Search

Você pode gostar disso:

Um livro de cinema: “Surpeendente!”, de Maurício Gomyde
Filmes Na pré Suspense Terror

Um livro de cinema: “Surpeendente!”, de Maurício Gomyde

Veja neste especial 5 motivos para você não deixar de ler! Quatro amigos fazem uma road trip até Pirenópolis, em Goiás, para produzir um filme. Pedro é o diretor, apaixonado por cinema e atormentado por um segredo que decide esconder dos amigos, ele está convencido de que tem a missão de usar o cinema como instrumento para melhorar o mundo.

laughing
X-Men: Fénix Negra (2019)
Filmes Na pré Suspense Terror

X-Men: Fénix Negra (2019)

Jean Grey começa a desenvolver incríveis poderes que a corrompem e a transformam em uma Fênix Negra. Agora, os X-Men precisam decidir se a vida de um membro da equipe vale mais do que todas as pessoas do mundo. Dirigido por Simon Kinberg em sua estreia como diretor de um filme e que também assina o roteiro, até que ele conseguiu reforçar os dilemas dos mutantes e contextualizar bem o enredo num cenário de início da década de 90.

coolcryingstar
Cinema Paradiso (Itália, 1988)
Filmes Na pré Suspense Terror

Cinema Paradiso (Itália, 1988)

O filme conta a história de uma amizade entre um garoto (Totó) e um projecionista (Alfredo), além do amor de ambos pelo cinema, na figura do chamado Cinema Paradiso, onde Alfredo trabalhava. Já adulto, Salvatore Di Vita (Totó) é um cineasta bem-sucedido e vive em Roma. Ele recebe um telefonema de sua mãe avisando que Alfredo faleceu, e isso traz lembranças de sua infância e, principalmente, do Cinema Paradiso.

tongueangrypunk

Nós (Us, 2019)

Us (EUA, 2019)

Após o excelente Corra! (Get Out, 2017) que chegou a ganhar o Oscar de melhor roteiro original, conquistando por levantar a questão racial dentro de um filme de terror, altas expectativas foram levantadas a respeito deste novo filme do Jordan Peele. E, mais uma vez, o diretor, roteirista e produtor acerta em cheio. Ele entrega um ótimo filme de horror, mais um suspense, que incomoda pela crítica social embutida nas cenas tensas e bom teor de violência.

Não gosto de arriscar comparar com o filme Corra! Este novo filme mantem a marca impressa pelo diretor deste o anterior e ainda consegue surpreender àqueles que apostaram em mais um filme de terror com doses de comédia fazendo outra crítica com a questão racial. Contudo, ele tem outro viés não menos interessante. Da lógica que o trailer entrega, em enfrentarmos o nosso maior inimigo (uma versão maléfica de nós mesmos), para o que se apresenta no filme, existe uma expansão, assim não estamos diante de mais um filme no qual o trailer entrega o que há de melhor. Precisa ser visto sem desculpas!

Existe uma violência a domicílio forte na trama, que parece não acabar mais desde que a situação toma forma e isso é bom para manter o espectador desperto. Um verdadeiro Survivor Movie! As mulheres arrasam nas cenas mais fortes e a atuação de Lupita Nyong’o é impressionante, seja na forma normal ou na forma maléfica. Ela sabe ser carismática na protagonista e aterrorizante na antagonista. Todo o elenco está muito bom, até o pai da família (Winston Duke) que é o alívio cômico. Uma atenção especial para a coadjuvante de peso Elisabeth Moss, que já havia ficado no topo com sua atuação na série O Conto da Aia (The Handmaid’s Tale).

Tentando explicar a dimensão do roteiro e citando algumas referências que o filme faz – SPOILER SEM REVELAÇÕES (NÃO VOU ENTREGAR O FINAL):

Existe um apelo para voltarmos a atenção para os nossos próprios defeitos. “Find Yourself” é o nome da atração no parque de diversões do filme (por sinal, muito legal o uso da sala dos espelhos). Na figura das cópias dos personagens que são uma espécie de desfavorecidos, espelhados em nós que, no final das contas, poderíamos ter nascido na pele de qualquer pessoa desfavorecida, seja por questão de renda, racismo ou preconceito… a questão da segregação é fácil de perceber, assim como uma crítica a nossa sociedade que encontra uma zona de conforto com certos privilégios e passa a se sentir ameaçada nessa trama. E isso tudo culmina em violência… que gera mais violência.

Além disso possui referências banacas a Thriller, de Michael Jackson, ao filme clássico de horror Tubarão (1975), de Steven Spielberg e provavelmente a outros que não devo ter percebido. É só prestar atenção nas camisetas de alguns personagens. Também existe uma citação do filme Esqueceram de Mim que soa como piada, afinal trata-se de um filme que representa uma família americana rica e privilegiada.

“Portanto assim diz o Senhor: ‘Eis que trarei mal sobre eles, de que não poderão escapar; e clamarão a mim, mas eu não os ouvirei.'”
Jeremias, 11:11

Tags Relacionadas crítica, crítica nós, crítica us, Elisabeth Moss, filme 2019, filme nós, filme terror, filme us, Jordan Peele, Lupita Nyongo, resenha, resenha nós 2019, resenha us 2019
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

cryingtongue
A Cabana (2017)
Primeiro Aqui

A Cabana (2017)

Um homem vive atormentado após perder a sua filha mais nova, cujo corpo nunca foi encontrado, mas sinais de que ela teria sido violentada e assassinada são encontrados em uma cabana nas montanhas. Anos depois da tragédia, ele recebe um chamado misterioso para retornar a esse local, onde ele vai receber uma lição de vida. Dirigido por Stuart Hazeldine.

clownsecret
O Homem que Engarrafava Nuvens (Brasil, 2009)
Filmes

O Homem que Engarrafava Nuvens (Brasil, 2009)

Documentário nacional que conta a história do baião através da ascensão e queda de um de seus maiores expoentes, o letrista e compositor Humberto Teixeira, conhecido como o "doutor do baião". Responsável por clássicos como "Asa Branca" e "Adeus Maria Fulô", Teixeira atingiu o estrelato nos anos 50 mas acabou quase esquecido. Na década seguinte, com o surgimento da bossa nova, o baião quase caiu na obscuridade. Dirigido por Lírio Ferreira.

clowntongue
Sou Carnaval de São Salvador (Brasil, 2018)
Na pré

Sou Carnaval de São Salvador (Brasil, 2018)

Não tem como ser baiano e não se emocionar com esse documentário, mesmo não sendo folião. Rico em conteúdo, mostra a história da Bahia, a história da cidade de Salvador, nosso povo, e vai se encaixando com a história e transformação da festa. O conteúdo histórico vai surpreender a muitos. O ponto de vista do povo valida as palavras do narrador através de depoimentos e atitudes mostrados em tela. Comerciantes que trabalham durante a festa, foliões, artistas, mas principalmente esse povo que fica na pipoca. As rápidas entrevistas foram bem selecionadas e bem naturais, muitas divertidas a nos arrancar gargalhadas do nada. Dirigido por Márcio Cavalcante.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário