Search

Você pode gostar disso:

coolangelconfused
Clube dos Cinco (The Breakfast Club, 1985)
Ação Ficção Científica Filmes Na pré

Clube dos Cinco (The Breakfast Club, 1985)

Em virtude de terem cometido pequenos delitos, cinco adolescentes são confinados no colégio em um sábado, com a tarefa de escrever uma redação de mil palavras sobre o que pensam de si mesmos. Apesar de serem pessoas completamente diferentes, enquanto o dia transcorre eles passam a aceitar uns aos outros, fazem várias confissões e tornam-se amigos. Dirigido por John Hughes.

laughingtongue
Velozes e Furiosos 8 (2017)
Ação Ficção Científica Filmes Na pré

Velozes e Furiosos 8 (2017)

Depois que Brian e Mia se aposentaram, e o resto da equipe foi exonerado, Dom e Letty estão em lua de mel e levam uma vida pacata e completamente normal. Mas a adrenalina do passado acaba voltando com tudo quando uma mulher misteriosa faz com que Dom retorne ao mundo do crime e da velocidade. Dirigido por F. Gary Gray.

Ação Ficção Científica Filmes Na pré

Paris, Texas (1984)

Eu indico Paris, Texas (França / Alemanha / EUA) Travis

laughingmoustachetongue

Ghost in the Shell: Vigilante do Amanhã (2017)

Ghost in the Shell (EUA, 2017)

Dirigido por Rupert Sanders, Vigilante do Amanhã é um grande entretenimento. Afinal, é futuristicamente bem feito, tem a Scarlett Johansson em versão cosplay (e de cabelo preto para arrasar corações) e representa nas telonas a tradução de um mangá clássico e respeitado. O “quadrinho japonês” (assim podemos definir um mangá) foi criado por Masamune Shirow e rendeu animações no Japão cultuadas por diversos fãs: Ghost in the Shell (1995) e Ghost in the Shell 2: Innocence (2004).

O universo cyberpunk ficou ótimo no filme e pode incentivar que outras adaptações nessa linha sejam feitas para o cinema, como o famoso Akira (animação japonesa de 1988) e o mangá futurista Ronin (de Frank Miller). Quem se arriscar nessas adaptações terá grande responsabilidade ao resumir num filme toda a riqueza já existente nelas. Neste ponto, o filme Ghost in the Shell pecou, pois não existe muita profundidade nas discussões que são apresentadas na trama. Ela segue a linha do anime e ao menos aborda os pontos críticos que esse universo trás, porém, comparado à história original, que é densamente filosófica, percebe-se que tudo ficou mais simplista e resumido. Talvez isso seja fruto da tentativa de agradar ao publico maior, que pode não conhecer o mangá/anime.

Outrossim, certa resistência pode se formar para alguns espectadores, pois de fato não existe muita originalidade na história. A proposta futurista onde o mundo se tornou altamente informatizado, pessoas podendo ser metade homem, metade máquina, e máquinas ganhando certo poder, já foi aproveitada em outros filmes futuristas e até em episódios da série Black Mirror. Contudo, cabe ressaltar que o argumento apresentado neste filme não é de agora, o mangá é de 1989. O próprio Matrix tomou este como influência!

A atriz Scarlett Johansson está ótima no papel da Major, é fácil perceber que seus movimentos são peculiares e caracterizam bem a personagem, por exemplo. Os demais personagens são meio negligenciados. O Batou é um exemplo que merecia mais aprofundamento. Contudo, é importante destacar a presença marcante do Takeshi Kitano, renomado ator e diretor japonês, que possui um grande legado contendo Zatoichi (2003), Hana-bi: Fogos de Artifício (1997) e Sonatine: Adrenalina Máxima (1993), os quais ele dirigiu e atuou.

Não podemos dizer que Ghost in the shell é um filme extraordinário. Adaptar uma obra japonesa deste porte foi corajoso, e na ambientação e visual o filme tem seus pontos fortes. Nua mistura psicodélica de imagens, luzes e som, diante de algumas cenas é como se tivéssemos assistindo ao anime, o que para os fãs será regozijante. A abordagem de que seres humanos podem chegar ao ponto de hackear ciber-cérebros é interessante, mas poderia ter sido utilizada de forma mais criativa no filme, já que no anime é um ponto bem cuidado. Torcemos por uma continuação, até porquê o anime Ghost in the Shell 2: Innocence é sensacional e os erros aqui podem não ser repetidos no futuro.

Tags Relacionadas Akira, crítica, Frank Miller, mangá, Matrix, resenha, Ronin, Scarlett Johansson, Takeshi Kitano
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

A Trilha (“A Perfect Getaway”)

Eu indico A Trilha (EUA, 2009) Cydney (Milla Jovovich) e

Filmes

O Homem Invisível (The Invisible Man)

Eu indico The Invisible Man (EUA, 1933) Jack Griffin (Claude

coolcryingstar
O Sol é Para Todos (1962)
Drama

O Sol é Para Todos (1962)

Alabama, anos 1930. A pequena Jean (Mary Badham) é uma menina inteligente que tem no seu pai o grande herói. Atticus Finch (Gregory Peck) é um advogado viúvo que cuida de seu casal de filhos pequenos. Idealista e honesto, ele será o defensor de Tom, um negro acusado de estuprar uma mulher branca. Num júri composto apenas de brancos, todos sabem qual será o veredicto. Mas o advogado não desistirá de tentar provar que Tom é inocente. Além desse julgamento, a amizade de Jean com Boo Radley (Robert Duval), um deficiente mental que vive encarcerado em sua casa, vai fazer com que a menina passe a ver o mundo sob uma nova ótica e descobrir que o mundo dos adultos é mais cruel do que parece.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário