tratam do tema “luto”
Ação Filmes Na pré

Top 10 melhores filmes que tratam do tema “luto”

O luto, definido como sentimento de tristeza profunda pela morte de alguém, já foi abordado nos filmes de variadas formas. Particularmente, adoro os grandes filmes que trataram deste tema. Possuem lições grandiosas. Assim, neste mês onde todos lembram de quem partiu, selecionamos os 10 melhores filmes sobre o assunto.

laughingtongue

Velozes e Furiosos 8 (2017)

The Fate of the Furious (EUA/Reino Unido/França/Canadá/Samoa, 2017)

Quando um filme chega na oitava continuação, é sinal de que a franquia continua dando certo. Velozes e Furiosos começou em 2001, com seu primeiro filme que apresentou o cenário de corridas de rua na cidade de Los Angeles. Para os amantes de carros turbinados e aspirantes a desafios de corrida do tipo, o filme foi um prato feito. Ao longo do tempo, com novos personagens, investimento da produção e mais orçamento para os efeitos especiais, se tornou uma grande franquia de ação, perdendo o foco nas corridas de ruas e aumentando nas intrigas internacionais, envolvendo a CIA, terroristas que querem dominar o mundo, enfim.

Depois de passar por Los Angeles, Miami, Tóquio, Rio de Janeiro, Londres, etc, neste novo filme, o oitavo da série, temos direito a Cuba, Berlin, Nova York e até um local inóspito na Rússia. Os filmes sempre encantaram pelas cenas de ação com carros top de linha e muitas cidades bonitas (que serão parcialmente destruídas). Esse novo filme segue a linha dos últimos e, por isso mesmo, possui um enredo fraco e até absurdo, uma grande desculpa para juntar toda a equipe para combater mais uma ameaça. Ou quase toda a equipe já que, infelizmente, não contamos mais com o ator Paul Walker que sempre teve uma presença marcante nos filmes, mas que sofreu um acidente de carro fatal (ironia do destino mesmo) na época das filmagens do Velozes e Furiosos 7. Vale conferir a bela homenagem que é feita ao ator no final deste filme 7, um dos melhores da franquia.

Isto posto, este novo filme cria as suas cenas insanas e diverte por isso, com destaque para duas cenas. A primeira é num presídio onde os atores Dwayne Johnson e Jason Statham dão um show de briga, cada um no seu estilo. O primeiro é a brutalidade e força em pessoa, mas que ainda apresenta uma boa técnica de luta; o segundo é a técnica suprema com alta agilidade. Dessa forma, os personagens de Vin Diesel, Dwayne Johnson e Jason Statham roubam a maioria das cenas e os demais acabam como coadjuvantes desnecessários. Podemos dar um crédito à vilã (Charlize Theron) pela inteligência e maldade. E, claro, todos devem sentir uma grande falta de Brian (personagem do Paul Walker), mas a vida e a franquia seguem. Já a segunda cena ocorre ao redor de uma base russa no meio do gelo e podemos ver que o filme chega no ápice do absurdo e diversão, o que vai agradar a muitos fãs do gênero.

Não sabemos o que mais vão inventar, já que tudo indica outra continuação, só esperamos que alguém com criatividade assuma a frente já que a mesma fórmula de sempre já começou a saturar.

Tags Relacionadas Brian, carros, Charlize Theron, crítica, Dwayne Johnson, furiosos, Jason Statham, Paul Walker, resenha, The rock, Toretto, velozes, Vin Diesel
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

Sobrenatural (“Insidious”)

Eu indico Insidious (EUA, 2011) A família Lambert, formada por

Filmes

Kung Fury (2015)

Eu indico Kung Fury (EUA / Suécia, 2015) Kung Fury

crying
César Deve Morrer (Itália, 2012)
Drama

César Deve Morrer (Itália, 2012)

Na prisão de segurança máxima de Rebibbia, Roma, um grupo de prisioneiros encena a peça "Júlio César", de William Shakespeare. Pelos corredores, fala-se de morte, liberdade, vingança. Realidades presentes no texto shakespeariano, mas também nas suas próprias histórias. Dirigido pelos irmãos Paolo e Vittorio Taviani, o filme venceu o Urso de Ouro no Festival de Berlim 2012.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu endereço de email não será publicado. E seus dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados como *