Search

Você pode gostar disso:

Clássico Drama Filmes

Viver (“Ikiru”, Japão, 1952)

Eu indico Ikiru (Japão, 1952) Kanji Watanabe, um idoso burocrata

confusedcryingangrypunkhappy
TOP 10 filmes tensos sobre isolamento ou quarentena
Clássico Drama Filmes

TOP 10 filmes tensos sobre isolamento ou quarentena

Existem muitos filmes excelentes passados em ambientes fechados, selecionar 10 filmes tensos sobre isolamento ou quarentena não foi fácil. Priorizei nessa lista aqueles filmes que considero menos conhecidos e, além do mais, com alto nível de tensão, horror psicológico ou cenas intensas.

Clássico Drama Filmes

Um dia, um gato (Checoslováquia, 1963)

Eu indico Az prijde kocour (Checoslováquia, 1963) Um contador de

coolcrying

Jesus de Nazaré (“Jesus of Nazareth”) – de Franco Zefirelli

Jesus de Nazaré (Itália / Reino Unido, 1977)

Um clássico que conta a história de Jesus desde sua humilde origem, como filho de Deus. Sua viagem inclui o Sermão no Montes das Oliveiras, as Tentações de Satanás, a escolha dos Doze Apóstolos, a Última Ceia, a Crucificação e a Ressurreição.

Adaptação:
Trata-se de uma grande responsabilidade adaptar para as telas os acontecimentos relatados pela Bíblia, principalmente com foco no Novo Testamento, onde surge a figura de Jesus Cristo. Existem diversos filmes sobre a vida e obra de Cristo, sendo que este é considerado, por alguns autores, como a mais fiel recriação de cenários com base na narrativa dos evangelhos, mostrando Jesus em ação, muitas vezes rodeado pelo povo inquieto que se acotovelam para vê-lo melhor e lhe apresentar seus pedidos. O filme original (na verdade uma mini série transformada em filme) possui 6 horas e 22 minutos, utilizados com paixão pelo diretor e roteirista Franco Zefirelli, que conseguiu garantir uma boa completude dos acontecimentos, diálogos e cenários, maximizados por ótimas atuações (temos atores reconhecidos no elenco: Robert Powell, Ian McShane, Christopher Plummer, Anthony Quinn, Rod Steiger). O ator Yorgo Voyagis, que interpretou José, teve sua voz dublada para o inglês.

O que há de essencial está lá: nascimento conturbado do menino Jesus, as pregações de João Batista, parábolas contadas pelo mestre, a reação do povo diante da figura do messias aguardado por toda Jerusalém, o chamado aos apóstolos, os milagres, a traição de Judas, a crucificação e, mais do que tudo, os diálogos com os apóstolos e seguidores, seus ensinamentos e palavras transformadoras, sem contar com os debates de Jesus com as autoridades religiosas, suas respostas precisas e inquestionáveis. O estilo do diretor é bem poético e carregado de sentimentos, alinhado com a bela música de Maurice Jarre e fotografia de David Watkin. Temos o mérito também da equipe que escreveu o roteiro: Anthony Burgess, David Butler, Suso Cecchi D’Amico e o próprio Franco Zeffirelli. Nem tudo pôde ser colocado no filme. Senti falta, por exemplo, da tentação do diabo para com Cristo no deserto (quando oferece todos os reinos do mundo), de algumas parábolas, do diálogo em torno do tributo a César (a moeda do censo com a imagem e inscrição de César) e do encontro com Zaqueu.

Zefirelli confessou que tinha nas mãos uma arma e como podia ser decisiva para a vida de milhares de pessoas, tanto para o bem como para o mal. “Quando a pessoa tem a possibilidade de animar as pessoas que sofrem e de ampliar seus horizontes de esperança, sente uma responsabilidade excessiva para o pobre homem que é”.

__________________________________
Fontes:
http://www.zenit.org/article-16589?l=portuguese
http://pt.wikipedia.org/wiki/Jesus_de_Nazaré_(filme)
http://www.cineclick.com.br/filmes/ficha/nomefilme/jesus-de-nazare/id/10202

Tags Relacionadas Anthony Quinn, Bíblia, Christopher Plummer, Cristo, crítica, Crucificação, Deus, Ian McShane, Jesus, Novo Testamento, resenha, Ressurreição, Robert Powell, Rod Steiger, Zefirelli
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

crying
A Corte (França, 2016)
Filmes

A Corte (França, 2016)

Michel Racine (Fabrice Luchini) é um juiz rígido e impiedoso, conhecido pela atitude extremamente profissional nos tribunais. Isso muda quando a jurada de um de seus casos é Ditte Lorensen-Cotteret (Sidse Babett Knudsen), uma mulher por quem foi perdidamente apaixonado muitos anos atrás, mas que o abandonou. Dirigido por Christian Vincent.

laughingcrying
A Qualquer Custo (2016)
Drama

A Qualquer Custo (2016)

Dois irmãos, um ex-presidiário e um pai divorciado com dois filhos, estão para perder a fazenda da família no oeste do Texas e decidem assaltar bancos como uma chance de se restabelecerem financeiramente. Só que, no caminho, a dupla se cruza com um delegado, que tudo fará para capturá-los. Dirigido por David Mackenzie.

Filmes

Nossa Hospitalidade (EUA, 1923)

Eu indico Our Hospitality (EUA, 1923) Por volta de 1830,

4 Comentários

  1. O MELHOR FILME, COM TODA A CERTEZA……….

    JAMAIS TERÁ OUTRO IGUAL!!!

    Robert Powell, GRANDE ARTISTA!
    ___________________________________

    JESUS CRISTO – O ETERNO DEUS JEOVÁ!

    O PRINCÍPIO E O FIM!

    Reply
    • Olá, Junior. Gostaria de ter algum contato seu (e-mail, face, insta ou o que quiser passar) para te enviar uma mensagem convidando a apreciar o meu novo site Eu & a Telona. O blog foi todo reformulado e eu gostaria de divulgar primeiro para as pessoas que fizeram algum comentário sobre os filmes que postei aqui. Obrigadão!

      Reply
  2. […] Jesus de Nazaré (“Jesus of Nazareth”) de Franco Zefirelli: Considerado como a mais fiel recriação de cenários com base na narrativa dos evangelhos, esse clássico de 1977 conta a história de Jesus desde sua humilde origem. Mostra sua trajetória incluindo o Sermão no Montes das Oliveiras, as Tentações de Satanás, a escolha dos Doze Apóstolos, a Última Ceia, a Crucificação e a Ressurreição. […]

    Reply

Deixe seu comentário