Search

Você pode gostar disso:

laughingpunk
Águas rasas (2016)
Filmes Na pré Suspense Terror

Águas rasas (2016)

Nancy (Blake Lively) é uma jovem médica que está tendo de lidar com a recente perda da mãe. Seguindo uma dica sua, ela vai surfar em uma paradisíaca praia isolada, onde acaba sendo atacada por um enorme tubarão. Desesperada e ferida, ela consegue se proteger temporariamente em um recife de corais, mas precisa encontrar logo uma maneira de sair da água. Dirigido por Jaume Collet-Serra.

cryingmoney
Sentidos do Amor (2011)
Filmes Na pré Suspense Terror

Sentidos do Amor (2011)

Susan (Eva Green) é uma estudiosa epidemiologista em crise com o amor. Ao conhecer o sedutor Michael (Ewan McGregor), um talentoso chefe de cozinha, tenta resistir, mas logo acaba rendendo-se. No entanto, enquanto a paixão do casal aumenta, uma misteriosa pandemia se espalha pelo mundo. Dirigido por David Mackenzie.

cryingangry
Lembranças de um Verão (Hearts in Atlantis, 2001)
Filmes Na pré Suspense Terror

Lembranças de um Verão (Hearts in Atlantis, 2001)

Após a morte de um amigo, Bob Garfield visita sua cidade quando era uma criança e começa a relembrar seu passado. Nessa época, quando tinha apenas 11 anos, apareceu em sua vida um senhor misterioso chamado Ted Brautigan. Entretanto, é com a amizade e atenção de Ted que Bobby aprende a ter uma outra visão de seu falecido pai, bem como as possibilidades que a vida lhe oferecia na época. Escrito por William Goldman e dirigido por Scott Hicks.

tongueangrypunk

Nós (Us, 2019)

Us (EUA, 2019)

Após o excelente Corra! (Get Out, 2017) que chegou a ganhar o Oscar de melhor roteiro original, conquistando por levantar a questão racial dentro de um filme de terror, altas expectativas foram levantadas a respeito deste novo filme do Jordan Peele. E, mais uma vez, o diretor, roteirista e produtor acerta em cheio. Ele entrega um ótimo filme de horror, mais um suspense, que incomoda pela crítica social embutida nas cenas tensas e bom teor de violência.

Não gosto de arriscar comparar com o filme Corra! Este novo filme mantem a marca impressa pelo diretor deste o anterior e ainda consegue surpreender àqueles que apostaram em mais um filme de terror com doses de comédia fazendo outra crítica com a questão racial. Contudo, ele tem outro viés não menos interessante. Da lógica que o trailer entrega, em enfrentarmos o nosso maior inimigo (uma versão maléfica de nós mesmos), para o que se apresenta no filme, existe uma expansão, assim não estamos diante de mais um filme no qual o trailer entrega o que há de melhor. Precisa ser visto sem desculpas!

Existe uma violência a domicílio forte na trama, que parece não acabar mais desde que a situação toma forma e isso é bom para manter o espectador desperto. Um verdadeiro Survivor Movie! As mulheres arrasam nas cenas mais fortes e a atuação de Lupita Nyong’o é impressionante, seja na forma normal ou na forma maléfica. Ela sabe ser carismática na protagonista e aterrorizante na antagonista. Todo o elenco está muito bom, até o pai da família (Winston Duke) que é o alívio cômico. Uma atenção especial para a coadjuvante de peso Elisabeth Moss, que já havia ficado no topo com sua atuação na série O Conto da Aia (The Handmaid’s Tale).

Tentando explicar a dimensão do roteiro e citando algumas referências que o filme faz – SPOILER SEM REVELAÇÕES (NÃO VOU ENTREGAR O FINAL):

Existe um apelo para voltarmos a atenção para os nossos próprios defeitos. “Find Yourself” é o nome da atração no parque de diversões do filme (por sinal, muito legal o uso da sala dos espelhos). Na figura das cópias dos personagens que são uma espécie de desfavorecidos, espelhados em nós que, no final das contas, poderíamos ter nascido na pele de qualquer pessoa desfavorecida, seja por questão de renda, racismo ou preconceito… a questão da segregação é fácil de perceber, assim como uma crítica a nossa sociedade que encontra uma zona de conforto com certos privilégios e passa a se sentir ameaçada nessa trama. E isso tudo culmina em violência… que gera mais violência.

Além disso possui referências banacas a Thriller, de Michael Jackson, ao filme clássico de horror Tubarão (1975), de Steven Spielberg e provavelmente a outros que não devo ter percebido. É só prestar atenção nas camisetas de alguns personagens. Também existe uma citação do filme Esqueceram de Mim que soa como piada, afinal trata-se de um filme que representa uma família americana rica e privilegiada.

“Portanto assim diz o Senhor: ‘Eis que trarei mal sobre eles, de que não poderão escapar; e clamarão a mim, mas eu não os ouvirei.'”
Jeremias, 11:11

Tags Relacionadas crítica, crítica nós, crítica us, Elisabeth Moss, filme 2019, filme nós, filme terror, filme us, Jordan Peele, Lupita Nyongo, resenha, resenha nós 2019, resenha us 2019
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

coolcrying
Agonia e Êxtase (1965)
Clássico

Agonia e Êxtase (1965)

Preocupado com o legado que deixaria para as gerações futuras, o Papa Júlio II (Rex Harrison) resolve contratar o artista Michelangelo (Charlton Heston) para pintar o teto da Capela Sistina. O artista se nega, mas logo é forçado pelo pontífice a fazê-lo. A partir daí, começam as disputas entre Michelangelo e o papa à respeito do projeto. Dirigido por Carol Reed.

Filmes

Ondas do destino (Dinamarca, 1996)

Eu indico Breaking the Waves (Dinamarca, 1996) No norte da

Filmes

Depois da Chuva (Ame agaru)

Eu indico Depois da Chuva (Japão, 1999) Misawa é um

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário