Search

Você pode gostar disso:

laughingmoustache
Maze Runner – Correr ou Morrer (2014)
Drama Filmes Na pré Nacional

Maze Runner – Correr ou Morrer (2014)

Ao acordar dentro de um escuro elevador em movimento, Thomas (Dylan O'Brien) chega à “Clareira”, se vendo rodeado por garotos que o acolhem. O local é um espaço aberto cercado por muros gigantescos. Assim como Thomas, nenhum deles sabe como foi parar ali, nem por quê. Sabem apenas que todas as manhãs as portas de pedra do Labirinto que os cerca se abrem, e, à noite, se fecham. E que a cada trinta dias um novo garoto é entregue pelo elevador. Dirigido por Wes Ball e roteiro de Noah Oppenheim.

Drama Filmes Na pré Nacional

Deixa Ela Entrar (“Låt den Rätte Komma In”, Suécia, 2007)

Eu indico Deixa Ela Entrar (Suécia, 2007) O filme conta

Museu do cinema em Nova York
Drama Filmes Na pré Nacional

Museu do cinema em Nova York

Você sabia que em Nova York existe um dos melhores museus do cinema? Em 2015, aproveitei a viagem para conhecer o Museum of the Moving Image, que fica no Queens. É o único museu nos Estados Unidos dedicado a “imagens em movimento”. Por isso, muitas exibições relacionadas a cinema pode ser vistas. Provavelmente é um dos melhores museus sobre cinema do mundo. Vejam algumas fotos que tirei no museu.

cryingtonguesecret

A Vida Invisível (Brasil, 2019)

A Vida Invisível (Brasil, 2019)

Existe um conflito entre a mulher e o patriarcado que é histórico e universal. Aqui, ele se mostra muito presente numa família brasileira, no final da década de 1940, que possui duas filhas. O diretor Karim Aïnouz, de Madame Satã (2002) e Praia do Futuro (2014), destaca a força das mulheres num filme baseado no romance “A vida invisível de Eurídice Gusmão”, de Martha Batalha. A Eurídice Gusmão do título da obra é uma das personagens que divide o protagonismo com a sua irmã Guida, interpretadas respectivamente por Carol Duarte e Julia Stockler.

Propositalmente carregado de drama e cenas de sofrimento, contudo numa dosagem tranquila de assistir, é como se Karim tivesse extraído a parte que vale a pena das melhores novelas brasileiras. A narrativa alterna entre a vida de Eurídice e Guida, após a separação delas por conta de uma mentira cruel. Existe um elo de ligação lindo entre as duas, a todo momento procurando se encontrar de novo, representando uma luta, uma força, contra uma sociedade conservadora e machista que as afasta, assim como esse tal destino. Ao mesmo tempo, essa separação faz com que cada uma encontre outras pessoas tentando sobreviver na mesma sociedade. Separadas, elas se sentem mulheres sozinhas no mundo, mas não estão, principalmente a Guida que foi expulsa da família e acaba encontrando outra.

Não somente a dosagem do melodrama é tranquila, mas também é honesta. A forma como é abordado o machismo no filme não contém exageros. Não envereda pela violência física e emocional, mas pela forma como as relações são mostradas. Uma mãe que só consegue ser a sombra do marido, uma mulher que aceita ser aquela que vai servir a mesa e lavar os pratos, um homem que não acredita que sua esposa pode correr atrás do próprio sonho. Assim também são as cenas de sexo, em sua maioria não dá prazer em ver, são naturais demais e reforçam a realidade onde as personagens se encontram.

O que Bacurau (de Kleber Mendonça Filho) tem de ousado e focado, este aqui tem de delicado e universal.

Apesar de atuações esforçadas e acima da média, em personagens marcantes, nenhuma das atrizes principais chama a atenção como poderia. Já os coadjuvantes, em sua maioria, estão sublimes. Gregorio Duvivier, como o marido de Eurídice, está muito bem no papel. Destaque maior ainda para Bárbara Santos, famosa em teatros e que faz aqui seu primeiro papel num filme, como Filomena (tia Filó), uma mulher forte, figura marcante numa atuação de muito destaque. Nenhum personagem foi desperdiçado.

Enfim, o grande momento, como esperado, foi de Fernanda Montenegro. Não tenho palavras para descrever sua presença em tela, mesmo tendo sido pontual. Ele vem com toda sua experiência na cena que considero a mais importante e emocionante do filme. A melhor atuação feminina do ano. Mesmo que você se canse lá pela metade do filme, afinal são 2 horas e 20 minutos, aguarde para ver a Fernanda e conferir também um final sublime, muito bonito. Encantador. Delicado.

Tags Relacionadas A vida invisível, A vida invisível filme, crítica A vida invisível, Eurídice Gusmão, Fernanda Montenegro, filme A vida invisível, Karim Aïnouz, resenha A vida invisível
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

Enter the void (França, 2009)

Eu indico Viagem alucinante (França, 2009) Óscar é um traficante

punkhappy
TOP 10 filmes de terror disponíveis na Netflix
Terror

TOP 10 filmes de terror disponíveis na Netflix

Procura um filme de terror de verdade para assistir no sofá? Sendo assim, selecionei 10 filmes disponíveis na Netflix que considero grandes produções do gênero. Além do mais, todas as opções possuem um bom roteiro, conteúdo minimamente admirável.

coolcryingstar
Um Sonho de Liberdade (The Shawshank Redemption, 1994)
Favoritos

Um Sonho de Liberdade (The Shawshank Redemption, 1994)

Em 1946, o jovem e bem-sucedido banqueiro Andrew "Andy" Dufresne (Tim Robbins) é sentenciado a duas penas consecutivas de prisão perpétua pelo assassinato de sua esposa e de seu amante, a serem cumpridas na Penitenciária Estadual de Shawshank, no Maine, comandada pelo religioso e cruel agente penitenciário Samuel Norton (Bob Gunton). Rapidamente, Andy se torna amigo de Ellis "Red" Redding (Morgan Freeman), interno influente, também sentenciado à prisão perpétua, que controla o mercado negro do presídio. Ao longo das quase duas décadas de Dufresne na prisão, ele se revela um interno incomum. Dirigido por Frank Darabont.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário