Search

Você pode gostar disso:

happy
10 filmes originais Netflix para Oscar não botar defeito
Drama Filmes

10 filmes originais Netflix para Oscar não botar defeito

Foi uma tortura concluir essa lista visto que os filmes originais Netflix, em sua grande maioria, são decepcionantes. E eu vi muitos para conseguir gostar de 10, chegando ao ponto de cancelar minha assinatura até que um dia tenha motivos para ativar novamente. Mas ,enfim, eis que temos 10 filmes bem legais produzidos pela própria Netflix.

Drama Filmes

Paris, Texas (1984)

Eu indico Paris, Texas (França / Alemanha / EUA) Travis

angrypunk
The Troll Hunter (Noruega, 2010)
Drama Filmes

The Troll Hunter (Noruega, 2010)

O filme conta a história de um trio de estudantes de cinema que, após um surto de ataques a ursos numa reserva natural no Norte da Noruega, decidem investigar o que realmente se passou. Ignorando os avisos das autoridades sobre os perigos, munem-se de uma câmara de vídeo e partem em busca de material para um documentário. Durante a busca, conhecem Hans (Otto Jespersen), um homem enigmático conhecido como o "caçador de trolls". E é então que os jovens descobrem o segredo mais bem guardado do Governo norueguês: a existência de trolls, seres que eles julgavam apenas habitar na sua imaginação. Dirigido por André Øvredal.

crying

Tabu (“Towelhead”, EUA, 2007)

Towelhead (EUA, 2007)

Jasira, uma garota de 13 anos, vive com sua mãe americana e o futuro padrasto, que está encantado com a crescente maturidade da garota. Por isso, sua mãe a envia para o Texas com seu rígido pai Libanês. Este trata de educá-la nos valores tradicionais da cultura muçulmana. Entretanto, Jasira segue sem saber muito bem o que fazer com sua sexualidade quando nota como seu corpo afeta os homens que a rodeiam, em especial seu vizinho (Aaron Eckhart), um atraente e intolerante soldado da marinha. Um filme de Alan Ball.

Sedução, inocência e entrega – SPOILER:

Baseado no romance de Alicia Erian, provavelmente tão provocante quanto o filme, é uma história bem interessante sobre uma garota nova e bonita que vai viver situações de conflito e descobertas, afetando também as pessoas ao seu redor. Nunca sabemos que atitude a mesma vai tomar e isso deve deixar o espectador vidrado na trama, pois a curiosidade causada pelo tema sexualidade e sedução é quase sempre forte. Ficamos na expectativa de o quanto a garota é inocente e o quanto ela não é. E isso se passa também com outros personagens, praticamente todos não parecem ser bons, mas também não são tão ruins.

Alan Ball, vencedor do Oscar pelo roteiro de Beleza Americana (1999), toma a frente do filme com competência nos três aspectos: direção, roteiro e produção. A trama começa mostrando que a garota Jasira (Summer Bishil) chama a atenção do namorado de sua mãe, que comenta sobre depilação com a garota. Sua mãe reage de uma forma intrigante, culpando a garota e dizendo que ela anda demais com os seios empinados. A menina passa a viver na casa do pai, no Texas. Muitas situações interessantes ocorrem no filme, como a garota se masturbando ao olhar uma revista com mulheres peladas, assim como sua atenção em relação ao vizinho adulto e atraente, interpretado por Aaron Eckhart, protagonista de Obrigado por Fumar (2005) e vilão (Duas Caras) de Batman – O Cavaleiro das Trevas (2008), um excelente ator por sinal, que está mais uma vez muito bem no seu papel. Alguns diálogos entre os dois são bem bacanas e mostram situações que devem ser mais comuns do que podem parecer, a primeira vista. A garota parece ter curiosidade, repulsa, pena e atração por ele, tudo ao mesmo tempo, o que é mais um ponto forte do filme: a forma como suas ações mostram cada um desses sentimentos transparecendo e como reação a outros acontecimentos e pressões. Uma cena interessante é quando a garota, não sentindo prazer no ato sexual com o namorado, mostra sua insatisfação e este acaba usando somente a mão, gerando um forte prazer nela; é intrigante, pois foi o vizinho adulto que tirou a virgindade da garota, com a mão, contra a vontade dela (caracterizando um estupro, mais uma temática abordada no filme).

Quanto aos outros personagens, como o pai exagerado e controlador, os colegas que a perturbam por conta de sua descendência e até sua vizinha grávida (Toni Collette) e cuidadosa para com ela, eles vão influir, positiva ou negativamente, nos acontecimentos. Até um namorado que a garota arranja, negro e por isso não apreciado pelo pai dela, terá o seu papel bem encaixado na história. E outros acontecimentos, como a Guerra do Golfo, que se passa na época do filme, exercem influência nas ações dos personagens. Para mostrar o despertar sexual de uma adolescente de 13 anos e abordar outros temas fortes sem perder o contexto, tem que ter ousadia, cuidado e maturidade.

__________________________________
Fontes:
http://escrevalolaescreva.blogspot.com/2009/11/critica-towelhead-descoberta-da.html

Tags Relacionadas (Summer Bishil, Aaron Eckhart, Alan Ball, Alicia Erian, crítica, filme picante, filmes picantes, Obrigado por Fumar, resenha, sedução, sexo, sexualidade, Tabu, Towelhead
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

laughingangeltonguepunk
Zumbilândia 2: Atire Duas Vezes (2019)
Na pré

Zumbilândia 2: Atire Duas Vezes (2019)

Em Zumbilândia 2, o mundo zumbi é consumido numa comédia com senso de humor acima da média, uma fiel continuação dez anos depois da primeira aparição do quarteto de caçadores interpretados por Harrelson, Eisenberg, Breslin e Stone. Se a sinergia do elenco foi boa no primeiro filme, aqui é o ponto máximo. Dirigido por Ruben Fleischer.

Filmes

Snoopy e Charlie Brown: o filme (2015)

Eu indico The Peanuts Movie (EUA, 2015) Próximo das férias

Filmes

O Mágico (“L’illusionniste”, França, 2010)

Eu indico L’illusionniste (França, 2010) Animação que conta a história

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário