Search

Você pode gostar disso:

Ficção Científica Filmes Na pré Suspense Terror

O Último Boy Scout (EUA, 1991)

Eu indico The Last Boy Scout (EUA, 1991) Los Angeles.

angelmoney
Ritmo Louco (“Swing Time”, EUA, 1936)
Ficção Científica Filmes Na pré Suspense Terror

Ritmo Louco (“Swing Time”, EUA, 1936)

O casal de atores Fred Astaire e Ginger Rogers, que dançam e cantam em seus filmes, mantiveram uma longa parceria no cinema. Ritmo Louco foi o sexto filme com o casal, contendo cenas de dança sensacionais, ao estilo sapateado, entre outros. Um dançarino e apostador viaja a Nova York para levantar a quantia necessária para poder se casar com sua noiva. Chegando lá, ele acaba se envolvendo com uma bela dançarina novata. Dirigido por George Stevens.

laughingangelmoustache
Viagem ao Mundo dos Sonhos (Explorers, 1985)
Ficção Científica Filmes Na pré Suspense Terror

Viagem ao Mundo dos Sonhos (Explorers, 1985)

Tudo com o que Ben Crandall (Ethan Hawke) sempre sonhou torna-se real quando, com a ajuda de seus amigos Wolfgang Müller (River Phoenix) e Darren Woods (Jason Presson), além da sua imaginação, ele se lança na descoberta de uma nave espacial em seu laboratório. Os três jovens garotos vêem então cada vez mais próxima a oportunidade de fazer a viagem interplanetária que sempre desejaram. Dirigido por Joe Dante.

moustachetongueangrypunk

Doutor Sono (2019)

Doctor Sleep (EUA, 2019)

Stephen King escreveu poucas continuações, embora tenha algumas histórias em série, como a saga A Torre Negra, contendo 7 livros, e a trilogia Mr. Mercedes que ganhou um seriado excelente. Apesar disso, seus personagens tendem a aparecer ou serem citados novamente em várias de suas histórias. Doutor Sono é de fato a continuação de O Iluminado, tendo o garotinho Dan Torrance da primeira história, agora um homem de meia idade. Apesar de ter lido muitas obras do escritor, não conheço Doutor Sono, então vou avaliar o filme sem comparação com o livro.

Não é segredo que o filme vem carregado de referências ao primeiro, eu senti uma revisitada à atmosfera do Hotel Overlook, o que deixou uma interessante característica de seguência com muita nostalgia. Por outro lado, um enredo insistindo na repetição de eventos – ocorridos em O Iluminado – estragou muito do mistério e do suspense. Em muitos momentos, percebemos o que está por vir.

É um filme acessível mesmo para não entendedores de King, pois um dos primeiros diálogos resume didaticamente o que significou os eventos no primeiro filme, um resumo qualificado do que ocorreu no hotel. Após essa preparação, vem uma interessante história com outras pessoas iluminadas além do Dan, expandindo esse universo onde todos temos um certo “brilho”, alguns mais conscientes do poder, mas poucos o tendo intensamente. A trama acrescenta um grupo denominado Verdadeiro Nó, que se alimenta de iluminados, liderado pela personagem de Rebecca Ferguson. A história é bem criativa e parece plausível – afinal, vem da cabeça de Stephen King.

Falando no mestre, lembremos que ele reprovou a versão cinematográfica de O Iluminado, comandada por Stanley Kubrick em 1980, por conter divergências com a obra. E agora, o diretor Mike Flanagan coloca Doutor Sono como uma continuação direta da versão de Kubrick. Não procurei saber se o escritor aprovou essa, mas afirmo que houve acerto em explorar bem os enfrentamentos atuais do personagem Dan, saindo do frio do Colorado onde fica o Hotel para encarar o calor atual onde ele vive, na Flórida, com suas batalhas. As batalhas mentais estão bem ilustradas em tela, é o ponto máximo do filme. De brinde, um elenco de destaque: Ewan McGregor misturando vulnerabilidade e maturidade; a garotinha Kyliegh Curran mostrando força e coragem, afinal ela é uma nova protagonista; e Rebecca Ferguson muito boa como uma vilã cruel e sedutora.

Algumas baixas no enredo incomodaram, como decisões com pouco sentido e desculpas para revisitar trechos do primeiro filme. É natural que uma sequência tenha referências, mas ficar muito na sombra de algo que foi muito bem recebido significa que não houve ousadia, parece que o diretor não quis arriscar ou então o roteiro não permitiu. De uma forma ou de outra, faltou ousadia. Uma discussão envolvendo post mortem pode dividir opiniões, mas ao menos justifica o título do filme e deixa sua frase de efeito “a gente continua a existir”.

Tags Relacionadas crítica, crítica Doutor Sono, Doutor Sono, Doutor Sono crítica, Doutor Sono resenha, Ewan McGregor, filmes Stephen King, Kyliegh Curran, Rebecca Ferguson, resenha, resenha Doutor Sono, Stephen King, Stephen King filmes
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

Respire (França, 2014)

Eu indico Respire (França, 2014) Charlie (Joséphine Japy) tem 17

Filmes

Os Vivos e os Mortos

Eu indico The Dead (EUA / Reino Unido / Irlanda,

tonguepunk
Annabelle 2: A Criação do Mal (2017)
Terror

Annabelle 2: A Criação do Mal (2017)

Não podemos negar que o diretor David F. Sandberg conseguiu manter o nível do precursor James Wan, criador de Invocação do Mal e toda essa franquia que também incluí Annabelle e os futuros filmes A Freira e Invocação do Mal 3. A conexão que este filme faz com os anteriores é bem feita, disposta no meio da trama para agradar aos fãs e, para melhorar, esse filme é infinitamente superior ao primeiro Annabelle, que não agradou. É o mesmo diretor de Quando as Luzes se Apagam, que merece ser visto também. O roteiro é do mesmo do primeiro Annabelle, Gary Daubermann. E, é claro, James Wan está na produção, cuidando de seu legado.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário