Search

Você pode gostar disso:

crying
Sete minutos depois da meia-noite (2017)
Ficção Científica Filmes Na pré Primeiro Aqui

Sete minutos depois da meia-noite (2017)

Conor é um garoto de 13 anos de idade, com muitos problemas na vida. No entanto, todas as noites ele se depara com uma gigantesca árvore-monstro que decide contar histórias para ele, em troca de escutar uma história do garoto. Embora as conversas com a árvore tenham consequências na vida real, elas ajudam Conor a escapar das dificuldades através do mundo da fantasia. Dirigido por Juan Antonio Bayona.

cryingmoney
Love (França, 2015)
Ficção Científica Filmes Na pré Primeiro Aqui

Love (França, 2015)

Murphy (Karl Glusman), é um estudante de cinema americano que mora em Paris. Lá ele conhece a jovem Electra (Aomi Muyock), com quem vive um amor profundo de dois anos que mudou sua vida. Agora, casado com outra (Klara Kristin) e com um filho, ele recebe uma ligação da ex-sogra, o que o leva a relembrar vários momento de sua relação. Dirigido por Gaspar Noé.

laughingtonguesecret
JOB (Brasil, 2019): confira o cartaz oficial do filme e nossa resenha
Ficção Científica Filmes Na pré Primeiro Aqui

JOB (Brasil, 2019): confira o cartaz oficial do filme e nossa resenha

O novo filme com Danilo Ferraz é parte da jornada para que o gênero de ação com conteúdo finalmente tenha uma inserção positiva e chegue a um patamar tão merecido no cinema nacional. Como o próprio curta mostra, é possível entregar ação, suspense e levantar questões sociais numa mesma trama em contexto com situações nas quais o brasileiro convive. E tudo isso em apenas 12 minutos! Confira o cartaz oficial do filme em primeira mão aqui no nosso site e uma resenha especial.

moustachetongue

Jurassic World – Domínio (2022): do parque para o mundo

Jurassic World - Domínio (2022): resenha

Quando surgiu a proposta de uma nova fase do mais amado filme de dinossauros já feito, Steven Spielberg se reuniu com o roteirista Mark Protosevich, para discutir se valia a pena fazer outra parte da franquia de filmes Jurassic Park. Grande parte das ideias do roteiro veio de Colin Trevorrow e de seu parceiro de escrita Derek Connolly, surpreendentemente impressionando Spielberg, produtor executivo do filme. Sendo assim, podemos dizer que uma segunda temporada, Jurassic World, entrou em prática em 2015 e está se encerrando agora, com o sexto filme da franquia. Portanto, um marco cinematográfico já que encerra a saga, estreando nos cinemas em 02 de Junho com o título Jurassic World – Domínio (2022).

O novo longa da franquia, inegavelmente, é marcado pelo tão aguardado reencontro de Jeff Goldblum, Laura Dern e Sam Neill, trio principal da trilogia Jurassic Park. Ainda mais, pela junção com o casal protagonista de Jurassic World, Bryce Dallas Howard e Chris Pratt. A presença de todos esses personagens é um dos grandes acertos do filme, trazendo mais nostalgia e referências a cenas dos primeiros filmes; ainda mais, essa nova roupagem dada à franquia desde o Mundo dos Dinossauros (2015) e suas movimentadas cenas de ação protagonizadas por Chris Pratt e Bryce Dallas Howard. Neste último filme, contamos também com a novata DeWanda Wise, aquela da série Netflix Ela Quer Tudo (She’s Gotta Have It), de Spike Lee.

Reencontro de veteranos e encontro de gerações

Esse encontro de gerações sobretudo dialoga com o roteiro, quando discute a convivência entre as espécies. Antes de mais nada, acerta ao mostrar que precisamos começar a conviver melhor entre nós, seres humanos. O grande vilão do filme não são os dinossauros, mas uma grande empresa e pessoas que se aproveitam dos estudos genéticos que premitiram trazer essa espécie de volta ao mundo. A preocupação com poder, dinheiro e processos, mais do que com a conviência entre as espécies, marca o lado sombrio do filme. Em contrapartida a esse mal, triunfa a mensagem inspiradora de que espécies perigosas podem conviver entre si.

Entretanto, provavelmente por uma estratégia comercial, buscando uma censura menor para o filme, ficou a desejar a presença de mais cenas violentas de dinossauros atacando seres humanos, já que o cenário neste último filme permitiria algo assim.

Jurassic World - Domínio (2022): resenha

Jurassic World – Domínio (2022): Sam Neill, Isabella Sermon e Chris Pratt de frente para o perigo

O mundo dos dinossauros de Michael Crichton

Antes de tudo, a Universal Pictures pagou ao escritor Michael Crichton cerca de US$ 2 milhões de dólares pelos direitos de seu romance homônimo, para levar Jurassic Park aos cinemas. Isso ocorreu antes mesmo do livro ser publicado. O diretor Colin Trevorrow, que também cuidou de Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros (2015), relatou que o desejo para esse terceiro filme era um thriller científico muito alinhado com os romances de Michael Crichton. O livro Jurassic Park foi escrito em 1990, seguido de O Mundo Perdido em 1995. Apesar de somente o roteiro dos três primeiros filmes ter relação direta com os livros, essa nova fase e este último filme estão bem alinhados com a proposta e garantem a diversão que o cinéfilo precisa conferir nas telonas, especialmente os que gostam de dinossauros.

A obra de Crichton é essencial, ele se baseou em diversas pesquisas científicas e homenageou a Paleontologia como ciência em busca da verdade. Ao propósito, podemos dizer que todos os filmes da franquia, de alguma forma, exprimem isso. Nada é melhor do que conferir como seria o mundo atual, habitado também por dinossauros. A base dada por Crichton facilitou, ao discutir a biologia que estuda a vida do passado da Terra e o seu desenvolvimento ao longo do tempo.

Dinossauros: do parque para o mundo

A transição marcante da primeira fase da franquia para esta, é o fato de que existia um parque de entretenimento para pessoas, uma espécie de zoológico de dinossauros. Agora, eles passam a dominar o mundo e gerar conflitos com os humanos, que até então se achavam dominantes. O subtítulo “domínio” é perfeito, mas o recado aqui é a busca pela convivência pacífica, baseado em respeito mútuo. Isso vai nortear algumas passagens da trama. Os personagens principais se atraem pelo propósito de buscar a liberdade dos animais (dinossauros), enfrentando o sistema. O que antes era uma tarefa solitária, deixa de ser quando mais pessoas se juntam ao clube. O resultado é libertador.

Essa liberdade que já foi difícil buscar para humanos, agora se propõe como merecida tanto para humanos quanto para as criaturas. Para isso, inevitavelmente os personagens enfretam criaturas gigantes que também precisam sobreviver, inclusive o maior predador carnívoro que já existiu na Terra. Seja homem ou animal, a palavra destemido é a que prevalece nas cenas mais agitadas do filme. O parque era quase uma prisão, e agora com os dinossauros soltos no mundo, todos anseiam por liberdade. O filme culmina com uma mensagem inspiradora sobre espécies perigosas que podem sim conviver entre si.

Tags Relacionadas Bryce Dallas Howard, Chris Pratt, crítica, Jurassic Park, jurassic park domínio, Jurassic World, jurassic world crítica, jurassic world resenha, Laura Dern, resenha, Sam Neill, Steven Spielberg
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

laughingangelcrying
Três exercícios e três filmes para a sua quarentena
Ação

Três exercícios e três filmes para a sua quarentena

Quarentena em casa para se proteger e evitar a propagação do coronavírus (COVID-19) é essencial. Contudo, você precisa se preocupar também com a sua saúde física e mental. Com o propósito de deixar nossa contribuição neste sentido, mais uma vez contamos com a parceria de Danilo Ferraz para explicar três exercícios para fazer em casa e aproveitamos para indicar três filmes na Netflix que contenham atletismo ou perseverança.

cryingangry
A Mão do Diabo (Frailty)
Filmes

A Mão do Diabo (Frailty)

A história se passa numa cidadezinha do interior do Texas. Fenton Meeks (Matthew McConaughey), depois de ficar sabendo de uma série de assassinatos, vai até a delegacia e declara que sabe de coisas que podem resolver o caso do "Mãos de Deus", um serial killer que já matou 6 pessoas. Fenton diz que seu irmão Adam é o responsável pelas mortes e o xerife local vai ouvindo sua história, carregada de trágicos acontecimentos que marcaram a infância do garoto. Dirigido por Bill Paxton.

cryingtonguesecret
Hebe – A Estrela do Brasil (Brasil, 2019)
Filmes

Hebe – A Estrela do Brasil (Brasil, 2019)

Durante o período de transição da ditadura militar para a democracia, Hebe aceita correr o risco de perder tudo que conquistou na vida e dá um basta: quer o direito de ser ela mesma na frente das câmeras, dona de sua voz e única autora de sua própria história. Dirigido por Maurício Farias.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário