Search

Você pode gostar disso:

angrypunk
A Tempestade do Século (EUA / Canadá, 1999)
Ação Comédia Filmes Na pré

A Tempestade do Século (EUA / Canadá, 1999)

Little Tall é uma pequena cidade que fica em uma ilha longe do continente e está prestes a receber uma violenta tempestade de neve. Andre Linoge (Colm Feore), um forasteiro bastante estranho, chega na pequena cidade e cria pânico e morte entre os moradores. Ele sabe o segredo de todos os habitantes. Mike Anderson (Timothy Dale), o policial da cidade, tenta manter cada um em alerta contra a forte tempestade e contra Linoge. Dirigido por Craig R. Baxley. Roteiro de Stephen King.

coolcryingmoney
Desencanto (1945)
Ação Comédia Filmes Na pré

Desencanto (1945)

Laura (Celia Johnson) e Alec (Trevor Howard) se conhecem por acaso em uma estação de trem, quando ele remove um cisco do olho dela. Ele é médico, ela é dona de casa. Ambos são de classe média, têm meia-idade e são razoavelmente felizes em seus casamentos. Em pouco tempo passam a se encontrar todas as quintas-feiras, mas apenas como bons amigos. Gradativamente surge uma paixão mútua e eles continuam a se encontrar regularmente, apesar de saberem que este amor é impossível. Dirigido por David Lean.

Ação Comédia Filmes Na pré

O Pequeno Nicolau (“Le Petit Nicolas”)

Eu indico Le Petit Nicolas (França, 2009)   Nicolau (Maxime

laughingangeltongue

Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa (2020)

Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa (2020)

Seguindo uma divertida narração da própria Arlequina, Aves de Rapina (2020) carrega em si uma simbologia por osmose que representa a emancipação, independência, das mulheres a partir da figura dessa personagem que, aqui, passa de louca para um exemplo. Aliás, o recado de que estamos em um mundo dos homens aparece até numa cantoria da personagem coadjuvante Canário Negro (Jurnee Smollett-Bell)… e a resposta se dá principalmente nas vias de fato, onde as garotas dão uma lavagem de porrada nos caras.

Ainda assim, diante dessa insistência, não houve um exagero feminista. Por certo a diretora Cathy Yan dá um exemplo de condução e o filme não se perde e nem cansativo fica. Uma ótima direção de atores com cenas de ação interessantes. É vibrante ver essa passagem de vítima do Coringa para essa personagem que vemos no filme.

Vias de fato mais do que superpoderes em Aves de Rapina:

A porrada cai geral nos homens como um troco das garotas, principalmente a Arlequina que domina a maior parte das cenas, com destaque para a sua habilidade insana no uso do bastão de baseball. Ela está infreável junto com as outras garotas e sem necessidade de apelação com superpoderes. O poder é o feminino que pode tudo e, diante de dificuldades, uma mana levanta a outra.

Numa estrutura narrativa com sobreposição de cenas, temos idas e vindas que são até engraçadas, pois somos norteados pela narração de Arlequina, do jeito dela. Nesse sentido, nem os clichês cinematográficos escapam, eles viram piadas a partir da visão dela. Margot Robbie é um sucesso, bem melhor que no filme anterior, e sua personagem está numa nova roupagem e mantendo seus altos e baixos psicológicos psicóticos numa interpretação bombástica da atriz.

Tanto quanto a atriz principal, está o segundo elenco, dando o seu show. Especialmente o vilão (Ewan McGregor) e seu lacaio (Chris Messina). O McGregor com seus recorrentes gritos de vibração e a Margot Robbie com a sua risada típica equilibram insanidade e maldade com alívio cômico. Sem dúvida esse vilão supera fácil o personagem Coringa de Esquadrão Suicida (2016), filme que nem merece as lembranças e poucas referências que este Aves de Rapina (2020) faz a ele.

Criatividades nas cenas de ação envolvendo inclusive uma daquelas casas de horrores típica em cidades dos EUA (neste caso, de Gothan City) completa os ingredientes para garantir uma diversão sem fim, eu diria mais fabulosa do que fantasiosa, embora aceite a mistura de palavras no subtítulo. Bom para a DC que também acertou nos dois últimos anos, ao menos com Coringa (2019) e Aquaman (2018).

“Por trás de um grande homem, existe sempre uma mulher fodona”

Tags Relacionadas arlequina, crítica, crítica arlequina, crítica aves de rapina, Margot Robbie, resenha, resenha arlequina, resenha aves de rapina
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

cryingmoney
Secretária (EUA, 2002)
Filmes

Secretária (EUA, 2002)

Após passar algum tempo em um sanatório, Lee Holloway (Maggie Gyllenhaal) volta para a casa de seus pais pronta para recomeçar sua vida. Ela então faz um curso de secretária e tenta um emprego com E. Edward Grey (James Spader), que tem um escritório de advocacia. Inicialmente o trabalho parece bem normal e entediante, mas com o tempo, chefe e subordinada embarcam numa relação mais íntima e cruzam linhas de conduta da sexualidade humana. Dirigido por Steven Shainberg.

Filmes

Asas do Desejo (Alemanha / França, 1987)

Eu indico Der Himmel über Berlin (Alemanha / França, 1987)

laughingtonguesecret
JOB (Brasil, 2019): confira o cartaz oficial do filme e nossa resenha
Ação

JOB (Brasil, 2019): confira o cartaz oficial do filme e nossa resenha

O novo filme com Danilo Ferraz é parte da jornada para que o gênero de ação com conteúdo finalmente tenha uma inserção positiva e chegue a um patamar tão merecido no cinema nacional. Como o próprio curta mostra, é possível entregar ação, suspense e levantar questões sociais numa mesma trama em contexto com situações nas quais o brasileiro convive. E tudo isso em apenas 12 minutos! Confira o cartaz oficial do filme em primeira mão aqui no nosso site e uma resenha especial.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário