Search

Você pode gostar disso:

Cineclube Fruto do Mato
Destaques Drama Filmes Na pré Nacional

Cineclube Fruto do Mato

Você sabia que exite um cineclube voltado para o cinema baiano, onde filmes premiados começaram a ser exibidos desde fevereiro deste ano de 2017, na cidade de Lençóis, Chapada Diamantina, bem no coração da Bahia?

confusedcryingmoney
Azul é a cor mais quente (França, 2013)
Destaques Drama Filmes Na pré Nacional

Azul é a cor mais quente (França, 2013)

Adèle é uma garota de 15 anos que descobre, na cor azul dos cabelos de Emma, sua primeira paixão por outra mulher. Sem poder revelar a ninguém seus desejos, ela se entrega por completo a este amor secreto, enquanto trava uma guerra com sua família e com a moral vigente. Dirigido por Abdellatif Kechiche.

cryingtongue
Era uma Vez em… Hollywood (2019)
Destaques Drama Filmes Na pré Nacional

Era uma Vez em… Hollywood (2019)

Tarantino nos joga na Hollywood do final da década de 1960 num filme que é muitas coisas, inclusive um filme pessoal, pois nesta época ele tinha 6 anos de idade e já admirava a Hollywood que enxergava.

cryingtonguesecret

O Homem Cordial (Brasil, 2019): a cordialidade mandou lembranças!

O Homem Cordial (Brasil, 2019): resenha

Paulo Miklos em O Homem Cordial (Brasil, 2019)

Há quase um ano atrás estive no Festival de Gramado, em sua 47° edição. Na noite de abertura esse filme de Iberê Carvalho, O Homem Cordial (Brasil, 2019), foi exibido juntamente com o gigante popular Bacurau (Brasil, 2019). Então, neste momento, procuro relembrar o filme do Iberê Carvalho (roteiro do próprio Iberê e de Pablo Stoll) e trazer minha percepção do que foi uma excelente experiência cinematográfica.

No festival supracitado, o filme levou o prêmio de melhor ator para Paulo Miklos. O ex-vocalista dos Titãs protagoniza o filme brilhantemente, deixando os concorrentes sem muita chance. Além disso, levou como Melhor Trilha Musical (Sascha Kratzer), o que é interessante pelo fato da música fazer parte do enredo. A situação da pandemia tem segurando a estreia do filme nas salas cinemas, mas não impediu que ele recebesse outros prêmios, alguns recentes como o de Melhor Filme e Melhor Ator no Barcelona Indie Filmakers Festival.

Vejamos então a sinopse e comentários sobre O Homem Cordial (Brasil, 2019)

Após um vídeo viralizar na Internet, Aurélio (Paulo Miklos) passa a ser responsabilizado pela morte de um policial. Aurélio faz parte de uma banda punk de sucesso nos anos 1980 e precisa enfrentar uma onda de indignação popular após o ocorrido.

A experiência de assistir O Homem Cordial não é contemplativa, no sentido de ver, assimilar, relaxar. Aqui acompanhamos algumas horas, quase em tempo real, na vida desse personagem após o evento estopim. Capturado pelo olhar de estranhos que assistem ao caso e a seus desdobramentos através das redes sociais, ele é julgado sem muito filtro e perseguido. Analogamente, entra em cena a polícia indignada pelo fato de um colega ter sido assassinado.

Além do mais, no quesito técnico, o enquadramento persegue Aurélio como se ele estivesse num survivor game, testando o personagem no viés reativo para com as situações e Paulo Miklos no quesito interpretativo de seu personagem. Papel difícil, atuação caprichada. Decerto que esse formato absorve bem o espectador para o cenário fictício e tortura; sabemos o quanto a proposta é real e factível e pode acontecer constantemente em nosso dia a dia.

A cordialidade mandou lembranças!

O brasileiro, o ser humano em geral, é realmente cordial? Somos dominados por impulsos e passamos do que seria a cordialidade para a raiva e hostilidade. Nessa época onde as redes sociais influenciam rapidamente a maioria das pessoas, essa transformação da mansidão para o ódio é acelerada. E o filme segue essa cadência de hostilidades que vão ficando mais intensas, cena a cena, até um desfecho pesado e necessário, onde um tapa na cara seguido de amargura é pouco. Ademais, numa determinada cena, um policial de maior escalão, num momento de abuso de poder, ainda se permite fazer um discurso sobre prepotência.

O Homem Cordial (Brasil, 2019): resenha

Cartaz do filme O Homem Cordial (Brasil, 2019)

Tags Relacionadas crítica O Homem Cordial, filme Iberê Carvalho, filme nacional, filme O Homem Cordial, filme Paulo Miklos, filmes Iberê Carvalho, filmes Paulo Miklos, Iberê Carvalho, O Homem Cordial, O Homem Cordial 2019, Paulo Miklos, resenha O Homem Cordial
Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

O Desaparecimento de Eleanor Rigby (EUA, 2013)

Eleanor (Jessica Chastain) e Connor (James McAvoy) são dois jovens

Filmes

L’Apollonide: Os Amores da Casa de Tolerância

Eu indico L’Apollonide: Souvenirs de la Maison Close (França, 2011)

tongue
Frozen 2 (2019)
Filmes

Frozen 2 (2019)

De volta à infância de Elsa e Anna, as duas garotas descobrem uma história do pai, quando ainda era príncipe de Arendelle. Ele conta às meninas a história de uma visita à floresta dos elementos, onde um acontecimento inesperado teria provocado a sepaação dos habitantes da cidade com os quatro elementos fundamentais: ar, fogo, terra e água. Esta revelação ajudará Elsa a compreender a origem de seus poderes. Dirigido por Jennifer Lee e Chris Buck.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário