Search

Você pode gostar disso:

laughingangry
Invasores – Nenhum Sistema Está à Salvo (Alemanha, 2014)
Filmes Suspense Terror

Invasores – Nenhum Sistema Está à Salvo (Alemanha, 2014)

Benjamin (Tom Schilling) é uma pessoa solitária. Sua vida se resume ao mundo virtual, onde pode ser quem desejar. Logo, ele se junta a um grupo de hackers em Berlim que provocam atividades divertidas em busca de fama e reconhecimento de outros hackers. Mas o que começa como um jogo, acaba se intensificando a algo perigoso entre o amor e a morte. Dirigido por Baran bo Odar.

happy
TOP 10 filmes lançados em 2018
Filmes Suspense Terror

TOP 10 filmes lançados em 2018

Nossa lista anual é sempre disponibilizada perto ou logo após o Oscar. Os 10 melhores do ano passado para você concordar, discordar ou correr para assistir! Alguns deles possuem resenha aqui no site, é só clicar no título. Dessa vez tivemos metade da lista com filmes não americanos, sendo 2 brasileiros, 1 mexicano, 1 francês e 1 coreano.

Vestígios do cinema em Rio de Contas (Bahia)
Filmes Suspense Terror

Vestígios do cinema em Rio de Contas (Bahia)

Rio de Contas é a minha cidade preferida da Chapada Diamantina, que fica no coração da Bahia. Aproveitei a terceira vez que fui na cidade, recentemente, e procurei por espaços e coisas relacionadas com o cinema. E olha que encontrei duas coisas legais! Após descobrir esses vestígios do cinema, a cidade ficou ainda mais encantadora para mim, e percebi que podemos caçar e encontrar essas coisas de cinema em qualquer lugar do Brasil, como se tivéssemos procurando diamantes, como faziam os garimpeiros na região da Chapada Diamantina.

angrypunk

Um Lugar Silencioso Parte II (2021): respire sem fazer barulho

Muitos filmes sabem se sustentar no suspense psicológico e passar um ensaio sobre comportamento humano, seja num mundo afetado por uma catástrofe, seja por invasão alienígena. Nesse aspecto, os melhores nem precisam ou arriscam uma continuação. Sequer existe a carência de uma sequência mesmo quando não explicam o motivo dos eventos e ainda deixam um final em aberto. Muitos se perguntaram se Um Lugar Silencioso (2018), muito bem aceito pelos críticos e público geral, precisava de um sequência. Confira nossa resenha de Um Lugar Silencioso Parte II (2021), mas não esqueça de respirar sem fazer barulho, embora o silêncio não seja mais suficiente para garantir a sobrevivência.

Resenha Um Lugar Silencioso Parte II (2021)

A Quiet Place – Part II (EUA, 2021)

A resposta de John Krasinski às expectativas criadas quando decidiu realizar esse segundo filme foi madura e acertada: ele entregou mais um ótimo filme e decidiu ampliar as informações sobre o mundo complicado que foi apresentado na proposta original. Inegavelmente, sequências geniais de aventura foram criadas, usando tudo o que se podia dos cenários e objetos, dando pistas, conectando cenas. Acrescentado a isso, um show de fotografia e sons, que não podiam faltar para explorar a proposta. A proposital ausência de sons em várias cenas também foi pertinente.

Respire sem fazer barulho!

Ligações feitas com o primeiro filme servem para dar mais forma ao conceito de sequência, inclusive voltando para o DIA 1, o dia no qual tudo começou. Vemos o mesmo mercado da primeira cena do filme anterior, só que muitos meses antes, assim como uma revisita a outros locais. Ainda assim, não percebi uma repetição; a vida segue para os personagens que agora vão conhecer outras pessoas, algumas boas, outras más. O comportamento humano indo ao seu pior é uma lógica bem explorada na série e HQ Walking Dead, assim como em filmes ótimos, os quais destaco Ao Cair da Noite (2017), A Estrada (2009) e um menos conhecido, A Luz No Fim Do Mundo (2019), que vocês devem assistir. Os dois primeiros estão na HBO Max e um deles tem uma resenha nossa aqui:

Ao cair da noite (EUA, 2017)

Em resumo, são filmes onde o monstro surge nas pessoas e John Krasinski decide explorar essa questão, tão plausível, aqui na sequência, embora o antagonismo predomine nas criaturas assassinas.

Em Um Lugar Silencioso Parte II, o silêncio não é suficiente para sobreviver

Ademais, continuam os elementos essenciais e seu ensaio sobre a sobrevivência da família, que tentei passar na resenha do primeiro filme, disponível aqui. Acrescentando o complicado convívio humano, o filme mostra que fazer silêncio não é suficiente para a sobrevivência.

Continuo fã, por certo, da Millicent Simmonds. A atriz, agora com 18 anos, ficou surda antes de completar um ano de idade. Em 2019 ela foi nomeada como Melhor Atriz Jovem pelo filme Um Lugar Silencioso, no Critics’ Choice Movie Awards. Ela garante as melhores cenas junto com o personagem de Cillian Murphy, que se destaca como um personagem transtornado. Introduzido neste segundo filme, sua cara de assustado em alguns momentos é sensacional, assim como seus surtos de coragem combinando com o amadurecimento das duas crianças (Millicent Simmonds e Noah Jupe), que com efeito possuem um papel essencial aqui.

Cillian Murphy pede silêncio, ao lado de Djimon Hounsou

Em conclusão, fica novamente um gostinho de quero mais. Contudo, essa decisão de um terceiro filme cabe a John Krasinski, que possui a maior parte do mérito pela alta bilheteria do segundo. O filme teria sido lançado junto com o início da pandemia, mas acabou ficando para agora. Isso resultou numa coincidência arrepiante da quantidade de dias vividos pelos personagens após a catástrofe com a quantidade de dias que estamos vivendo essa pandemia da Covid-19. Os personagens, neste segundo filme, chegaram ao DIA 474, ou seja, 1 ano e 4 meses de sobrevivência. Tamo junto!

Tags Relacionadas Cillian Murphy, crítica Um Lugar Silencioso Parte II, John Krasinski, Millicent Simmonds, Noah Jupe, resenha Um Lugar Silencioso Parte II, Um Lugar Silencioso Parte II
Próximo post Post anterior

Você pode gostar disso:

Filmes

A Onda (“Die Welle”, Alemanha, 2008)

Eu indico Die Welle (Alemanha, 2008) Em uma escola na

confusedcryingstarmoustache
O Homem da Terra (2007)
Filmes

O Homem da Terra (2007)

Trata-se de um roteiro com muito conteúdo histórico com cerne na ciência e religião. Para isso, o diretor Richard Schenkman, a partir do roteiro de Jerome Bixby, opta por uma trama com muitos diálogos, todos inteligentes, até porquê entre os personagens temos professores, doutores, pessoas bem formadas. Um deles, John Oldman (David Lee Smith), protagonista, está de mudança e vai se afastar dos amigos, e resolve fazer uma revelação chocante sobre si mesmo, o que dá início a uma série de reações e discussões que vão nos dar uma aula de história, ciência, de tudo.

moustachesecret
Proteção: filme nacional chegando… sobre epidemia
Nacional

Proteção: filme nacional chegando… sobre epidemia

O filme nacional Proteção, impactado pelo atual cenário de pandemia, é uma ficção científica que discorre justamente sobre uma epidemia... uma epidemia intitulada como a "peste branca". Promete render boas discussões ao jogar o espectador num dilema: "Você entregaria a cura para salvar a vida do seu inimigo?". Roteiro e direção de Alberto Sena.

0 Comentário

Sem comentários

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe seu comentário