Search

Você pode gostar disso:

Filmes

Helter Skelter (EUA, 2004)

Eu indico Helter Skelter (EUA, 2004) O filme mostra a

cryingtonguesecretmoney
O filme da minha vida (Brasil, 2017)
Filmes

O filme da minha vida (Brasil, 2017)

Até o momento, este filme representa o mais próximo que o cinema nacional pode chegar de Cinema Paradiso (Itália, 1988). A produção é baseado no livro "Um pai de cinema" de Antonio Skármeta, escritor chileno que também tem “O carteiro e o poeta”. Na história, o jovem Tony decide retornar a Remanso, Serra Gaúcha, sua cidade natal. Ao chegar, ele descobre que Nicolas, seu pai, voltou para França alegando sentir falta dos amigos e do país de origem. Tony acaba tornando-se professor e vê-se em meio aos conflitos e inexperiências juvenis.

laughingangeltongue
Deadpool 2 (2018)
Filmes

Deadpool 2 (2018)

Dessa vez, o anti-herói vivido por Reynolds decide impedir que um misterioso soldado do futuro, Cable (Josh Brolin), mate um jovem mutante transgressor (Julian Dennison). Dirigido por David Leitch, essa sequência é um filme extremamente divertido que consegue manter o universo único do Deadpool, fora do contexto tradicional de filmes de herói, com novas piadas e, principalmente, muitos personagens que são bem aproveitados.

Diário de um Jornalista Bêbado (“The Rum Diary”)

Eu indico
Diário de um Jornalista Bêbado (EUA, 2011)

Paul Kemp (Depp) é um jornalista itinerante, que cansa de Nova York e viaja para Porto Rico, para escrever para um jornal. Kemp tem o hábito de beber rum e fica obcecado pela bela Chenault (Heard), que está noiva de um empresário local.
Jornalismo e rum:
Hunter S. Thompson foi um jornalista e escritor norte-americano, tendo como segunda obra “Diário de um Jornalista Bêbado”. H. S. Thompson suicidou-se com um tiro de espingarda na cabeça em 20 de fevereiro de 2005. Ele deixou um bilhete em que se mostrava deprimido e sofrendo de terríveis dores após uma cirurgia na região da bacia. Seu corpo foi cremado e as cinzas foram lançadas ao céu por um pequeno foguete, em uma cerimônia bancada pelo próprio Johnny Depp, seu amigo e que também interpretou o personagem Raoul Duke na versão para o cinema de seu livro mais famoso: Medo e Delírio em Las Vegas (“Fear and Loathing in Las Vegas”, 1998).
O filme é dirigido por Bruce Robinson e conta com Johnny Depp interpretando o jornalista itinerante Paul Kemp que, cansado das convenções morais de uma América conservadora, viaja à bela ilha de Porto Rico, para trabalhar em um decadente jornal local, o “The San Juan Star”, administrado pelo tirânico Lotterman (Richard Jenkins). De cara o jornal não passa uma boa impressão e não cumpre o seu papel de forma ética, pois quando Kemp chega para se apresentar a Lotterman, está havendo uma manifestação de trabalhadores na porta da empresa e Lotterman nem faz questão de saber do que se trata.
Adotando o ritmo calmo do lugar, regado a muito rum, Paul começa a se apaixonar por Chenault (Amber Heard), noiva de Sanderson (Aaron Eckhart), um dos maiores empresários da cidade, que planeja converter Porto Rico num paraíso do capitalismo. Ele tenta usar o jornalista para escrever a favor dos seus negócios. Com o poder da palavra, Paul deve encarar o seu dilema: beneficiar os empresários corruptos ou denunciá-los. O filme mostra o significado do que deve ser o verdadeiro jornalista, uma pessoa com a responsabilidade de ir atrás da verdade e até mais além, de contra a corrupção e injustiça, compartilhando a verdade e fazendo a notícia chegar aos leitores.
Vemos em algumas cenas as belas paisagens do Caribe, e em outras a parte feia de Porto Rico, o que é interessante pois traz essa realidade contraditória para o filme, e já entra na questão principal que é o dilema do jornalista em aproveitar a oportunidade e se entregar à corrupção (e ele experimenta um pouco desta corrupção) ou fazer a coisa certa, que a ética de sua profissão pede. Após um tempo o jornalista acaba tendo que alugar e dividir um apartamento bem decadente, onde convive com dois personagens interessantes e que, junto com Deep, trazem uma boa dose de comédia para o filme. A sinergia dos 3 atores ficou muito boa, até porque é difícil contracenar com Depp e ter um certo destaque, principalmente porque ele está no seu tipo de papel (imagine um jornalista errante, num local desconhecido para ele, e que anda quase o tempo todo bebendo rum e se metendo em confusões). Os dois personagens citados são interpretados pelos atores Giovanni Ribisi (que faz o papel do alucinado Moberg e é um ator que eu já gostava) e Michael Rispoli (interpreta Bob Sala). Existem algumas cenas bem divertidas envolvendo estes personagens, puxando o filme para o lado da comédia, de forma bem agradável.
Aqui algumas frases de peso que extraí do filme:
“Você sente o cheiro? É o cheiro de bastardos. É também o cheiro da verdade. Sinto o cheiro de tinta.”
“Eu quero fazer uma promessa para você, leitor. E eu não sei se eu posso cumpri-la amanhã, ou até mesmo no dia depois disso. Mas eu coloquei os bastardos deste mundo em alerta. Que eu não tenho os melhores interesses no coração. Vou tentar falar para o meu leitor. Essa é a minha promessa. E será uma voz feita de tinta e raiva.”
__________________________________

Fontes:
http://omelete.uol.com.br/rum-diary-diario-de-um-jornalista-bebado/cinema/diario-de-um-jornalista-bebado-critica/
http://www.guiadasemana.com.br/cinema/filmes/sinopse/diario-de-um-jornalista-bebado
http://pt.wikipedia.org/wiki/Hunter_S._Thompson

Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

coolcryingstar
As Vinhas da Ira (1940)
Clássico

As Vinhas da Ira (1940)

A história de uma família de pequenos agricultores que, expulsos de suas terras no Oklahoma durante a depressão, atravessam o país em busca de melhor sorte na Califórnia. Dirigido por John Ford, um dos diretores preferidos aqui do site.

crying
Sete minutos depois da meia-noite (2017)
Drama

Sete minutos depois da meia-noite (2017)

Conor é um garoto de 13 anos de idade, com muitos problemas na vida. No entanto, todas as noites ele se depara com uma gigantesca árvore-monstro que decide contar histórias para ele, em troca de escutar uma história do garoto. Embora as conversas com a árvore tenham consequências na vida real, elas ajudam Conor a escapar das dificuldades através do mundo da fantasia. Dirigido por Juan Antonio Bayona.

tonguepunk
A Maldição da Chorona (2019)
Filmes

A Maldição da Chorona (2019)

A premissa é sinistra: diz a lenda que, quando viva, uma mulher mexicana afogou seus filhos e depois, arrependida, se jogou no rio enquanto chorava desesperadamente. Agora ela chora eternamente e captura outras crianças. Ela ficou conhecida como "La Llorona" e, se você ouvir um choro de mulher vestida de noiva durante a madrugada, deve ser ela. Dirigido por Michael Chaves.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário