Search

Você pode gostar disso:

cryingangry
A Mão do Diabo (Frailty)
Drama Filmes Na pré

A Mão do Diabo (Frailty)

A história se passa numa cidadezinha do interior do Texas. Fenton Meeks (Matthew McConaughey), depois de ficar sabendo de uma série de assassinatos, vai até a delegacia e declara que sabe de coisas que podem resolver o caso do "Mãos de Deus", um serial killer que já matou 6 pessoas. Fenton diz que seu irmão Adam é o responsável pelas mortes e o xerife local vai ouvindo sua história, carregada de trágicos acontecimentos que marcaram a infância do garoto. Dirigido por Bill Paxton.

punk
Sobrenatural (2010)
Drama Filmes Na pré

Sobrenatural (2010)

Está cada vez mais difícil fazer filmes de suspense ou terror que sejam bem vistos pela crítica e pelo público. Até os grandes sustos e os arrepios estão mais difíceis de serem arrancados do espectador exigente. O filme "Insidious" reúne duas coisas que me fazem valorizar um filme deste gênero: clima sinistro com sustos e uma história interessante. Direção de James Wan.

crying
Tarde Demais (“Beautiful Boy”, 2010)
Drama Filmes Na pré

Tarde Demais (“Beautiful Boy”, 2010)

A jornada de um casal que tenta desesperadamente encontrar alguma explicação, depois de descobrir que seu único filho cometeu um assassinato em massa dentro de sua universidade e depois se suicidou. O filme mostra como eles lidam com a realidade de ter o único filho morto e visto por todos como um assassino cruel. Dirigido por Shawn Ku.

cryingtongue

Adoráveis Mulheres (2019)

Adoráveis Mulheres: resenha filme

Little Women (EUA, 2019)

Adoráveis Mulheres: entre a afirmação feminina e o romance por tradição

Dois anos após Lady Bird (2018), seu primeiro filme, Greta Gerwig dirige mais uma produção com protagonistas femininas neste Adoráveis Mulheres (2019). Tendo origem no romance juvenil Mulherzinhas, de Louisa May Alcott, Greta escapa da etiqueta de principiante sortuda e se consagra como uma das melhores diretoras do cinema. A saber, o filme é um retrato singelo de uma família classe média formada pelas irmãs Jo (Saoirse Ronan), Beth (Eliza Scanlen), Meg (Emma Watson) e Amy (Florence Pugh) que amadurecem enquanto os Estados Unidos atravessam a Guerra Civil.

A escritora Louisa May Alcott está incorporada na protagonista Jo, sobretudo por ela mesma ter se tornado escritora enquanto sonhava ser atriz. Analogamente, a trama se passa numa época onde as mulheres tinham que ser atrizes famosas ou casar com um homem rico para se firmar. Evidentemente, as próprias experiências de Louisa inspiraram suas histórias. Aqui, meninas-mulheres com personalidades diferentes enfrentam a vida juntas e unidas pelo amor e valores como a dedicação ao lar e união familiar. Em segundo lugar, um encontro do tradicional com o moderno estão presentes na trama, tudo muito bem articulado e dosado nas idas e vindas do tempo.

Adoráveis Mulheres: resenha filme

Saoirse Ronan e Timothée Chalamet

Sem exageros no melodramático e nem nas cenas engraçadas, Greta mantém uma identidade no filme onde o verbo que me vem à mente é “cativar”. Assim, algo que se tornaria um mar de sofrimento, passa com beleza e nos cativa, mostrando o lado adorável das pessoas, não somente das mulheres do título, mas também dos amigos, vizinhos e até da única empregada da família.

“Não me conformo com a decepção de ser mulher”

Saoirse Ronan está bem natural principalmente quando enfrenta o fato de que existem poucas opções para as mulheres nessa época. Ela é um encanto maior ainda ao contracenar com o já adorado Timothée Chalamet (de Me Chame Pelo Seu Nome, 2017). Laura Dern tem um papel fundamental: é a “mamãe” das garotas, atuação fenomenal, atriz que sempre foi boa mas só apareceu nos holofotes após História de Um Casamento, certamente sua subida ao Oscar. E a Florence Pugh confirma como a grande promessa, surpreendendo mesmo após sua ótima presença em Midsommar. Inegavelmente estamos diante de uma impecável direção de atrizes e atores.

O romance já havia sido adaptado para o cinema, TV e séries, desde 1917. Não conheço e nem fiquei empolgado em ver esses anteriores; para mim é mais que suficiente essa versão de Adoráveis Mulheres (2019) pelas mãos da Greta Gerwig. Para saber o quanto gostamos também de Lady Bird, leia a resenha clicando aqui.

Tags Relacionadas Adoráveis Mulheres, Adoráveis Mulheres 2019, crítica, crítica Adoráveis Mulheres, Emma Watson, filmes Greta Gerwig, Florence Pugh, Greta Gerwig, resenha, resenha Adoráveis Mulheres, Saoirse Ronan, Timothée Chalamet
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

Horas de desespero (EUA, 2015)

Eu indico No escape (EUA, 2015) Jack Dwyer (Owen Wilson)

Filmes

No Coração do Mar (2015)

Eu indico In the Heart of the Sea (EUA, 2015)

Filmes

O Pequeno Nicolau (“Le Petit Nicolas”)

Eu indico Le Petit Nicolas (França, 2009)   Nicolau (Maxime

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário