Search

Você pode gostar disso:

tonguepunk
Cemitério Maldito (2019)
Comédia Drama Filmes Na pré Romance

Cemitério Maldito (2019)

Este filme foi ousado em reinventar uma das cenas mais fortes do livro (e do primeiro filme), que envolve a primeira catástrofe para a família. Isso ficou interessante e manteve a lógica. Outro ponto positivo foi a atuação de John Lithgow como o velho Jud Crandall, personagem chave com garantia de grandes momentos em tela graças ao ator consagrado. A garotinha Ellie, interpretada pela Jeté Laurence, também está boa no papel. Uma das cenas mais legais envolve os dois, é pesada e bem parecida com a cena do livro. Boa sorte!

confusedcryingstar
Mommy (Canadá, 2014)
Comédia Drama Filmes Na pré Romance

Mommy (Canadá, 2014)

Canadá, ano de 2015. Diane Després (Anne Dorval) é surpreendida com a notícia de que seu filho, Steve (Antoine-Olivier Pilon), foi expulso do reformatório onde vive por ter incendiado a cafeteria local e, com isso, provocado queimaduras de terceiro grau em um garoto. Os dois voltam a morar juntos, mas Diane enfrenta dificuldades devido à hiperatividade de Steve, que muitas vezes o torna agressivo. Os dois apenas conseguem encontrar um certo equilíbrio quando a vizinha Kyla (Suzanne Clément) entra na vida de ambos. Dirigido por Xavier Dolan.

cryingsecret
Mãe só há uma (Brasil, 2016)
Comédia Drama Filmes Na pré Romance

Mãe só há uma (Brasil, 2016)

Anna Muylaert dirige este filme nacional que poderia vencer um Oscar. Baseado em um caso real, mostra um garoto de 16 anos que descobre que sua mãe não é biológica, quando a mesma é presa pela polícia. Confuso e tendo que morar com seus parentes verdadeiros, que o conhecem como Felipe, o rapaz tem que se adaptar à nova realidade.

angelcryingtonguemoney

Lady Bird: É Hora de Voar (2017)

Lady Bird (2017)

Quando vejo, agora, a Greta Gerwig chegando a esse ponto, me dá uma felicidade, pois desde que vi Frances Ha (2013), filme maravilhoso, original, na qual ela faz a personagem principal com uma atuação brilhante, acompanho com bons olhos suas aparições e feitos para o cinema. Ela cuidou do roteiro deste último e de alguns poucos outros filmes, como Mistress America (2015). E agora escreveu e dirigiu este filme e se consagrou no mundo do cinema.

Lady Bird apresenta uma história aparentemente simples, mas que diz muito e pode emocionar bastante. É sobre uma adolescente amadurecendo, sobre um relacionamento de mãe e filha naqueles moldes onde ambas possuem uma personalidade forte e discutem bastante, quando no fundo sempre existe amor e preocupação. É também uma homenagem a cidade de Sacramento, Califórnia, que universaliza essa coisa de valorizarmos a nossa terrinha natal, nossas origens e raízes. A direção é impecável e rendeu a Greta, já neste primeiro filme que ela dirige, uma indicação ao Oscar como melhor diretora (a única mulher na categoria), assim também recebeu indicação para melhor roteiro original, melhor filme e pelas atuações de Saoirse Ronan (Lady Bird, a filha) e Laurie Metcalf (mãe).

Para quem acompanha a trajetória e estilo de Greta Gerwig, principalmente seus roteiros e personagens, percebe que existe muito dela aqui. Contudo, genialmente, a cineasta introduz um diferencial que só aparece lá pelo final do filme – ALERTA DE SPOILER – que surpreende a quem achava que seria um pouco do mesmo, pois a nossa Lady Bird, ao alcançar um pouco do seu sonho que, entre outras coisas, envolvia se distanciar de casa, percebe o quanto a felicidade estava mais perto do que imaginava, seja na relação com sua família (principalmente com a mãe), com amigos ou nas coisas mais simplórias que ela fazia na sua cidadezinha natal. Suas palavras finais deixadas na secretária eletrônica para a mãe são significantes.

Assim como ocorre com a nossa Francis Ha, se trabalha aqui as altas expectativas e a realidade contra os sonhos, mas se percebe após um longo caminho que o importante não é só seguir em frente com otimismo, mas sim saber valorizar o que se tem, respeitar e se colocar no lugar do outro, principalmente das pessoas que são mais importantes para nós. Da mãe para a filha podemos capturar duas observações belíssimas:

“O dinheiro não deve ser o boletim da nossa vida”

“Quero que você seja a melhor versão de si mesma”

A atriz Saoirse Ronan tem 23 anos, mas na pele de Christine “Lady Bird” McPherson ela realmente parece ter seus quase 18, uma garotinha confusa, que apronta um pouco com a melhor amiga, vive seus primeiros romances e sonha… sonha bastante. É teimosa e não perde sua meta de vista. Esta é sua terceira indicação ao Oscar, após Desejo e Reparação (2007), um dos meus favoritos, e Brooklyn (2015). Já a mãe é interpretada por Laurie Metcalf, atuação coadjuvante impressionante, sem contar que estamos falando de uma personagem com alta importância no enredo. Existe vários momentos que mostram isso, mas a cena na qual ela chora dirigindo, durante a partida da filha para Nova York, mostra uma atuação sublime.

Personagens de Saoirse Ronan e Laurie Metcalf

Greta Gerwig dirigindo

Existe uma dinâmica legal no filme quando algumas cenas parecem bem naturais, como quando uma música de Alanis Morissette chama a atenção da personagem, ou num momento clichê – e proposital – de término de namoro onde ela e amiga escutam uma música romântica e choram, ou quando ela e a mãe escutam o áudio do livro As Vinhas da Ira e depois discutem. Também existem alguns momentos bem divertidos, só mesmo para quem assistir.

Tags Relacionadas crítica, crítica Lady Bird, É Hora de Voar, Frances Ha, Greta Gerwig, Lady Bird, Laurie Metcalf, Mistress America, resenha, resenha Lady Bird, Saoirse Ronan
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

crying
Drama

Primavera, Verão, Outono, Inverno… e Primavera (Coréia do Sul, 2003)

Contemplativo e bem reflexivo, recheado de elementos orientais, como o mestre e o aprendiz, a força e simbologia da estátua do Buda, portas sem paredes ao redor, o colchão em contato com o solo, pequenos animais e ensinamentos pelas artes marciais, esta obra do diretor Kim Ki-duk representa o que há de melhor no drama sul-coreano.

coolangelconfused
Clube dos Cinco (The Breakfast Club, 1985)
Comédia

Clube dos Cinco (The Breakfast Club, 1985)

Em virtude de terem cometido pequenos delitos, cinco adolescentes são confinados no colégio em um sábado, com a tarefa de escrever uma redação de mil palavras sobre o que pensam de si mesmos. Apesar de serem pessoas completamente diferentes, enquanto o dia transcorre eles passam a aceitar uns aos outros, fazem várias confissões e tornam-se amigos. Dirigido por John Hughes.

Filmes

As Vinhas da Ira (“The Grapes of Wrath”, EUA, 1940)

Eu indico The Grapes of Wrath (EUA, 1940) A história

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário