Search

Você pode gostar disso:

Ação Filmes Na pré

Tarde demais (“The Heiress”, EUA, 1949)

Eu indico The Heiress (EUA, 1949) Catherine (Olivia de Havilland),

confusedangry
Lady Vingança (“Chinjeolhan geumjassi”)
Ação Filmes Na pré

Lady Vingança (“Chinjeolhan geumjassi”)

Dirigido por Chan Wook Park, este é um dos filmes da Trilogia da Vingança. Geum-ja passou os últimos 13 anos na cadeia, devido ao cruel assassinato de um garoto de 7 anos. Durante esse período, ela planeja sua vingança contra o sujeito que a obrigou a assumir a culpa pelo crime.

Ação Filmes Na pré

Inverno da Alma (“Winter’s Bone”, EUA, 2010)

Eu indico Winter’s Bone (EUA, 2010) Ree Dolly (Jennifer Lawrence),

laughingtongue

Shazam! (2019)

Shazam! (EUA, 2019)

Mais um integrante do universo da DC, sendo este o filme mais leve e divertido até o momento, mesmo comparando com os bons momentos de comédia de Aquaman (2018), apesar de ter prevalecido neste último a construção do personagem e batalhas sensacionais no fundo do mar. Já em Shazam! existe um tom despretensioso e muitas piadas inclusive com outros personagens importantes como Batman e Superman. Meio à parte do clima obscuro da maioria dos filmes anteriores, mas podemos dizer que a introdução do Shazam nesse universo veio para somar.

Boas referências, até claras demais, aos heróis que apareceram nos filmes anteriores, expandindo para referências a outros filmes como Quero Ser Grande (preste atenção na cena do piano no chão e lembre do Tom Hanks), sendo super pertinente considerando a situação do protagonista, um garoto de 14 anos (Asher Angel) que ganha os poderes de um mago podendo se transformar num adulto (Zachary Levi) sarado e com uma vestimenta chamativa, só que a criança está no corpo do adulto. O personagem é interessante apesar de não ter muitos mistérios e o Zachary Levi está ótimo como o “crianção” com poderes.

O enredo puxa mitologia junto com a luta contra o poder do pecado, ou melhor, dos sete pecados capitais. Mas isso perde importância diante dos momentos com o garoto descobrindo os poderes na base da tentativa e erro após se transformar no Shazam e aproveitando para buscar fama e se divertir. Só quando a família – a verdadeira, de criação – é ameaçada junto com outros mortais ele percebe que precisa colocar o herói em prática. Por sinal, o elenco ficou muito legal principalmente os irmãos também adotados do protagonista. De resto, é um filme padrão sobre super herói e super vilão.

“Shazam!” tem exclamação no final para frisar o quanto é empolgante falar essa palavra, melhor ainda seria se a gente se transformasse como ele. Mas o filme mostra que muitos querem ser super herói e parece que todo mundo pode, mesmo não tendo poderes, bastando atitudes e coragem de enfrentar o mal e proteger o próximo. Se por um lado o filme quase cai na mesmice de trazer toda aquela bobagem de família americana feliz no Natal, por outro ele aproveita essa premissa e faz certas gozações, nem Papai Noel escapa! David F. Sandberg, que dirigiu Annabelle 2 – A Criação do Mal (2017), um dos mais sinistros e ótimo spin-off de Invocação do Mal, agora dirige o seu primeiro de herói e provavelmente o seu filme mais leve.

Tags Relacionadas crítica Shazam, David F. Sandberg, David Sandberg, filme DC, filme herói, filme Shazam, resenha Shazam, Shazam, Zachary Levi
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

cryingtongue
Dunkirk (2107)
Filmes

Dunkirk (2107)

Baseado na história real da Operação Dínamo, mais conhecida como a Evacuação de Dunkirk, operação militar que aconteceu no início da Segunda Guerra Mundial. Tropas britânicas e aliadas cercadas por forças inimigas, encurralados na praia e com o mar em suas costas, enfrentam uma situação impossível à medida que os inimigos se aproximam. Dirigido por Christopher Nolan.

cryingangry
Filmes

Goodnight Mommy (Áustria, 2015)

No calor do verão, uma casa isolada no campo, entre bosques e campos de milho. Gêmeos de dez anos de idade esperam por sua mãe. Quando ela volta, com a cabeça envolta em ataduras após uma cirurgia plástica, nada é como era antes. Severa e distante, ela fecha a família para o mundo exterior. Começando a duvidar que esta mulher é realmente sua mãe, os meninos estão determinados a encontrar a verdade de qualquer maneira. Dirigido por Severin Fiala e Veronika Franz.

confusedcryingstar
Síndromes e um século (Tailândia, 2006)
Favoritos

Síndromes e um século (Tailândia, 2006)

Situações aparentemente insignificantes ganham um grande significado nesta obra cinematográfica do diretor tailandês Apichatpong Weerasethakul. Retrato da modernização da Tailândia e as síndromes do século, através de situações em um hospital.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário