Search

Você pode gostar disso:

Destaques Filmes Suspense Terror

A Outra Terra (Another Earth, EUA, 2011)

Eu indico Another Earth (EUA, 2011) Rhoda Williams (Brit Marling)

Viagem de cinema: Califórnia
Destaques Filmes Suspense Terror

Viagem de cinema: Califórnia

Você sabia que em São Francisco tem um restaurante italiano do Francis Ford Coppola? E que em Los Angeles existe a casa de Mcfly do filme De Volta Para o Futuro? Neste especial, percorremos parte da Califórnia e separamos várias dicas para você fazer uma viagem de cinema.

coolangelconfused
Clube dos Cinco (The Breakfast Club, 1985)
Destaques Filmes Suspense Terror

Clube dos Cinco (The Breakfast Club, 1985)

Em virtude de terem cometido pequenos delitos, cinco adolescentes são confinados no colégio em um sábado, com a tarefa de escrever uma redação de mil palavras sobre o que pensam de si mesmos. Apesar de serem pessoas completamente diferentes, enquanto o dia transcorre eles passam a aceitar uns aos outros, fazem várias confissões e tornam-se amigos. Dirigido por John Hughes.

angrypunk

Um Lugar Silencioso Parte II (2021): respire sem fazer barulho

Muitos filmes sabem se sustentar no suspense psicológico e passar um ensaio sobre comportamento humano, seja num mundo afetado por uma catástrofe, seja por invasão alienígena. Nesse aspecto, os melhores nem precisam ou arriscam uma continuação. Sequer existe a carência de uma sequência mesmo quando não explicam o motivo dos eventos e ainda deixam um final em aberto. Muitos se perguntaram se Um Lugar Silencioso (2018), muito bem aceito pelos críticos e público geral, precisava de um sequência. Confira nossa resenha de Um Lugar Silencioso Parte II (2021), mas não esqueça de respirar sem fazer barulho, embora o silêncio não seja mais suficiente para garantir a sobrevivência.

Resenha Um Lugar Silencioso Parte II (2021)

A Quiet Place – Part II (EUA, 2021)

A resposta de John Krasinski às expectativas criadas quando decidiu realizar esse segundo filme foi madura e acertada: ele entregou mais um ótimo filme e decidiu ampliar as informações sobre o mundo complicado que foi apresentado na proposta original. Inegavelmente, sequências geniais de aventura foram criadas, usando tudo o que se podia dos cenários e objetos, dando pistas, conectando cenas. Acrescentado a isso, um show de fotografia e sons, que não podiam faltar para explorar a proposta. A proposital ausência de sons em várias cenas também foi pertinente.

Respire sem fazer barulho!

Ligações feitas com o primeiro filme servem para dar mais forma ao conceito de sequência, inclusive voltando para o DIA 1, o dia no qual tudo começou. Vemos o mesmo mercado da primeira cena do filme anterior, só que muitos meses antes, assim como uma revisita a outros locais. Ainda assim, não percebi uma repetição; a vida segue para os personagens que agora vão conhecer outras pessoas, algumas boas, outras más. O comportamento humano indo ao seu pior é uma lógica bem explorada na série e HQ Walking Dead, assim como em filmes ótimos, os quais destaco Ao Cair da Noite (2017), A Estrada (2009) e um menos conhecido, A Luz No Fim Do Mundo (2019), que vocês devem assistir. Os dois primeiros estão na HBO Max e um deles tem uma resenha nossa aqui:

Ao cair da noite (EUA, 2017)

Em resumo, são filmes onde o monstro surge nas pessoas e John Krasinski decide explorar essa questão, tão plausível, aqui na sequência, embora o antagonismo predomine nas criaturas assassinas.

Em Um Lugar Silencioso Parte II, o silêncio não é suficiente para sobreviver

Ademais, continuam os elementos essenciais e seu ensaio sobre a sobrevivência da família, que tentei passar na resenha do primeiro filme, disponível aqui. Acrescentando o complicado convívio humano, o filme mostra que fazer silêncio não é suficiente para a sobrevivência.

Continuo fã, por certo, da Millicent Simmonds. A atriz, agora com 18 anos, ficou surda antes de completar um ano de idade. Em 2019 ela foi nomeada como Melhor Atriz Jovem pelo filme Um Lugar Silencioso, no Critics’ Choice Movie Awards. Ela garante as melhores cenas junto com o personagem de Cillian Murphy, que se destaca como um personagem transtornado. Introduzido neste segundo filme, sua cara de assustado em alguns momentos é sensacional, assim como seus surtos de coragem combinando com o amadurecimento das duas crianças (Millicent Simmonds e Noah Jupe), que com efeito possuem um papel essencial aqui.

Cillian Murphy pede silêncio, ao lado de Djimon Hounsou

Em conclusão, fica novamente um gostinho de quero mais. Contudo, essa decisão de um terceiro filme cabe a John Krasinski, que possui a maior parte do mérito pela alta bilheteria do segundo. O filme teria sido lançado junto com o início da pandemia, mas acabou ficando para agora. Isso resultou numa coincidência arrepiante da quantidade de dias vividos pelos personagens após a catástrofe com a quantidade de dias que estamos vivendo essa pandemia da Covid-19. Os personagens, neste segundo filme, chegaram ao DIA 474, ou seja, 1 ano e 4 meses de sobrevivência. Tamo junto!

Tags Relacionadas Cillian Murphy, crítica Um Lugar Silencioso Parte II, John Krasinski, Millicent Simmonds, Noah Jupe, resenha Um Lugar Silencioso Parte II, Um Lugar Silencioso Parte II
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

A Noite dos Desesperados (EUA, 1969)

Eu indico They Shoot Horses, Don’t They? (EUA, 1969) Em

cryingtongue
O Destino de uma Nação (2017)
Na pré

O Destino de uma Nação (2017)

Essa adaptação não se propõe a mostrar a vida de Churchill, mas sim um recorte de um momento crítico na história do Reino Unido, num momento histórico dos mais lembrados pela humanidade, a Segunda Guerra Mundial, onde ele assumiu o papel de primeiro-ministro quando os grandes dirigentes do Reino Unido já estavam jogando a toalha e se dando por vencidos pela Alemanha. É interessante e vai na linha do título original do longa “Darkest Hour” (Hora mais escura). Dirigido por Joe Wright.

laughingconfusedmoustachetongue
Jogador Nº 1 (2018)
Na pré

Jogador Nº 1 (2018)

O ano é 2045. Em Columbus, Ohio, vive Wade Watts (Tye Sheridan), jovem que se vê preso a um mundo onde em vez de resolver os problemas, as pessoas apenas sobrevivem a eles. Morando sob o mesmo teto de sua tia Alice, constantemente vítima de seus detestáveis companheiros perdedores, o garoto encontra a fuga deste ambiente na realidade virtual do jogo OASIS. Dirigido por Steven Spielberg. Resenha SEM spoilers.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário