Search

Você pode gostar disso:

Ação Filmes Primeiro Aqui

Tudo o que Desejamos (França, 2011)

Eu indico Toutes nos Envies (França, 2011) Casada e mãe

happy
Top 10 dia da mulher: musas do cinema
Ação Filmes Primeiro Aqui

Top 10 dia da mulher: musas do cinema

Parabéns a todas as mulheres neste dia 08 de março de 2017! Quero homenagear destacando as minhas 10 maiores musas do cinema, excelentes atrizes e deslumbrantes mulheres, cada uma em um papel marcante

cryingtongue
Bohemian Rhapsody (2018)
Ação Filmes Primeiro Aqui

Bohemian Rhapsody (2018)

Rami Malek é o ator do ano! O cara está tão bom que chega a assustar. Ele canta em algumas cenas, mas é no grande palco que se torna a encarnação de Freddie Mercury, principalmente no clímax do filme, cantando ou dublando e se mexendo daquele jeito, com toda a performance do artista a ponto de chegarmos a acreditar que estamos assistindo a um show do Queen no telão, para só depois despertarmos e percebermos que é uma encenação. A respeito do artista Freddie Mercury e da banda Queen, Bryan Singer faz bonito demais e celebra de forma emocionante a trajetória da banda, tendo o Freddie Mercury como principal na história.

laughing

X-Men: Fénix Negra (2019)

Dark Phoenix (EUA, 2019)

Tenho um apreço e simpatia elevados pelos X-Men, por conta da proposta de mutantes na Terra e todos os percalços da convivência com outros seres humanos. É uma história bem rica e com personagens legais. Vejo muito valor em terem sido produzidos vários filmes sobre esse universo, mesmo a maioria não ter sido tão boa quanto foram X-Men: Primeira Classe (2011) e Dias de um Futuro Esquecido (2014). Este último episódio da franquia que foi repaginada a partir do excelente Primeira Classe infelizmente não é uma conclusão épica, nem um filme excelente. Mas talvez tenha sido o que mais se aproximou dos dois melhores.

Dirigido por Simon Kinberg em sua estreia como diretor de um filme e que também assina o roteiro, até que ele conseguiu reforçar os dilemas dos mutantes e contextualizar bem o enredo num cenário de início da década de 90. A saga da Fênix Negra não é uma história complicada de entender, mas é um evento muito importante na vida dos X-Men e uma grande ameaça a toda forma de vida no universo. Um acerto no filme foi focar nas emoções da personagem Jean Grey (interpretada pela Sansa… ops… pela Sophie Turner) mostrando como essas emoções são intensificadas quando a Fênix toma força. Ela vira puro “desejo”, desejo pela dor, medo, intensificando seus poderes a partir das emoções.

O filme deu um bom foco às cenas de ação, as lutas entre os mutantes é divertida e a presença de Magneto (Michael Fassbender) e Professor Xavier (James McAvoy) nas cenas de ação é o ponto alto do filme. Mais uma vez essa dupla de atores manifesta ótima interpretação em seus papéis. Jessica Chastain, como a verdadeira vilã, está ótima, bem convincente principalmente na expressão corporal e nas falas, já que é uma criatura que se apossou de um corpo humano. Acho que ela ofuscou um pouco a atriz Sophie Turner por conta da experiência em tela.

O filme deve dividir bastante as opiniões e eu escolhi o lado daqueles que se decepcionaram com o resultado. O trailer entrega demais, o resultado não vai muito além da propaganda e a HQ merecia um final muito mais grandioso e épico dessa temporada. Por outro lado, neste universo ainda existe a salvação! E logo por quem? Deadpool! Estou falando sério, viu?

Tags Relacionadas crírica Fénix Negra, crítica, Fénix Negra, filme x-men, filmes x-men, Michael Fassbender, resenha, resenha Fénix Negra, x men, X-Men: Fénix Negra
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

cryingtonguemoney
Em Busca de Fellini (2017)
Filmes

Em Busca de Fellini (2017)

Lucy, uma garota tímida da pequena cidade de Ohio, EUA, ama filmes e acaba conhecendo o trabalho único de Federico Fellini, um dos mais importantes diretores italianos, responsável por filmes como A Doce Vida (1960), Oito e meio (1963), Amarcord (1973), A Estrada da Vida (1954) e Noites de Cabíria (1957). Lucy está tendo problemas em encarar a realidade e acaba embarcando numa viagem estranha e bonita pela Itália para encontrar Fellini. Ao longo do caminho ela descobre muito além do que esperou. Dirigido por Taron Lexton.

Filmes

O Atalante (França, 1934)

Eu indico L’Atalante (França, 1934) Jean (Jean Dasté), jovem capitão

Filmes

Um dia, um gato (Checoslováquia, 1963)

Eu indico Az prijde kocour (Checoslováquia, 1963) Um contador de

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário