Search

Você pode gostar disso:

angelcrying
A festa de despedida (Israel, 2015)
Drama Filmes Na pré Nacional

A festa de despedida (Israel, 2015)

Um grupo de amigos em uma casa de repouso em Jerusalém constrói uma máquina de auto-eutanásia, a fim de ajudar um amigo em estado terminal. Quando os rumores sobre a máquina começam a se espalhar, mais e mais pessoas começam a se interessar pela ideia de partir dessa para uma melhor, e o grupo de amigos se questiona se o que estão fazendo é a coisa certa. Dirigido por Tal Granit e Sharon Maymon.

coolcryingstar
Assim Caminha a Humanidade (“Giant”, 1956)
Drama Filmes Na pré Nacional

Assim Caminha a Humanidade (“Giant”, 1956)

O filme conta a história de Leslie (Elizabeth Taylor), Bick (Rock Hudson) e Jett (James Dean). Bick conheceu Leslie quando foi a casa do pai dela comprar um cavalo premiado e os dois se apaixonaram. Eles se casam e vão para o Texas - terra de Bick - e lá constroem sua família, no rancho Reata. Ali perto mora Jett, que de certa forma é inimigo de Bick. A cada dia que passa os dois continuam se odiando, ainda mais quando Jett enriquece e se torna um magnata do petróleo. O filme aborda claramente a intolerância racial e é um épico imbatível que explora o assunto e defende o fim do racismo.

Drama Filmes Na pré Nacional

Helter Skelter (EUA, 2004)

Eu indico Helter Skelter (EUA, 2004) O filme mostra a

cryingtonguesecret

A Vida Invisível (Brasil, 2019)

A Vida Invisível (Brasil, 2019)

Existe um conflito entre a mulher e o patriarcado que é histórico e universal. Aqui, ele se mostra muito presente numa família brasileira, no final da década de 1940, que possui duas filhas. O diretor Karim Aïnouz, de Madame Satã (2002) e Praia do Futuro (2014), destaca a força das mulheres num filme baseado no romance “A vida invisível de Eurídice Gusmão”, de Martha Batalha. A Eurídice Gusmão do título da obra é uma das personagens que divide o protagonismo com a sua irmã Guida, interpretadas respectivamente por Carol Duarte e Julia Stockler.

Propositalmente carregado de drama e cenas de sofrimento, contudo numa dosagem tranquila de assistir, é como se Karim tivesse extraído a parte que vale a pena das melhores novelas brasileiras. A narrativa alterna entre a vida de Eurídice e Guida, após a separação delas por conta de uma mentira cruel. Existe um elo de ligação lindo entre as duas, a todo momento procurando se encontrar de novo, representando uma luta, uma força, contra uma sociedade conservadora e machista que as afasta, assim como esse tal destino. Ao mesmo tempo, essa separação faz com que cada uma encontre outras pessoas tentando sobreviver na mesma sociedade. Separadas, elas se sentem mulheres sozinhas no mundo, mas não estão, principalmente a Guida que foi expulsa da família e acaba encontrando outra.

Não somente a dosagem do melodrama é tranquila, mas também é honesta. A forma como é abordado o machismo no filme não contém exageros. Não envereda pela violência física e emocional, mas pela forma como as relações são mostradas. Uma mãe que só consegue ser a sombra do marido, uma mulher que aceita ser aquela que vai servir a mesa e lavar os pratos, um homem que não acredita que sua esposa pode correr atrás do próprio sonho. Assim também são as cenas de sexo, em sua maioria não dá prazer em ver, são naturais demais e reforçam a realidade onde as personagens se encontram.

O que Bacurau (de Kleber Mendonça Filho) tem de ousado e focado, este aqui tem de delicado e universal.

Apesar de atuações esforçadas e acima da média, em personagens marcantes, nenhuma das atrizes principais chama a atenção como poderia. Já os coadjuvantes, em sua maioria, estão sublimes. Gregorio Duvivier, como o marido de Eurídice, está muito bem no papel. Destaque maior ainda para Bárbara Santos, famosa em teatros e que faz aqui seu primeiro papel num filme, como Filomena (tia Filó), uma mulher forte, figura marcante numa atuação de muito destaque. Nenhum personagem foi desperdiçado.

Enfim, o grande momento, como esperado, foi de Fernanda Montenegro. Não tenho palavras para descrever sua presença em tela, mesmo tendo sido pontual. Ele vem com toda sua experiência na cena que considero a mais importante e emocionante do filme. A melhor atuação feminina do ano. Mesmo que você se canse lá pela metade do filme, afinal são 2 horas e 20 minutos, aguarde para ver a Fernanda e conferir também um final sublime, muito bonito. Encantador. Delicado.

Tags Relacionadas A vida invisível, A vida invisível filme, crítica A vida invisível, Eurídice Gusmão, Fernanda Montenegro, filme A vida invisível, Karim Aïnouz, resenha A vida invisível
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

As Aventuras do Príncipe Achmed (Alemanha, 1926)

Eu indico As Aventuras do Príncipe Achmed (Alemanha, 1926) Um

tongueangrypunk
Um Lugar Silencioso (2018)
Na pré

Um Lugar Silencioso (2018)

Um Lugar Silencioso é um filme de terror que se sustenta tanto no suspense psicológico (algo que percebemos de cara ao ver o trailer) quanto nas boas cenas de susto que são apresentadas. Mas o conteúdo de destaque está na metáfora que exprime. São apenas 90 minutos de duração, mas prepare-se para ficar incomodado quase o filme inteiro, já que este ficou na linha dos filmes curtos e ótimos. Dirigido por John Krasinski.

cryingsecret
Deslembro (Brasil, 2018)
Drama

Deslembro (Brasil, 2018)

A diretora Flavia Castro fez um filme bem pessoal. Ela se inspirou após fazer Diário de uma Busca (2010), documentário onde investiga a morte do próprio pai, militante político e também vítima da ditadura. Ela informou, em entrevista, que queria falar de memória, só que a memória do contexto no qual cresceu.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário