Search

Você pode gostar disso:

coolangelconfused
Clube dos Cinco (The Breakfast Club, 1985)
Drama Filmes Na pré

Clube dos Cinco (The Breakfast Club, 1985)

Em virtude de terem cometido pequenos delitos, cinco adolescentes são confinados no colégio em um sábado, com a tarefa de escrever uma redação de mil palavras sobre o que pensam de si mesmos. Apesar de serem pessoas completamente diferentes, enquanto o dia transcorre eles passam a aceitar uns aos outros, fazem várias confissões e tornam-se amigos. Dirigido por John Hughes.

happy
10 filmes originais Netflix para Oscar não botar defeito
Drama Filmes Na pré

10 filmes originais Netflix para Oscar não botar defeito

Foi uma tortura concluir essa lista visto que os filmes originais Netflix, em sua grande maioria, são decepcionantes. E eu vi muitos para conseguir gostar de 10, chegando ao ponto de cancelar minha assinatura até que um dia tenha motivos para ativar novamente. Mas ,enfim, eis que temos 10 filmes bem legais produzidos pela própria Netflix.

cryingmoney
Sentidos do Amor (2011)
Drama Filmes Na pré

Sentidos do Amor (2011)

Susan (Eva Green) é uma estudiosa epidemiologista em crise com o amor. Ao conhecer o sedutor Michael (Ewan McGregor), um talentoso chefe de cozinha, tenta resistir, mas logo acaba rendendo-se. No entanto, enquanto a paixão do casal aumenta, uma misteriosa pandemia se espalha pelo mundo. Dirigido por David Mackenzie.

cryingtongue

Adoráveis Mulheres (2019)

Adoráveis Mulheres: resenha filme

Little Women (EUA, 2019)

Adoráveis Mulheres: entre a afirmação feminina e o romance por tradição

Dois anos após Lady Bird (2018), seu primeiro filme, Greta Gerwig dirige mais uma produção com protagonistas femininas neste Adoráveis Mulheres (2019). Tendo origem no romance juvenil Mulherzinhas, de Louisa May Alcott, Greta escapa da etiqueta de principiante sortuda e se consagra como uma das melhores diretoras do cinema. A saber, o filme é um retrato singelo de uma família classe média formada pelas irmãs Jo (Saoirse Ronan), Beth (Eliza Scanlen), Meg (Emma Watson) e Amy (Florence Pugh) que amadurecem enquanto os Estados Unidos atravessam a Guerra Civil.

A escritora Louisa May Alcott está incorporada na protagonista Jo, sobretudo por ela mesma ter se tornado escritora enquanto sonhava ser atriz. Analogamente, a trama se passa numa época onde as mulheres tinham que ser atrizes famosas ou casar com um homem rico para se firmar. Evidentemente, as próprias experiências de Louisa inspiraram suas histórias. Aqui, meninas-mulheres com personalidades diferentes enfrentam a vida juntas e unidas pelo amor e valores como a dedicação ao lar e união familiar. Em segundo lugar, um encontro do tradicional com o moderno estão presentes na trama, tudo muito bem articulado e dosado nas idas e vindas do tempo.

Adoráveis Mulheres: resenha filme

Saoirse Ronan e Timothée Chalamet

Sem exageros no melodramático e nem nas cenas engraçadas, Greta mantém uma identidade no filme onde o verbo que me vem à mente é “cativar”. Assim, algo que se tornaria um mar de sofrimento, passa com beleza e nos cativa, mostrando o lado adorável das pessoas, não somente das mulheres do título, mas também dos amigos, vizinhos e até da única empregada da família.

“Não me conformo com a decepção de ser mulher”

Saoirse Ronan está bem natural principalmente quando enfrenta o fato de que existem poucas opções para as mulheres nessa época. Ela é um encanto maior ainda ao contracenar com o já adorado Timothée Chalamet (de Me Chame Pelo Seu Nome, 2017). Laura Dern tem um papel fundamental: é a “mamãe” das garotas, atuação fenomenal, atriz que sempre foi boa mas só apareceu nos holofotes após História de Um Casamento, certamente sua subida ao Oscar. E a Florence Pugh confirma como a grande promessa, surpreendendo mesmo após sua ótima presença em Midsommar. Inegavelmente estamos diante de uma impecável direção de atrizes e atores.

O romance já havia sido adaptado para o cinema, TV e séries, desde 1917. Não conheço e nem fiquei empolgado em ver esses anteriores; para mim é mais que suficiente essa versão de Adoráveis Mulheres (2019) pelas mãos da Greta Gerwig. Para saber o quanto gostamos também de Lady Bird, leia a resenha clicando aqui.

Tags Relacionadas Adoráveis Mulheres, Adoráveis Mulheres 2019, crítica, crítica Adoráveis Mulheres, Emma Watson, filmes Greta Gerwig, Florence Pugh, Greta Gerwig, resenha, resenha Adoráveis Mulheres, Saoirse Ronan, Timothée Chalamet
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

cryingtongue
Bom Comportamento (2017)
Drama

Bom Comportamento (2017)

O plano de Constantine Nikas (Robert Pattinson) era assaltar um banco e conseguir uma boa quantia em dinheiro, mas não funciona e o seu irmão mais novo acaba sendo preso. Decidido a resgatá-lo, Constantine embarca em uma perigosa corrida contra o relógio e onde ele mesmo é o próximo alvo da polícia. Dirigido pelos irmãos Safdie.

coolangelconfused
Clube dos Cinco (The Breakfast Club, 1985)
Comédia

Clube dos Cinco (The Breakfast Club, 1985)

Em virtude de terem cometido pequenos delitos, cinco adolescentes são confinados no colégio em um sábado, com a tarefa de escrever uma redação de mil palavras sobre o que pensam de si mesmos. Apesar de serem pessoas completamente diferentes, enquanto o dia transcorre eles passam a aceitar uns aos outros, fazem várias confissões e tornam-se amigos. Dirigido por John Hughes.

cryingtongue
O Destino de uma Nação (2017)
Na pré

O Destino de uma Nação (2017)

Essa adaptação não se propõe a mostrar a vida de Churchill, mas sim um recorte de um momento crítico na história do Reino Unido, num momento histórico dos mais lembrados pela humanidade, a Segunda Guerra Mundial, onde ele assumiu o papel de primeiro-ministro quando os grandes dirigentes do Reino Unido já estavam jogando a toalha e se dando por vencidos pela Alemanha. É interessante e vai na linha do título original do longa “Darkest Hour” (Hora mais escura). Dirigido por Joe Wright.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário