Search

Você pode gostar disso:

coolstarangrypunk
Poltergeist: O Fenômeno (1982)
Drama Filmes Na pré Romance

Poltergeist: O Fenômeno (1982)

Uma típica família americana vive o famoso sonho americano, moram na casa dos sonhos, numa cidade pequena e com espaço para uma piscina. Mas logo a família Freeling começa a presenciar fenômenos psíquicos, que a princípio parecem ser inofensivos, mas que cada vez se tornam mais aterrorizantes até que uma entidade “sequestra” a pequena Carol Anne (Heather O'Rourke) e tudo vira um inferno.

Drama Filmes Na pré Romance

O incrível homem que encolheu (EUA, 1957)

Eu indico The Incredible Shrinking Man, EUA, 1957 Durante um

confusedcrying
Cabaré Bibliotheque Pascal (2010)
Drama Filmes Na pré Romance

Cabaré Bibliotheque Pascal (2010)

Depois de um trailer empolgante, com uma trilha sonora bacana, qualquer um vai querer assistir! Mona vive nas ruas da Hungria ganhando a vida como artista e é vendida como escrava pelo próprio pai a um estranho bordel, onde as prostitutas são forçadas a agir como personagens literários. Roteiro e direção de Szabolcs Hadju.

cryingtonguemoney

Em Busca de Fellini (2017)

In Search of Fellini (EUA, 2017)

“A vida é uma combinação de magia e espaguete.”
(Federico Fellini)

Lucy, uma garota tímida da pequena cidade de Ohio, EUA, ama filmes e acaba conhecendo o trabalho único de Federico Fellini, um dos mais importantes diretores italianos, responsável por filmes como A Doce Vida (1960), Oito e Meio (1963), Amarcord (1973), A Estrada da Vida (1954) e Noites de Cabíria (1957). Lucy está tendo problemas em encarar a realidade e acaba embarcando numa viagem estranha e bonita pela Itália para encontrar Fellini. Ao longo do caminho ela descobre muito além do que esperou. Dirigido por Taron Lexton.

Ótimo ver um filme que fala um pouco do Fellini, mesmo ele não sendo o ponto principal da trama, já que mais forte se mostra uma relação entre mãe e filha e a questão do propósito que cada um de nós temos na vida; propósito é um assunto abordado por Fellini em suas falas e filmes. Mais do que isso, muitas cenas deste filme beiram ao excêntrico que, como nos filmes do diretor, acaba sendo um excêntrico aceitável. O cineasta já deu um tapa naqueles que defendem radicalmente o realismo no cinema quando disse uma vez: “O realismo não é uma boa palavra. Eu nem percebo a fronteira entre o imaginário e o real. Vejo muita realidade no imaginário. E não me sinto encarregado de pôr uma ordem nisso tudo”. E mais: “O visionário é o único e verdadeiro realista.”

Uma das melhores coisas que posso dizer a respeito deste é que estamos diante de um filme romântico. O amor é abordado ao menos de 3 formas: na relação entre mãe e filha, no descobrimento do primeiro amor entre um casal de jovens e do amor pelo cinema representado pela paixão da personagem pelos filmes do Fellini. Mesmo com a distância, mãe e filha estão sempre ligadas: enquanto uma está na Itália passando pelos locais dos filmes, a outra está experimentando os filmes de Fellini na TV.

A proposta parte de um cenário americano para a Itália e as paisagens e costumes deste país europeu trazem prazer ao expectador. Afinal, a Itália se mostra deslumbrante neste filme e um pequeno exemplo é a Fonte de Trevi que remete a um filme especial para mim, La Dolce Vita. Verona, Veneza, Roma… a personagem tem o privilégio de passar por lugares deslumbrantes e viver coisas boas e ruins, sentindo na pele passagens dos filmes de seu amado diretor, que são exibidos em partes numa contraposição a trama vigente. Obras elogiadas e que causam estranheza em alguns personagens, que chegam fazer comparações do tipo: “não são como os filmes americanos… é meio confuso… e são muito bons”.

Apesar de um certo exagero desnecessário na tentativa de mostrar a forte relação entre mãe e filha à distância e na aparição bem conveniente de um jovem salvador e apaixonante para a personagem que está perdida em outro país, o filme não decai por conta das outras qualidades supracitadas. Lucy (Ksenia Solo, que está apaixonante), de forma súbita e intensa, parte nessa viagem e segue seus sonhos para depois perceber que a felicidade estava onde ela menos buscou. E temos um final bem romântico para completar.

Fini.

Tags Relacionadas A Doce Vida, Amarcord, Cabíria, crítica, crítica Em Busca de Fellini, Em Busca de Fellini, Federico Fellini, Fellini, Oito e meio, resenha, resenha Em Busca de Fellini
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

cryingsecret
A Coleção Invisível (Brasil, 2012)
Nacional

A Coleção Invisível (Brasil, 2012)

A família de Beto (Wladimir Brichta) é dona de uma tradicional loja de antiguidades que está passando por uma crise financeira. Para tentar solucionar este problema ele se lança numa viagem até a cidade de Itajuípe, interior da Bahia, atrás de uma coleção raríssima de gravuras que foi adquirida há 30 anos por um antigo cliente, o colecionador Samir (Walmor Chagas). Entretanto, logo ao chegar Beto enfrenta uma forte resistência da esposa dele e de sua filha Saada (Ludmila Rosa). Dirigido por Bernard Attal.

laughingtonguesecret
JOB (Brasil, 2019): confira o cartaz oficial do filme e nossa resenha
Filmes

JOB (Brasil, 2019): confira o cartaz oficial do filme e nossa resenha

O novo filme com Danilo Ferraz é parte da jornada para que o gênero de ação com conteúdo finalmente tenha uma inserção positiva e chegue a um patamar tão merecido no cinema nacional. Como o próprio curta mostra, é possível entregar ação, suspense e levantar questões sociais numa mesma trama em contexto com situações nas quais o brasileiro convive. E tudo isso em apenas 12 minutos! Confira o cartaz oficial do filme em primeira mão aqui no nosso site e uma resenha especial.

confusedcryingstar
Mommy (Canadá, 2014)
Favoritos

Mommy (Canadá, 2014)

Canadá, ano de 2015. Diane Després (Anne Dorval) é surpreendida com a notícia de que seu filho, Steve (Antoine-Olivier Pilon), foi expulso do reformatório onde vive por ter incendiado a cafeteria local e, com isso, provocado queimaduras de terceiro grau em um garoto. Os dois voltam a morar juntos, mas Diane enfrenta dificuldades devido à hiperatividade de Steve, que muitas vezes o torna agressivo. Os dois apenas conseguem encontrar um certo equilíbrio quando a vizinha Kyla (Suzanne Clément) entra na vida de ambos. Dirigido por Xavier Dolan.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário