Search

Você pode gostar disso:

cryingstarmoustacheangry
A Chegada (2016)
Ação Destaques Filmes

A Chegada (2016)

Louise Banks é uma linguista convocada pelo governo americano para um grande desafio incomum: dialogar com alienígenas de uma das doze naves que pousaram no planeta terra. No entanto, a resposta para todas as perguntas e mistérios pode ameaçar a vida de Louise e a existência de toda a humanidade. Dirigido por Denis Villeneuve.

Ação Destaques Filmes

Amar é Sofrer (The Country Girl, 1954)

Eu indico The Country Girl (EUA, 1954) O esquecido ator

moustachetongueangrypunk
Doutor Sono (2019)
Ação Destaques Filmes

Doutor Sono (2019)

Ainda extremamente marcado pelo trauma que sofreu quando criança no Hotel Overlook, Dan Torrance já adulto encontra Abra, uma adolescente corajosa com um dom como o seu. Ao reconhecer instintivamente que Dan compartilha seu poder, Abra pede ajuda contra a impiedosa Rose Cartola e seus seguidores do grupo Verdadeiro Nó, que se alimentam do Brilho de inocentes visando a imortalidade. Dirigido por Mike Flanagan.

laughing

Dredd (Reino Unido, 2012)

Resenha: Dredd (2012)

Dredd (Reino Unido / Índia / EUA , 2012)

120 anos no futuro, o Juiz Dredd (Karl Urban) é o mais temido da elite de juízes nas ruas de Mega City One, onde acumula os cargos de polícia, juiz, júri e executor. Os juízes do futuro mantêm a ordem nessa cidade densamente povoada.

Policial, juiz, júri e executor  – “I am the law”

Ainda tem quem confunda com a lástima de 1995, filme com Sylvester Stallone, que precisa ser completamente esquecido. Este outro longa, de 2012, dirigido por Pete Travis, é considerado bem fiel ao gibi Juiz Dredd, criado no Reino Unido por John Wagner e Carlos Ezquerra. O personagem apareceu pela primeira vez em 1977, na revista “2000 AD”.

O filme tem um clima pesado, cenários de um futurismo mais acabado, ruas não muito agradáveis e população pobre e entregue aos estragos da criminalidade e drogas. A fotografia optada deixou cenários com cores interessantes, lembrando provavelmente os cenários da HQ. A censura de 18 anos faz jus à ultraviolência que a HQ já expressava. Mais ainda, o jeito do personagem em lidar com as situações, até no uso de suas frases formadas, deixa uma marca e um confronto característico para com as gangues de Mega City One.

O ator Karl Urban ficou ótimo como Dredd, mesmo o espectador enxergando somente uma parte do rosto dele (da ponta do nariz até o pescoço). A forte personalidade, que em algumas cenas assusta pelo autocontrole de dar inveja, nos faz acreditar que estamos diante de um ser não humano, que não é o caso. O que ele decide tem que ser executado, não há arrependimento, dúvida e nem erro, nem existe aflição antes de tomar uma decisão. Lida com qualquer situação de acordo com seus princípios ferrenhos, embasados na rígida lei. Chega ao ponto de não acreditarmos ao ver o personagem fazendo cara de dor numa cena.

Não deixa de ser um filme de personagem, o que agrada aos fãs. Também é um filme que se passa, boa parte da trama, num ambiente fechado. A maior parte da ação fica isolada num prédio de 200 andares e ocorre praticamente em tempo real. O prédio, sofisticado para batalha, é uma espécie de favela vertical. Situação bem desvantajosa para os protagonistas e, mesmo assim, Dredd mantém seu equilíbrio mental, inclusive testando a sua parceira novata Cassandra Anderson (Olivia Thirlby). É interessante perceber o contraste do comportamento do juiz em relação ao comportamento da novata.

A ação em si

Algumas cenas mostram o ponto de vista dos bandidos, inclusive em vantagem sob efeito de uma droga. Contudo,  mais legal ainda é conferir os diferentes tipos de arma que Dredd carrega o tempo todo, inclusive sua pistola que muda o tipo de munição (fogo, tiro silencioso, tiro perfurante, etc) diante do comando de sua voz, sem contar a sua moto que possui uma gravação que é usada para orientar a população ao redor a fim de minimizar possíveis vítimas. Temos espaço também para personagens com poderes paranormais, com direito a uma batalha mental.

Dredd foi fiel ao material original e passou a sua mensagem. No universo de Judge Dredd, a extrema violência presente na acabada cidade futurista Mega City One levou à criação dos Juízes. Num futuro caótico onde qualquer falha pode permitir que a criminalidade domine a cidade, o implacável juiz cumpre um papel fundamental, se sustentando nas suas habilidades de combate e no seu forte controle emocional. Será que chegaremos a um futuro onde esse tipo de policial juiz precisará existir?

Tags Relacionadas crítica dredd, dredd, dredd filme, filme dredd, filme juíz dredd, juíz dredd, Karl Urban, resenha dredd
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

confusedangry
Lady Vingança (“Chinjeolhan geumjassi”)
Filmes

Lady Vingança (“Chinjeolhan geumjassi”)

Dirigido por Chan Wook Park, este é um dos filmes da Trilogia da Vingança. Geum-ja passou os últimos 13 anos na cadeia, devido ao cruel assassinato de um garoto de 7 anos. Durante esse período, ela planeja sua vingança contra o sujeito que a obrigou a assumir a culpa pelo crime.

angry
O homem que incomoda (Islândia/Noruega, 2006)
Filmes

O homem que incomoda (Islândia/Noruega, 2006)

Andreas desembarca numa cidade estranha sem lembrar como chegou ali. É recebido de forma cordial e inicia uma vida regrada, com trabalho, casa e até uma mulher encantadora. Mas rapidamente percebe que tem alguma coisa errada neste mundo perfeito. As pessoas não parecem sentir emoções genuínas e só falam de trivialidades. Dirigido por Jens Lien.

moustachetonguepunk
Brightburn – Filho das Trevas (2019)
Primeiro Aqui

Brightburn – Filho das Trevas (2019)

Quando uma criança alienígena cai no terreno de um casal da parte rural dos Estados Unidos, eles decidem criar o menino como seu filho. Porém, ao começar a descobrir seus poderes, ao invés de se tornar um herói para a humanidade, ele passa a aterrorizar a pequena cidade onde vive, se tornando uma força obscura na Terra. Dirigido por David Yarovesky.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário