Search

Você pode gostar disso:

coolcryingstar
O Sol é Para Todos (1962)
Ação Comédia Filmes Na pré

O Sol é Para Todos (1962)

Alabama, anos 1930. A pequena Jean (Mary Badham) é uma menina inteligente que tem no seu pai o grande herói. Atticus Finch (Gregory Peck) é um advogado viúvo que cuida de seu casal de filhos pequenos. Idealista e honesto, ele será o defensor de Tom, um negro acusado de estuprar uma mulher branca. Num júri composto apenas de brancos, todos sabem qual será o veredicto. Mas o advogado não desistirá de tentar provar que Tom é inocente. Além desse julgamento, a amizade de Jean com Boo Radley (Robert Duval), um deficiente mental que vive encarcerado em sua casa, vai fazer com que a menina passe a ver o mundo sob uma nova ótica e descobrir que o mundo dos adultos é mais cruel do que parece.

Ação Comédia Filmes Na pré

O Fugitivo (“I Am a Fugitive From a Chain Gang”, 1932)

Eu indico I Am a Fugitive From a Chain Gang

tongueangrypunk
Nós (Us, 2019)
Ação Comédia Filmes Na pré

Nós (Us, 2019)

De Jordan Peele, mesmo diretor de Corra! Adelaide (Lupita Nyong'o) e Gabe (Winston Duke) decidem levar a família para passar um fim de semana na praia e descansar em uma casa de veraneio. Mas surge uma família misteriosa que os torna reféns e eles percebem que são muito parecidos.

laughingangeltongue

Deadpool 2 (2018)

Deadpool 2 (EUA, 2018)

O grande risco dessa continuação foi o sucesso do primeiro filme, que apresentou bem o personagem e fez algumas paródias e perturbações com outros personagens, principalmente com os X-Men. Contudo, essa sequência é um filme extremamente divertido que consegue manter o universo único do Deadpool, fora do contexto tradicional de filmes de herói, com novas piadas e, principalmente, muitos personagens que são bem aproveitados, principalmente na ação e comédia apresentadas que prevalecem sobre a tímida parte dramática da trama, focada mais no drama vivido pelos mutantes jovens.

Desde os trailers já se criou uma expectativa que este seguiria a lógica do anti-héroi, mercenário doido e desbocado. E o filme soube como começar, se desenvolver e terminar (sim, pós créditos dos melhores) nessa linha do que queremos de um filme do Deadpool interpretado pelo Ryan Reynolds. Diretor e personagem se aproveitam de cada situação para fazer referências, normalmente debochadas e despretensiosas de outros heróis, celebridades, filmes de todo o tipo e todas as épocas, músicas, animações, clássicos, enfim. E nenhum universo pode escapar da perturbação de Deadpool, seja Marvel ou DC. As músicas selecionadas para o filme são das melhores e ficam em sintonia com as cenas para nos fazer, normalmente, cair na gargalhada, mesmo com direito a George Michael e A-Ha. Aliás, a presença de All Out of Love, do Air Supply, é sempre bem vinda. Todo o tipo de clichê aqui é proposital e alvo de piadas feitas pelo Deadpool, que até um tema de abertura foi colocado.

Podemos dizer que este é um filme carregado de algo parecido com os Easter Eggs, pois são muitas referências e nem todas serão claras para a maioria dos espectadores. Os mais nerds vão aproveitar melhor, mas não há como alguém não se identificar com algo neste filme.

Ryan Reynolds, desde o primeiro, mostrou estar no papel certo. Acho que ninguém mais aceitaria um Deadpool que não fosse ele. E o mais legal é saber que ele insiste – e pode conseguir – na presença do Hugh Jackman para uma próxima sequência, até porque este é o ídolo do personagem e imaginem como ficaria um Logan novamente interpretado pelo Hugh Jackman num filme de Deadpool! Torcemos…

As sequências do longa, bem violentas e com muito humor negro, mostram um Deadpool detonando junto com outros aliados e contra novos inimigos. Temos uma sequência de perseguição na cidade que é bombástica, tendo destaque para o inimigo da vez – que é o ator-vilão da vez – Cable (Josh Brolin, muito legal no papel e que sempre será lembrado como Thanos) e a surpreendente Dominó (Zazie Beetz) mostrando um tipo de ação diferente. Todos os personagens, mesmo aqueles com pouca participação em cena, foram bem aproveitados e interpretados por ótimos atores. O diretor David Leitch carregou o filme de cenas cômicas e de ação, sempre misturadas.

Numa estrutura de vários momentos como que fossem piadas separadas mas dentro de uma sequência narrativa, quase uma desculpa para as piadas e referências, este filme funciona, sempre fora da curva por estar fora do senso tradicional. Entre a ironia e a seriedade, apesar de ter uma dramatização, a seriedade sai perdendo muito… mas Deadpool não é isso? E independente da tão exigida fidelidade à HQ, ou da inevitável comparação ao primeiro filme, este aqui é muito divertido.

Tags Relacionadas crítica, crítica deadpool, crítica deadpool 2, Deadpool, deadpool 2, filme deadpool, Hugh Jackman, Josh Brolin, resenha, resenha deadpool 2, Ryan Reynolds
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

crying
Drama

Primavera, Verão, Outono, Inverno… e Primavera (Coréia do Sul, 2003)

Contemplativo e bem reflexivo, recheado de elementos orientais, como o mestre e o aprendiz, a força e simbologia da estátua do Buda, portas sem paredes ao redor, o colchão em contato com o solo, pequenos animais e ensinamentos pelas artes marciais, esta obra do diretor Kim Ki-duk representa o que há de melhor no drama sul-coreano.

Filmes

Poder Paranormal (“Red Lights”, EUA / Espanha, 2012)

Eu indico Red Lights (EUA / Espanha, 2012) Dois investigadores

cryingtongue
Cafarnaum (Líbano, 2018)
Drama

Cafarnaum (Líbano, 2018)

Aos doze anos, Zain carrega uma série de responsabilidades: é ele quem cuida de seus irmãos no cortiço em que vive junto com os pais, que estão sempre ausentes graças ao trabalho. Quando sua irmã de onze é forçada a se casar com um homem mais velho, o menino fica extremamente revoltado e decide deixar a família. Ele passa a viver nas ruas junto aos refugiados e outras crianças que, diferentemente dele, não chegaram lá por conta própria. Dirigido por Nadine Labaki.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário