Search

Você pode gostar disso:

happy
Top 10 filmes românticos
Ação Ficção Científica Filmes Na pré Suspense

Top 10 filmes românticos

Todo mês de junho, mês dos namorados, você se pergunta como vai comemorar essa data? Uma boa opção é começar com um filme romântico a dois, em casa mesmo. Por isso deixo aqui a relação de 10 filmes que para mim foram especiais, neste sentido. Mas vale assistir sozinho(a) também. Sabendo que muitas listas de “melhores filmes românticos” são encontradas por aí com facilidade, busquei priorizar aqueles que considero menos conhecidos e coloquei em ordem por ano de lançamento.

secretangrypunk
Isolados (Brasil, 2014)
Ação Ficção Científica Filmes Na pré Suspense

Isolados (Brasil, 2014)

O psiquiatra Lauro (Bruno Gagliasso) e sua namorada, Renata (Regiane Alves), decidem passar férias em uma casa isolada na serra, porém o que parecia ser uma época de paz e sossego, acaba se tornando um pesadelo, quando uma sequência de ataques violentos na região se aproxima cada vez mais do casal. Dirigido por Tomas Portella.

laughing
John Wick: Um Novo Dia para Matar (2017)
Ação Ficção Científica Filmes Na pré Suspense

John Wick: Um Novo Dia para Matar (2017)

Após recuperar seu carro, John Wick (Keanu Reeves) acredita que enfim poderá se aposentar. Entretanto, a reaparição de Santino D'Antonio (Riccardo Scarmacio) atrapalha seus planos. Dono de uma promissória em nome de Wick, por ele usada para deixar o posto de assassino profissional da Alta Cúpula, Santino cobra a dívida existente e insiste para que ele mate sua própria irmã, Gianna (Claudia Gerini). Dirigido por Chad Stahelski.

laughingmoustachetongueangry

O Predador (2018)

The Predator (EUA, 2018)

De volta às telonas o predador mais querido dos cinemas! Ou melhor, o mais temido. Ninguém esquece o primeiro, de 1987, com o Arnold Schwarzenegger tentando sobreviver ao predador: um clássico! O segundo filme (de 1990) se passa 10 anos depois do primeiro e tem o Danny Glover como protagonista enfrentando alguns predadores. Vamos pular os dois derivados (Alien vs. Predador) que não funcionaram bem e aí temos Predadores (2010). Então, podemos dizer que este novo filme é o quarto da saga e, como pode ser percebido no enredo, é a terceira visita do predador à Terra.

A fórmula é a mesma: temos que sobreviver a um predador perfeito. É um grande filme que explora situações de caça. Aliás, o conceito de predador tem relação com uma criatura que caça a presa para sobreviver, mas aqui temos na verdade um caçador violento, que parece matar também por esporte. Experiente, cheio de artefatos e tecnologia avançada que garantem tanto uma melhor caça quanto uma auto proteção quando ameaçado. E uma das coisas mais legais na saga – mantida aqui – são essas armas. Resumindo, temos um exército de seres humanos contra essa criatura que dá um show em termos de batalha. Pode não ser um filme com bom conteúdo, e nem original, mas é um grande filme de ação com doses de comédia clichê (que agrada).

Liderados pelo veterano de guerra Quinn McKenna (Boyd Holbrook, que deu conta do recado como protagonista), um grupo de desajustados e quase lunáticos soldados americanos (que se conhecem por acaso) decidem enfrentar a criatura pelo bem da humanidade, junto com uma professora de ciências (Olivia Munn) que encara com bravura toda a situação e o garoto prodígio (filho de McKenna) interpretado pelo carismático Jacob Tremblay, o garotinho de O Quarto de Jack (2015) e Extraordinário (2017). A sinergia desse grupo ficou bem legal e só assim mesmo para ter algum chance contra um predador perfeito.

A direção de Shane Black pareceu ser essencial e conseguiu trazer elementos dos filmes anteriores (inclusive temos parte do filme na selva como ambiente de batalha e parte na cidade em meio ao Halloween) e funciona como uma nova temporada, com boas referências e um pouquinho só de novidade com abertura para mais sequência. O predador em si está quase onipotente e dá medo e gosto ver ele se virando nas cenas de batalha. A estética de sua aparência, armadura e artefatos ficou bacana (soube que a vestimenta utilizada pesa em torno de 30kg e precisou de um esquema de ventilação para os atores por baixo da armadura terem menos desconforto). O diretor optou por uma boa dose de violência, um pouco de humor negro e muitos personagens. Apesar de não se aprofundar em quase nenhum dos personagens, no geral a maioria ficou bem no contexto.

Tags Relacionadas Arnold Schwarzenegger, Arnold Schwarzenegger predador, Boyd Holbrook, crítica, crítica Predador, crítica Predador 2018, filme Predador, Jacob Tremblay, O Predador, O Predador 2018, Olivia Munn, Predador, Predator, Predator filme, Predator movie, resenha, resenha Predador, resenha Predador 2018, Shane Black, The Predator
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

Ondas do destino (Dinamarca, 1996)

Eu indico Breaking the Waves (Dinamarca, 1996) No norte da

Filmes

Os Filhos da Meia-Noite (Midnight’s Children, 2012)

Eu indico Midnight’s Children (Canadá / Reino Unido, 2012) Em

Filmes

Distrito 9 (“District 9”)

Eu indico Distrito 9 (EUA / Nova Zelândia / África

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário